de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 16 Janeiro , 2007, 17:39
Violência omnipresente

1. Não há educação (de princípios) que resista! Na tarde de domingo último, por casualidade, alguns minutos de tempo nos sobraram e eis que o “ritual” de ligar a TV foi também o nosso. Seria pelo meio da tarde, em horário nobre de domingo, horas propícias das propostas de programação aliciante para os mais novos.
Já sabíamos, e não é novidade para ninguém, que a concorrência feroz, ao segundo, nos nossos canais generalistas, generaliza, precisamente e perversamente, um sensacionalismo de tendências sempre mais fantásticas quanto deseducativas em termos de uma irreverência em que quanto pior (programa) melhor (audiência).
Já não tínhamos grandes expectativas. Mas, permita-se-nos a liberdade do “bom senso”, ficámos surpreendidos e perplexos pelo grotesco excesso. Na generalidade dos canais a grande violência reinava no sereno domingo à tarde; e se a violência dos filmes já “faz parte” da vida (temos lamentavelmente de o reconhecer, estamos por tudo!), com os seus impactos negativos, já a violência gratuita e espectacularizada não nos pode deixar indiferentes (pelo menos por agora, até que nos habituemos).
2. Falamos concretamente da luta livre americana. Sabemos que já existe há longos anos esse espectáculo inqualificável, onde a “pancada em cima de pancada”, até partir se for preciso, é o lema. Esse programa há já alguns anos esteve presente no mesmo canal; agora voltou (ao terceiro canal), para semear (que sentimentos?) violência na tarde de domingo. Inqualificável opção de programação de um instrumento admirável que pode ser a TV.
No referido programa das lutas de Wrestling, esta uma empresa americana de espectáculos de entretenimento na base da violência, luta-se premeditadamente até haver forças; quase que faz lembrar as lutas das arenas romanas até à morte. Há um quadro grande de lutadores onde droga, escândalo, morte se misturam; para nossa surpresa esses campeonatos nos EUA têm uma proporção impressionante, havendo 14 campeonatos de luta, também de mulheres. Dessa empresa, que vende os seus espectáculos ao mundo sedento, a táctica é declaradamente, com encenação, vender para o público-alvo que são os adolescentes pelos 14 anos e os jovens adultos na casa dos 30. Este é o Wrestling mais "politicamente incorrecto", com linguagem degradante, combate espectacular e violento a ponto de partir braços, pernas, cabeças…mesmo atingindo situações de morte posterior. Essa empresa de entretenimento, desta forma (degradante), superou a sua crise económica recente, vencendo assim a concorrência. Público? Estádio-pavilhão cheio de público eufórico e deliciado (com crianças a assistir ao vivo) a ver os lutadores até ao fim!...
3. Dos filmes aos noticiários, dos game boy às lutas livres, uma sensação de violência omnipresente (on-line) acompanha a história deste tempo, a que se poderá juntar a comunicação social (quando é) sensacionalista. Desta impressão televisiva violenta (consciente ou inconscientemente), a crispação e intolerância passa para os mais novos e desce à escola, à estrada e mesmo à “violência doméstica”.
Nesse tal programa americano, no intervalo dizia-se: “Não repita isto em casa”! Não fossem os adolescentes repetirem a experiência dando violentamente na mãe ou no irmão mais novo! Dá vontade de rir, degradante realidade esta que existe e que a concorrência televisiva trás para Portugal como um “doce” de domingo para vencer a “guerra” da audiência. Não há ética, educação, conselho, ideal, visão feliz de mundo, direitos e dignidade humana,… que resista! Andamos a “trabalhar” desnorteados, sem enquadrar as instâncias universais de educação (UNESCO, ONU, …) neste processo de referência da boa LIBERDADE COM REPOSNABILIDADE para sermos HUMANOS, para todas as formas impressionantes de comunicação porem água na sua fervura dos espectáculos da violência. Existem algumas instâncias, nacionais e internacionais, para o efeito, mas… Talvez a proibição (de tudo o que é desumano, indigno e deseduca) terá de fazer parte da liberdade!
4. No ano passado, quando da (mal) designada época dos incêndios as nossas televisões fizeram um pacto de paz, para não transmitir grandes imagens de incêndios nem apresentar “exploração de sentimentos”. Louvável! Mas, apesar de todas as subjectividades nestas realidades, será necessário um pacto transversal de não-violência para as programações televisivas?
Ou, descendo à terra de sermos humanos: antes de todas as codificações, não terão os senhores da TV nos seus filhos ou sobrinhos a intuição “daquilo” que será o melhor (ou o menos pior) para uma boa educação dos seus? Terão esta preocupação? Terão eles a percepção da responsabilidade na formação da sociedade do seu canal? Mal vai quando para tudo será necessário códigos (este é o “sinal” evidente de que estamos a distanciar-nos da proclamada “liberdade”). Pelo andar da carruagem, até onde o comboio violento chegará?

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 16 Janeiro , 2007, 12:26




O FRIO
::

Temos de convir que o frio faz parte da vida. O frio físico, está bem de ver, não deixa de ter o seu encanto, sobretudo por nos atrair para a fogueira que nos aquece os pés, depois o corpo todo e, desde o início, a alma.
O frio vem sempre, ou normalmente, na época própria. Aparece com o Natal e prolonga-se até fins de Março, quando os sinais de Primavera nos encantam e alegram o espírito. E apesar dos encantos que ele nos traz, para muitos que têm a tal fogueira que nos atrai, não podemos ignorar que não deixa de ser um drama pungente para quem a não tem, como não tem agasalhos para o minimizar. Daí a urgência de pensarmos um pouco nisto, para na hora própria acudirmos a quem passa frio nestas noites, e dias, de fazer tremer o queixo.
Eu sei que é complicado sair dos nossos aconchegos para pensar nos que vivem sem o mínimo conforto e sem mantas à altura de lhes emprestarem um pouco de calor. Mas, se quisermos, haverá sempre uns minutos para pegar em cobertores que até já nem usamos, para os levar a quem farão muito jeito.
E já que falo do frio físico, que todos sentimos, permitam-me que diga uma palavrinha sobre o frio humano. Esse será o mais agreste, porque tem lugar em todas as estações do ano. Então, se é o mais agreste, temos mesmo que o substituir pelo calor humano, durante todos os dias do ano, nas nossas relações com toda a gente.
Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 16 Janeiro , 2007, 12:02
UM ARTIGO DE ANTÓNIO REGO

::
Referendo II
::


Uma mobilização organizada,
possivelmente a maior mobilização
de leigos desde os tempos
da Acção Católica


Arrastando bizarrias de alto riso, disparates incomensuráveis, ignorâncias arrogantes e, ao mesmo tempo, reflexões muito sensatas, corre o rio da nossa pequena história em direcção ao referendo do próximo dia 11 de Fevereiro. E, cumpre dizer, tem águas muito saudáveis, intervenções inteligentes e debates enriquecedores para o tempo comum da democracia. Não se esqueça que estamos no segundo tempo do mesmo jogo. O povo português já se pronunciou, em referendo, sobre o aborto. E disse não. Tivera dito sim em 1998 e ficaria aferrolhado pelos zelotas do direito e de alguma esquerda que ainda não percebeu em que país vivemos. Convém, por isso, no meio do ruído, lembrar que estamos a perguntar ao mesmo povo a mesma coisa pela segunda vez. Haja paciência para uma democracia assim. Haja!
Mas há aspectos interessantes. Estamos perante uma mobilização organizada. Possivelmente a maior mobilização de leigos desde os tempos da Acção Católica. E desta vez é por uma causa: a causa simples e concreta da vida.
Oficialmente a Igreja reafirma a sua inequívoca posição pelo não, na pergunta que é feita no referendo. Mas cada diocese, bispo, paróquia ou movimento, assume os seus dinamismos sem agressão e com respeito por aqueles, mesmo cristãos, que enveredam por outro caminho.
O Patriarca de Lisboa enviou uma carta aos Párocos, pedindo que, como “presidentes da assembleia litúrgica, se limitem, durante a mesma, à apresentação da doutrina da Igreja sobre o respeito pela vida. A celebração litúrgica não pode ser lugar de campanha…”
Plenas de sensatez e respeito, estas palavras não podem ser tomadas, como pretendem alguns comentadores, por alheamento à campanha que está a posicionar-se neste momento no terreno da opinião pública. O Cardeal Patriarca acrescenta que “isto não impede que o Pároco e a comunidade cristã organizem noutros momentos e espaços debates de esclarecimento… acerca das várias questões que este referendo levanta.”
Eis uma orientação sábia e oportuna num momento de mobilização para uma causa que não é um capricho moral ou uma corrente de circunstância. E à volta da qual pululam falácias e ilusionismos numa confusão ardilosa de falsa modernidade. Como se a vida fosse uma questão do passado.

mais sobre mim
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

20

22
27



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds