de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 13 Janeiro , 2007, 12:51

POR AÍ, NA RUA



O sol já se escondeu e a noite promete ser fria; ninguém duvida, até porque as ruas vão ficando desertas e, quem nelas se passeia, preveniu-se com os suficientes abafos.
Mas há sempre um olho atento, que não se detém apenas na montra que expõe os artigos das últimas, vindos de longe, e se apercebe que há outras coisas a ver.
A essas horas do fim de dia, começam a vaguear pessoas, uma aqui outra mais além, transportando ou não um saco com todos os seus haveres, que, por serem tais, cabem num dos poucos sacos que nos carregam quando regressamos do híper ou do super.
Estamos diante de gente, a quem chamamos sem-abrigo. Com o nosso dedo de maus juízes, ou com o conhecimento de experientes em observação social, facilmente diremos que este teve um mau fim da vida familiar; aquele era conhecido como o bêbado lá da rua; o outro, cedo se meteu noutras drogas; o outro ainda, veio dalgum país de Leste à procura de pão para a família; e, por aí adiante, facilmente encaixamos toda a gente, e seguimos o nosso caminho mais ou menos pacificamente, desde que nenhum deles nos importune na corrida farisaica dos nossos deveres.
Como se sabe, não é preciso viajar a nenhum país distante, nem sequer sair da nossa feliz cidade de Aveiro, para podermos observar cenas e pessoas que nos humilham e incomodam; também sabemos que apenas conhecer não basta e, para isso, não é preciso usar lentes de aumento; mas também aceito que só o que nos comove é que mais facilmente nos move.
Estamos, pois, todos convocados para a acção. Todos sabemos que em Aveiro há carências neste campo. Ficar quieto ou lamentar-se é pensar sempre que os problemas são dos outros e que alguém há-de encontrar a saída milagrosa; eu, não.
No outro dia, encontrei aquele ex-recluso que perdera o emprego, a família e a casa; falei com o toxicodependente que perdeu o mesmo que o anterior, e ainda mais a saúde e a confiança de toda a família, que já tinha feito tudo; dei tempo ao alcoólico e ouvi dele que só o olhavam com desprezo, mas ninguém lhe perguntou as causas e os sofrimentos que estavam por detrás de tudo, nem ninguém valorizou o esforço tentado para a libertação de tamanha doença; também acolhi o imigrante, e ele ensinou-me o que é o amor de pai, de marido e de filho, por quem tudo tentou, sem resultados. E a procissão é enorme e todos já a viram passar...
Dar o peixe é importante e urgente; mas não chega nem resolve.
A “cana” poderia estar numa casa com um pátio enorme, um terreno próprio para ser trabalhado, umas salas para o desenvolvimento de capacidades e competências, um bom espaço para o silêncio e a meditação; e, depois, gente com competência e coração para ouvir e transmitir conhecimentos. Não se resolviam os problemas todos da sociedade; mas, ao menos, não passávamos o tempo todo a lamentar e a dizer mal de quem não faz. E enquanto não aparece a casa com um pátio enorme?

Editado por Fernando Martins | Sábado, 13 Janeiro , 2007, 11:56






COSTA NOVA EM DIA DE SOL
::
Ontem, sexta-feira, dia de sol luminoso, fui até à Costa Nova do Prado. Não fui à procura do Mar, mas da Ria que domina a povoação, em jeito de quem a abraça. Pouca gente, é certo, mas sempre havia quem, como eu, ali procurava um ar lavado pela maresia. Ar que vinha do Mar e da Ria, tocado por um ventinho um pouco cortante, sobretudo quando se escapava das ruas e ruelas por onde cirandei.
Mesmo sem mostrar a agitação da época de veraneio, a Costa Nova estava atraente. O casario, qual pincelada de pintor inspirado, fez-me lembrar a Praia de gentes de Ílhavo e de outras bandas que gosta de passar férias com estes sítios mesclados de Mar e Ria, por entre conversas descontraídas nas esplanadas que convidam ao convívio anual. Foi bom andar ontem na Costa Nova, cujas fotos, registadas pela minha compacta, são um desafio a quem me lê para que por lá passe.
F.M.

mais sobre mim
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

20

22
27



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds