de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 11 Janeiro , 2007, 22:25

PONTA DE LANÇA

IGUALDADE


O Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos, instituído em 2007 por decisão do Parlamento Europeu e do Conselho, «pretende sensibilizar a população para os benefícios de uma sociedade justa e coesa», como se lê no site da União Europeia.
Partindo do princípio que os grandes debates, os movimentos, os ciclos da vida das pessoas em que é necessário insistir, dinamizar, provocar consciencialização têm sempre como causa próxima algum distanciamento da maioria (pelo menos a maioria que pode determinar a vida de todos, os percursos da história, o futuro dos que se preocupam e têm futuro, no fundo, os cidadãos comuns para os quais é preciso revitalizar em matéria, aparentemente, menos preponderante nos hábitos ordinários, então, pelo menos entre nós, é necessário instituir o século da Igualdade de Oportunidades. A própria União Europeia é um painel de desigualdades!?
Uns têm sol, outros têm neve; alguns são ricos, muito ricos, a maioria é pobre; meia dúzia é monarquia, os restantes são repúblicas; querem o Estado Social, depois não sabem como gerir; repudia-se o consumo, mas todos têm como referência a economia de mercado; deseja-se menos poluição, mas ninguém sabe o que fazer quando faltam as energias – quem é que acredita que não haja para aí muitos projectos alternativos aos combustíveis fósseis, mas que aguardam oportunidade para singrar a altos preços no mercado!?; e assim sucessivamente…
Tal como começámos, para se criar esta oportunidade de igualdades na Europa é porque a coisa está mesmo desgraçadinha! É um ponto de partida; valha-nos isso!Nisto da igualdade… só mesmo o Futebol Clube do Porto para a Taça! Trata o Atlético como seu semelhante! Ou, vá lá, o Bayern de Munique, no torneiro do Dubai, reconhece no Benfica uma super potência!
Desportivamente… pelo desporto!
:
Fonte: "Correio do Vouga"

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 11 Janeiro , 2007, 21:02



"A corrupção é o cancro da democracia. E PSD e PS não têm feito tudo nem para a evitar nem para a reprimir."

José Carlos Vasconcelos,
Visão, 11-1-2007


::
Nota: Concordo com José Carlos Vasconcelos. Por que razão os responsáveis governamentais, a Assembleia da República, os partidos e a Justiça não cerram fileiras para acabar com a corrupção? Por que razão o deputado do PS João Cravinho anda tão desgostoso por não ver este assunto, de suma importância para a democracia, debatido no Parlamento? Por que razão tem havido tantos obstáculos à elaboração do projecto legislativo que ele próprio há tanto tempo anda a querer levar ao plenário da Assembleia da República? Por que razão o PS tem posto tantas dificuldades à proposta de João Cravinho?
De facto, já era tempo de os políticos não brincarem com coisas tão sérias.

F. M.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 11 Janeiro , 2007, 17:02
Santuário de Schoenstatt



DIA LINDO!
::
Hoje esteve um dia lindo. Sem vento nem grande frio, o sol, embora ameno, aquece ambientes e pessoas. Saí para dar uma volta, curta mas reconfortante, e dei comigo a passar por um dos lugares mais acolhedores do concelho de Ílhavo. SCHOENSTATT, em plena mata da Gafanha.
Quando cheguei, no meio de um silêncio impressionante, senti o carinho que as Irmãs de Maria oferecem àquele recanto de alguma forma paradisíaco. O jardim cuidado, limpo e asseado, envolve o pequeno Santuário de Schoenstatt, cópia fiel do original do mesmo nome, na Alemanha. Tudo convidava ao silêncio e à contemplação. Ali respira-se um ar diferente: sereno, puro, límpido. O espírito como que nos envolve, nos capta a atenção, nos conduz até ao interior daquela pequena capelinha, onde, de facto, é bom estar. Na intimidade com o divino, sentimos que o humano se deixa possuir por ideais de procura de Deus, através de Nossa Senhora, baptizada com um nome curioso: “Mãe, Rainha, Vencedora, Três Vezes Admirável de Schoenstatt.”
Se nunca lá foi, convido-o a passar por lá. Verá que vale a pena.
F.M.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 11 Janeiro , 2007, 16:46
IGREJA CONSERVADORA
E OBSCURANTISTA?

Estamos em tempos em que o respeito mútuo deve ser a regra de ouro da convivência pacífica, mas em que alguns parecem ter jurado não ir por esse caminho. Haverá gente assim em todos os quadrantes da sociedade, tanto políticos como religiosos, e teremos por isso de nos acautelar para que as divergências de opinião, sempre legítimas, não criem muros difíceis de transpor, nem espaços de incomunicação.
Para isto há que usar a cabeça, depor os preconceitos, olhar o outro como pessoa, dar consistência válida às opiniões, cultivar projectos de paz e de construção de uma sociedade onde todos tenham lugar.
Ser diferente ou ter uma opinião diferente não quer dizer que se seja inimigo. O pluralismo é sempre um enriquecimento, quando as pessoas têm dimensão moral, sabem acolher e respeitar, não nadam no vazio.
É evidente que o diálogo e a convivência se dificultam a ponto de se tornarem impossíveis, se as pessoas contarem menos que as ideias e as coisas e se, por detrás, das opiniões dominarem interesses de qualquer ordem ou apenas houver emoções à procura de justificação.
Quando assim acontece, surgem sempre os fantasmas e logo se diz que os cristãos são obscurantistas, que a liberdade tem de ser absoluta, que o deus de cada um é ele próprio, e por aí adiante… Se voltarmos a página, também podemos ver alguns radicalismos e modos de agir no espaço religioso, que podem traduzir algum fundamentalismo inaceitável.
Por sorte, há muita gente séria e honesta, em todos os quadrantes da vida social, que mostram que o equilíbrio é possível, tal como o é a convivência respeitosa e sadia.
O problema do aborto, que vai enchendo a praça pública, presta-se a um bom exercício de reflexão, serena e fundamentada, de modo a que propostas diversas ganhem valor de cidadania e ajudem a solução de situações pontuais, sem que ponham em causa valores e aspectos fundamentais.
Toda a gente, presumo eu, está interessada em promover a vida, esse valor supremo e inestimável, sem o qual nada pode subsistir. O caminho, porém, tem de ser marcado pela honestidade e pela clarividência. O valor da vida não pode dobrar-se ante promessas eleitorais ou programas partidários.
Um exemplo: O “Movimento de cidadania e de responsabilidade”, disposto a lutar pelo “sim”, diz que “o feto ainda não é vida humana”. Quem pensa de modo contrário, acrescenta, quer misturar os termos do debate e confundir as pessoas É assim que acontece, acentua, com “a Igreja conservadora e obscurantista”… Mas então, o feto vivo, que é fruto de dois elementos humanos vivos, o espermatozóide e o óvulo, se não é vida humana, o que é? E quando começa, então, a ser? É a vida humana fruto de um salto qualitativo que acontece num momento determinado, ou existe desde o início com todas as capacidades da pessoa, que apenas aguardam o seu natural desenvolvimento e manifestação, para que se possam verificar?
Outro exemplo: Um grupo de deputados portugueses no Parlamento Europeu, também defensores do sim, acaba por confessar para justificar a sua luta, que “o resultado deste referendo não interessa apenas a Portugal. Interessa igualmente à Europa, onde outros três países ainda criminalizam as mulheres por interromperem a gravidez: Irlanda, Malta e Polónia”. Assim mesmo.
Como é possível assim reflectir, seriamente, sobre o valor da vida gerada e ainda no seio da mãe? Que respeito podem merecer tais posições, se elas não respeitam o essencial de uma reflexão que ocupa o país?
Um mundo de misturas, confusões e desvios. Todos reconhecem que o aborto é crime. Então, há que lutar juntos para evitar e erradicar o crime. Quanto às mulheres que decidiram abortar e aos pais que geraram uma nova vida, sempre calados na opinião pública, mas que estão muitas vezes na origem da decisão, os tribunais que os julguem, com a sabedoria e a benevolência possíveis, porque sempre a fraqueza humana nos acompanhará. Mas não se fale de direitos da mãe, nem se omita ou se cale a responsabilidade do pai, esmagando o direito fundamental do filho já gerado.
Nem surjam leis para empatar que se ande o caminho que pode levar a uma solução digna de um país humanizado onde todos contem e não apenas alguns sejam considerados.

mais sobre mim
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

20

22
27



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds