de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 09 Janeiro , 2007, 12:33
EM AVEIRO

DOZE MIL PELO "NÃO"
::


O movimento cívico “Liberalização do aborto? Não!” recolheu mais de 12 mil assinaturas para poder pedir à Comissão Nacional de Eleições o seu pedido de inscrição como grupo de cidadãos eleitores. Mandatários e apoiantes deste grupo cívico entregarão as assinaturas recolhidas na região de Aveiro no próximo dia 10.
“É de elementar justiça, neste momento, felicitar todos aqueles que, com o seu esforço, permitiram que em pouco mais de duas semanas se ultrapassasse o dobro das assinaturas necessárias para constituir um grupo cívico”, refere um comunicado enviado à Agência ECCLESIA.
Entre os signatários do movimento “Liberalização do aborto? Não!” constam figuras dos mais variados quadrantes, e um Prémio Nobel da Paz, D. Ximenes Belo.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 09 Janeiro , 2007, 12:26
Por muito que se atenue
nas palavras,
o aborto consiste
em destruir
um ser humano

PARTIDARIZAR O ABORTO



É natural que, a um mês do Referendo do sim ou não ao aborto - é disso que se trata - algumas dúvidas se levantem a quem tem de fazer uma escolha no dia 11 de Fevereiro, ainda que seja não votar ou votar em branco. Como conciliar o uso da firmeza e da tolerância neste complexo debate? Que diferença de método e de espírito entre esta campanha e uma campanha eleitoral comum? Que lugar ocupam os partidos neste xadrez? Onde começa e acaba a liberdade de consciência num tema tão delicado como a destruição da vida humana?
Torna-se claro que o objecto colocado em referendo não é referendável: a vida. A frase adoçada - interrupção voluntária da gravidez - tenta quebrar a brutalidade do acto abortivo como agressão a um ser indiscutivelmente vivo, humano e indefeso. Não há ciência que possa negar a humanidade dum ser com quatro, cinco ou nove semanas, mesmo que se não entre no preciosismo (?) do segundo exacto em que começa a vida. Ninguém deseja que a mulher, seja qual for a razão por que decidiu provocar o aborto, vá para a cadeia. O seu sofrimento já é uma pesada pena. Mas o que está em causa é a liberalização, o sancionamento social, jurídico e económico dum gesto que, por muito que se atenue nas palavras, consiste em destruir um ser humano na evolução do seu crescimento. Esta é a real questão que deve ser colocada, sem eufemismos e com o maior respeito pela vida da mulher e do homem. É este problema que precisa ser frontalmente colocado como um tema humano e não religioso, inscrito na lei natural e formulado na Lei de Deus. Todo o arrepio que acompanha qualquer descrição pormenorizada deste acto, procede do ser contra natura e não de qualquer estreita lei dum obstinado legislador. Mais ou menos explicitamente os Mandamentos de Deus estão inscritos em dois lugares: na alma humana, no âmago mais profundo e sincero da sua contemplação, e no Decálogo com formulação verbal expressa.
Estamos perante uma questão que não pertence aos partidos políticos, aos poderes estabelecidos, nem sequer às religiões institucionais. Pertence ao mais secreto e sacro do ser humano. Mas não é uma questão privada ou individual. Tinha razão o Patriarca de Lisboa quando dizia que o aborto não é uma questão religiosa.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 09 Janeiro , 2007, 12:17
Entrega dos trabalhos até 14 de Março





PARA PROMOVER A ESCRITA
E VALORIZAR
A EXPRESSÃO LITERÁRIA
::

Com o objectivo de fomentar hábitos de leitura nas camadas jovens, criar e/ou consolidar hábitos de escrita, promover a escrita e valorizar a expressão literária, a Câmara Municipal de Ílhavo vai realizar mais uma edição do Concurso Literário Jovem
::

Na presente edição deste Concurso, pretende-se ainda, através da criação da secção “Temática Marítima”, subordinada ao tema “Memória das Profissões Marítimas”, promover a ligação dos ilhavenses, nomeadamente dos mais jovens, ao seu rico património marítimo e fomentar o dialogo entre gerações. Com esta VI edição do concurso, a Câmara Municipal de Ílhavo, atendendo à elevada importância que o Mar assume para o nosso Concelho a vários níveis, pretende ainda proporcionar uma experiência pedagógica e lúdica em torno das memórias marítimas da região, estimulando os alunos a uma viagem ao passado para construir conhecimento no presente e no futuro. Este concurso é dirigido aos alunos das Escolas do 1.º, 2.º e 3.º Ciclos e poderão participar alunos de qualquer estabelecimento de ensino do Concelho de Ílhavo, até ao 9º ano de escolaridade, que poderão concorrer nas modalidades de texto narrativo e texto poético. A todos os autores será entregue um certificado de participação, cabendo ainda aos três primeiros classificados de cada categoria, prémios sob a forma de material didáctico, no valor de 100 euros para o 1º classificado, 50 euros para o 2º classificado e 25 euros para o 3º classificado. O prazo de entrega dos trabalhos decorre entre o dia 2 de Novembro de 2006 e o dia 14 de Março de 2007, devendo os mesmos serem entregues por mão própria ou enviados por correio, com aviso de recepção e endereçados para a Câmara Municipal de Ílhavo - VI Concurso Literário Jovem - Avenida 25 de Abril -3830-044 Ílhavo.
:
Fonte: Portal da CMI

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 09 Janeiro , 2007, 12:09
Na Gafanha da Nazaré




Navio St. André
reabre sábado
::

Desde o passado mês de Outubro em recuperação nos estaleiros da Navalria, o Navio-museu Santo André reabrirá, este sábado, ao público, com visitas guiadas das 14 às 20 horas. Terá ainda lugar uma conferência de imprensa que contará com as presenças do director do museu e do presidente da Câmara Municipal de Ílhavo

::

Leia mais no Diário de Aveiro



Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 09 Janeiro , 2007, 12:04


VAMOS OFERECER LIVROS?

A propósito do Dia da Alfabetização, que ontem se comemorou, li, numa agenda para 2007, uma sugestão interessante. Diz assim: “Pegue em todos os livros que não vai reler e ofereça-os.”
Eu sei que, para muitos (e eu estou entre esses), os livros da biblioteca pessoal são como filhos: não se dão… não se oferecem. Mas se fizermos um pequeno esforço, talvez possamos oferecer alguns que… estão por ali há anos sem ninguém lhes tocar.
Lê-se na agenda que os livros que pudermos e quisermos oferecer podem muito bem ser canalizados para escolas e prisões, onde serão acolhidos de braços abertos. E mais: a sua Junta de Freguesia ou paróquia também podem informar quem precisa de livros. E há, ainda, ONGs (organizações não governamentais) que se encarregam de os mandar para os países de Língua oficial portuguesa.
Ora aqui ficam algumas boas ideias.



mais sobre mim
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

20

22
27



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds