de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Janeiro , 2007, 15:36



“SIM” ou “NÃO”?

Os partidários do “SIM” e do “NÃO” estão já preparados para a partida, na defesa das ideias em que acreditam. O referendo é já em Fevereiro e urge aproveitar o tempo para fazer passar as mensagens que se propõem fazer chegar ao povo português, pouco dado a este tipo de consultas. A abstenção adivinha-se, a não ser que os partidários das duas correntes em confronto descubram a arte de sensibilizar os eleitores para se deslocarem às mesas de voto.
À partida, o povo português, que se diz católico, votará “NÃO”, porque é essa a posição da Igreja Católica. Nessa perspectiva, a cultura da vida tem de estar sempre no horizonte dos crentes, contra a cultura da morte que muitos teimam em proclamar. Em nome de direitos ou pseudodireitos, há quem aceite a ideia de pôr fim a um ser em formação e já com reflexos de quem sente e experimenta sensações, com garantias de ser pessoa daí a uns meses.
Confesso que tenho muitas dificuldades em aceitar as teorias dos que defendem o aborto. Não por ser católico, simplesmente, mas por ter a convicção de que vidas são eliminadas por vontade das mães. Dos pais e dos seus direitos, curiosamente, ninguém fala. Os filhos serão só delas?
Gostaria que, como gente civilizada, todos soubessem expor com clareza, objectividade e elevação as suas propostas. É o mínimo que se pede. Mas já se ouvem por aí palavras de ordem e acusações sem sentido. O direito à opinião e à expressão livre do que se pensa deve ser respeitado.
Mas uma coisa é certa: se o "SIM" vencer, os católicos continuarão ligados à noção de que o aborto que agora se pretende despenalizar é um mal e, por isso, um pecado.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Janeiro , 2007, 10:57
Dois tipos de experiência


Nas sociedades tradicionais, uma das razões da valorização dos velhos estava em que eles eram os depositários da experiência acumulada. Nas nossas sociedades científico-técnicas, a experiência tem também um lugar determinante. Trata-se, porém, de duas perspectivas diversas, expressas, aliás, por dois termos diferentes, explícitos concretamente no inglês e no alemão, para traduzir a palavra portuguesa experiência: experiment e experience (inglês), Experiment e Erfahrung (alemão).
Os dois primeiros termos (experiment e Experiment) designam a experiência (experimentação) no sentido das ciências experimentais, empírico-matemáticas, predominante nas sociedades científico-técnicas.
Há, porém, um sentido diferente de experiência, expresso pelos termos experience e Erfahrung, e é aquele que se refere ao mundo dos valores e das significações propriamente humanas. Sem pôr de parte o sentido da experimentação científica, é este sentido que presentemente é necessário recuperar, para reencontrarmos uma dimensão essencial da existência. De facto, fascinados pelo domínio da experimentação objectivante, corremos o risco de esquecer o humano e até de destruí-lo.
Se se pretender captar o Homem exclusivamente segundo o paradigma das ciências positivas físico-naturais, o que resta é a sua redução a coisa, a simples objecto, pura peça de uma máquina gigantesca e anónima. Que lugar teriam então ainda a originalidade subjectiva e essas questões sempre vivas que tornam a nossa vida realmente humana e que têm a ver com o amor, a morte, a graça, o mistério, a alegria, o trágico, a transcendência, o sentido último?
Mesmo uma viagem semântica curta pela palavra experiência mostra-nos a impossibilidade da sua redução ao sentido positivo-científico.
::
Lei mais em DN

Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Janeiro , 2007, 10:50


AS “CRACKERS”

Caríssimo/a:

São 3 horas da tarde, ou, p.m., como dizem.
Aqui (na Escócia, em Aberdeen, conhecida por “the granite city” ou “the silver city” e que é considerada “the oil capital of Europe”) já é noite.
Ali na carpete brincam o Daniel e a Sara, com o lego, construindo uma quinta. Recordam certamente a tia Susan que, em Gask, com Ian, seu marido, cria galinhas e pratica uma agricultura biológica.
Lá estivemos, no Sábado anterior ao Natal, a cumprir um ritual: sempre que vem alguém de Portugal a primeira visita que faz é à tia Susan. Brindaram-nos com a refeição festiva da Escócia (a mesma que apreciaríamos, com ligeiras alterações, no dia de Natal e no Ano Novo).

*
De início, as “crackers”: imagina um rebuçado redondo aí com uns 30 centímetros de ponta a ponta. Cada pessoa tem direito à sua; constituídos os pares, cada um puxa do seu lado com toda a força que tiver, até se ouvir um estampido seco – TRECK –, é o papel rasgar-se; do cilindro sai um “toy”, uma “joke” e uma coroa de papel colorido que nos apressamos a colocar na cabeça. O “toy”, que traduzo por “brinquedeira”, tanto pode ser um corta-unhas como um sofisticado e minúsculo instrumento musical ou o último modelo de automóvel. A “joke”, anedota ou dito jocoso, é manifestação do fino humor britânico e a ilustrá-lo aí ficam duas que me saíram: “Q.-Why was the computer so tired? A.-Because it has a hard drive.” “Q.- Who is the most famous married woman in America? A. – Mrs. Sippi.”

*
Veio o salmão: uma delícia.
Ao sermos confrontados com uma montanha de “beefdinner” – o prato já preparado e posto à nossa frente – com puré, carne picada, feijão verde, cenoura, … sei lá que mais, tivemos que reconhecer a nossa incapacidade para a trepar: andámos às voltas, pela base, e fomos subindo, libertando o interior.
A sobremesa: “clootydumpling” e … “trifle”.
Outros nomes, outros sabores.
Ah, já me esquecia que, por deferência muito especial, bebemos vinho tinto do … Chile!

*
Seguiu-se a visita à quinta; a colheita dos ovos (dois) debaixo dos macios onde as galinhas fizeram a postura.
Vieram então as palavras do Ian, enquanto dava a comida ao latagão do gato preto e renovava os grãos dos comedouros dos pássaros, e que ainda agora me ressoam nos ouvidos:
- Aqui tudo é feliz! Veja, até o gato!

*
Bom dia de Reis.

Manuel

mais sobre mim
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

20

22
27



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds