de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 06 Janeiro , 2007, 13:42

O INFANTE


Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma,

E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.

Quem te sagrou criou-te português.
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!

::

In "Mensagem"




Editado por Fernando Martins | Sábado, 06 Janeiro , 2007, 12:41

COSTA NOVA
COM SUAS CORES

Pintura a óleo de Carlos Fragoso. Trabalho de 1921, com assinatura do autor, no canto inferior direito.
A composição revela-nos um belíssimo conjunto de palheiros da Costa Nova, que delimitam a obra. Predominam as tonalidades frias, em azul, que entram em harmonia com as tonalidades quentes de castanhos e dourados.
Esta peça foi doada ao Museu Marítimo de Ílhavo pelo autor e integra as colecções desde 1934.
Este é mais um bom motivo para visitar o museu ilhavense.
:
Fonte: "Viver em", edição da CMI

Editado por Fernando Martins | Sábado, 06 Janeiro , 2007, 11:55
Navio-Museu Santo André


REABERTURA
NO PRÓXIMO SÁBADO
::

Concluídos os trabalhos de restauro, o Navio-Museu Santo André encontra-se novamente atracado no Canal de Mira, junto ao Jardim Oudinot, na Gafanha da Nazaré, com data de abertura marcada para o próximo dia 13 de Janeiro (Sábado).
Nesse dia, e para assinalar a data, o Navio-Museu Santo André encontrar-se-á em regime de Dia Aberto, entre as 14 e as 20 horas. Às 16 horas, assista à apresentação do programa comemorativo dos 70 anos do Museu Marítimo de Ílhavo. Não perca!
:
Nota: Ontem passei pelo Navio-Museu Santo André, a que me ligam tantas recordações, desde que este navio chegou à Empresa de Pesca de Aveiro, destinado à pesca do bacalhau. Gostei de o ver já preparado para receber visitantes.
Permitam-me, no entanto, um reparo: a área envolvente, que não é, ao que suponho, da responsabilidade das autarquias, mas sim da APA (Administração do Porto de Aveiro), precisa de ser remoçada. Tal como está, não passa de um espaço morto e abandonado, mesmo à espera de quem olhe para ele. E dele faça, então, um jardim que atraia as pessoas e proporcione, também, condições para os visitantes do Navio-Museu se sentirem bem, antes ou depois da visita.
Falta, de facto, por ali qualquer coisa que torne mais digno todo o enquadramento do Santo André. Os arquitectos saberão melhor do que eu o que é necessário que se faça.
O apelo aqui fica, na esperança de que alguém o leia.
F.M.

mais sobre mim
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

20

22
27



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds