de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 01 Janeiro , 2007, 12:25
Barra: mar de Verão



Olhando o mar,
sonho sem ter de quê
::

Olhando o mar, sonho sem ter de quê.
Nada no mar, salvo o ser mar, se vê.
Mas de se nada ver quanto a alma sonha!
De que me servem a verdade e a fé?

Ver claro! Quantos, que fatais erramos,
Em ruas ou em estradas ou sob ramos,
Temos esta certeza e sempre e em tudo
Sonhamos e sonhamos e sonhamos.

As árvores longínquas da floresta
Parecem, por longínquas, 'star em festa.
Quanto acontece porque se não vê!
Mas do que há pouco ou não há o mesmo resta.

Se tive amores? Já não sei se os tive.
Quem ontem fui já hoje em mim não vive.
Bebe, que tudo é líquido e embriaga,
E a vida morre enquanto o ser revive.

Colhes rosas? Que colhes, se hão-de ser
Motivos coloridos de morrer?
Mas colhe rosas. Porque não colhê-las
Se te agrada e tudo é deixar de o haver?
::
Publicação sugerida
pelo leitor José Lima Simões

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 01 Janeiro , 2007, 12:06



FAROL DA BARRA

O Farol da Barra é, sem dúvida alguma, um ex-libris do concelho de Ílhavo. Localizado na Praia da Barra, Gafanha da Nazaré, por onde entram e saem os mais variados tipos de embarcações (pesca, turismo e transportes marítimos), é ponto de passagem obrigatória para quem vem até aqui, quer em viagem de férias quer de negócios, mas também para quem busca, com a visão do mar, uns momentos de stresse.
O nosso Farol suscita curiosidade, ou não fosse ele um dos mais altos da costa portuguesa. Daí que seja sempre ponto de focagem para quem gosta de levar recordações desta terra que o mar e a ria beijam por todos os lados. E com a vantagem de permitir ser fotografado de qualquer ângulo e a qualquer hora. Experimentem.
F.M.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 01 Janeiro , 2007, 11:45
Mensagem de Bento XVI
para a celebração
do Dia Mundial da Paz








A PESSOA HUMANA,
CORAÇÃO DA PAZ
::


"O dever de respeitar a dignidade de cada ser humano, em cuja natureza se reflecte a imagem do Criador, tem como consequência que não se possa dispor da pessoa arbitrariamente. Quem detém maior poder político, tecnológico, económico, não pode aproveitar disso para violar os direitos dos outros menos favorecidos. De facto, é sobre o respeito dos direitos de todos que se baseia a paz. Ciente disso, a Igreja faz-se paladina dos direitos fundamentais de cada pessoa. De modo particular, ela reivindica o respeito da vida e da liberdade religiosa de cada um. O respeito do direito à vida em todas as suas fases estabelece um ponto firme de importância decisiva: a vida é um dom de que o sujeito não tem completa disponibilidade. Igualmente, a afirmação do direito à liberdade religiosa põe o ser humano em relação com um Princípio transcendente que o furta ao arbítrio do homem. O direito à vida e à livre expressão da própria fé em Deus não está nas mãos do homem. A paz necessita que se estabeleça uma clara fronteira entre o que é disponível e o que não o é: assim se evitarão intromissões inaceitáveis naquele património de valores que é próprio do homem enquanto tal"
::
Leia toda a mensagem em Ecclesia

mais sobre mim
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

20

22
27



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds