de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 21 Dezembro , 2006, 10:57



CAMPEÕES
DA SOLIDARIEDADE

O Ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, disse ontem, conforme refere o “PÚBLICO”, que Aveiro foi o distrito nacional que obteve o maior número de candidaturas aprovadas na primeira fase do Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais (PARES). Sublinha o Ministério do Trabalho e da Segurança Social, afirma o mesmo diário, que os projectos do distrito representam um investimento em equipamentos sociais num total de 30 milhões de euros, proporcionando mais 1876 lugares para crianças, idosos e pessoas com deficiência. As candidaturas que recolheram aceitação estendem-se a 16 dos 19 concelhos do distrito, e irão merecer, em termos totais, uma comparticipação pública de 13,5 milhões. "Se houvesse um campeonato em termos de candidaturas aprovadas, Aveiro teria tido o primeiro lugar", realçou Vieira da Silva, como adianta o “PÚBLICO”.
Quem conhece o dinamismo dos aveirenses não pode estranhar estas informações e até há-de concordar que as nossas gentes, ao nível da solidariedade social, não deixam os seus créditos por mãos alheias, multiplicando, sucessivamente, estruturas de apoio às famílias, com diversas valências. E de muitos dirigentes ouvi, vezes sem conta, que mais não fazem porque não têm encontrado, por parte de alguns responsáveis, a nível estatal e autárquico, o apoio indispensável.
Conheço bastantes instituições do distrito de Aveiro onde tudo isso pode ser comprovado, com pessoas que se são aos outros sem desânimo e querendo, mais e mais, ampliar instalações e criar outras de raiz, tudo para que os mais feridos da vida possam ter vida digna. De facto, não tem conta o número de dirigentes que se preocupam com os que mais sofrem. E quanto a voluntários, o número é ainda maior. Por isso, o elogio do governante é justo e oportuno, devendo ser, nos dias de hoje, um incentivo para que outros lhes sigam as pisadas, no sentido de ajudar quem mais precisa.
Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 21 Dezembro , 2006, 10:21
Santuário de Fátima: Presépio

QUANTO MAIS LUZ,
MAIS NATAL?

Um sentimento de engano (per)segue o Natal em que nos (des)encontramos. No meio de tantas luzes que brilham na noite é imensa a escuridão de corações não amados que não nascem com o nascer da Luz do 25 de Dezembro. Este dia de todos os dias, reveste o brilho inapagável de uma esperança infinita que nos quer visitar sempre, novamente, e que traz consigo o único presente que sacia a fome de sentido de vida e de paz: Deus em Pessoa, Jesus! Que tempo e lugar haverá para este “Presente” de Tudo?!
Que contraditório o caminho dos homens, que até são capazes de diminuir o “outro” no natal de cada dia e depois fazer a maior árvore do mundo na quadra festiva; que distâncias entre o ser e o parecer (que conduz ao ter) dos tempos modernos. Natal, outra vez, (trans)formado em luzes e doces, excessos e supérfulos, mas em que se perdeu (ao menos) da memória a razão de tanta doçura! Porque o assinalamos?
Vivemos o “resto” do Natal(?). Enquanto ele der lucro, ele existirá! O Natal para a Europa será o “resto” dessa força repleta de tradição judeo-cristã – que vende e venderá mais algumas décadas - mas já tanto vazia de sentido profundo, divino. Quando se perde a razão profunda da festa, do doce, da rabanada, a médio prazo perde-se o próprio encontro, reencontro, a alegria de uma fonte de esperança divina encontrada.
Claro, haverá que acolher cada luz que brilha, cada embrulho que hoje já não seduz a criança de mão cheias, e acreditar na esperança de cada momento, cada gesto. Haverá que acreditar sempre que por traz de cada árvore enfeitada habita a procura e o presente da paz, do amor, da felicidade e, por isso, o seu brilho é partilha aberta e feliz dos que estão em casa, em que o que se festeja é mesmo o (re)nascimento de um presépio no coração humano, que nos comunica uma nova paz para o natal de cada dia!
Mas… será mesmo assim: quanto mais luz mais Natal?! Como passar – reconstruindo pela positiva - de todos os gestos sociais ao sentido profundo das coisas, da vida, da razão do dia de Natal? Como dizer hoje que o Natal está sempre incompleto e precisa da nossa ajuda no aconchego para haver mais calor humano? Como fazer perdurar as luzes acesas – elas que no seu piscar parecem sempre fugidias mas sempre surpreendentes na sua beleza de cores para todos os gostos – durante todo o ano?
Que contradição (e que incompreensão n’) o Natal social! Como se este tivesse razão de existir. Como é possível celebrar o nascimento da vida quando, por outro lado, porventura, se quer dizer não à vida? É uma coisa única, nem que seja pela tradição (esta que quer ser sempre convite a caminhar hoje nos porquês), é irresistível o tornar públicos os símbolos de Natal, com o seu brilho encantador e cheio de ternura; mas o mais importante de tudo, e a autêntica prova dos nove, será lermos o depois: o que ficará depois do Natal? Que coerência diante de todos os sinais brilhantes?
O Natal, para o ser de verdade, precisa de cada um! É convite a todos, mas é fundamentalmente estímulo a uma vida renovada na Paz para todos. Precisa, pelo menos, da “boa vontade” humana como quem procura a Verdade e aceita dialogar ao seu encontro. “Paz na terra aos homens”, será este o sonho feito vida como fruto do humilde dar “glória a Deus nas alturas”.Que se diga bem alto: o Natal não é um museu!
O Natal, tal como as luzes, não coexiste com as mentes fechadas em si mesmas; há um brilho de dignidade humana que, pelo presente de Deus, é divina e que anseia ser partilhada infinitamente nos caminhos da vida. Que na “tomada” de cada luz que brilha reine a fonte de um momento de profundo silêncio… Encontro de paz, amor, esperança!
Alexandre Cruz

mais sobre mim
Dezembro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15


26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds