de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 19 Dezembro , 2006, 16:18

HOMENS E GOLFINHOS


Desde muito novo me habituei a ver os golfinhos pelos mares dos Açores. Não faz parte da minha infância a descoberta das suas altas virtualidades. Simpáticos, brincalhões, boas companhias nas longas viagens de barco. Pelo que percebia, os pescadores não lhes achavam muita graça, pois roubavam muitos dos chicharrinhos que deviam cair nas suas redes. E, ainda hoje, saindo um pouco da costa, o lugar certo e a hora precisa de ver os golfinhos coincide com a espuma branca do lugar onde os cardumes acorrem para as suas abundantes refeições. É a lei do mar.
Passados a animais de circo ganharam alguma magia e arrastam multidões para os seus rituais de acrobacia e velocidade dentro e fora das águas. Possivelmente ultrapassaram, nalguns casos, a colheita de ternura roubando, não já cardumes que podiam servir para a mesa dos pobres, mas algum lugar de afecto que é recusado a pessoas. Agora, com as ecografias de gestação, deixam extasiados alguns que revelaram indiferença pelo início da vida… humana.
Nada mais bonito que o olhar duma mulher fixado na ecografia do seu filho. O recorte, o movimento, a constituição do corpo humano surgem como o primeiro documento que os pais gostam de revelar ao familiares e amigos com uma candura que não tem preço nem explicação. A ciência sente-se cada vez mais perturbada pelo acesso ao momento luminoso do início vida. Uma vida humana no ventre materno é algo de sagrado, subtil, frágil, sublime, na total incapacidade de defesa a qualquer agressão. Os estudiosos da comunicação reconhecem que é aí, pela modulação, sem palavras nem gestos, que começa o grande diálogo entre mãe e filho. E aí se contam emoções, alegrias, afectos, projectos. Dia e noite, dias e dias, em profundos colóquios de silêncio e embalo, onde a mãe e filho nenhum gesto é indiferente. Todos se acumulam para uma aventura comum da vida.
Nada há comparável à vida humana.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 19 Dezembro , 2006, 11:08


A Virgem e o Menino, de Hans Memhng, Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa


NA PAZ DA MINHA TEBAIDA


Na paz da minha tebaida, usufruindo do aconchego dos meus familiares e da companhia sedutora dos livros que me trazem recordações de tantos anos, vieram até à minha memória vivências de Natais doutros tempos. Dos tempos em que o essencial não eram apenas as lembranças compradas em lojas de modas, que o Menino Jesus de então nada tinha a ver com o símbolo comercial do anafado Pai Natal dos nossos dias.
Lembro-me, era eu menino que acreditava mesmo nas prendas do Menino Deus, de ver minha mãe regressar da loja da Tia Joana Rita, esposa do mestre José Lázaro, com uns embrulhos que tentava esconder. Por mais que lhe pedisse que nos mostrasse o que trazia, ripostava com maus modos, mas a sorrir: o Menino Jesus não gosta nada de meninos teimosos. E lá ia esconder as simples guloseimas que na madrugada da Noite de Consoada estariam bem distribuídas nos sapatos que eu e meu irmão púnhamos num recanto da lareira da cozinha principal.
Nunca me zanguei quando descobri que afinal as prendas do Menino Jesus chegavam até mim através dos meus pais. E quando ouço alguns "sábios" que há por aí com protestos sem nexo contra o facto de se enganarem as crianças com as prendas que o Menino Jesus distribui no dia de ceia (como por aqui se diz), rio-me da ignorância dessa gente que fica, no entanto, toda contente e até acha bem que seja o Pai Natal a substituir o Deus Menino da minha infância.
Diz a psicologia que há idades para tudo: para os sonhos, para as estórias de encantar, para os contos mágicos, para o fantástico, para o faz-de-conta e para tantas outras lendas e tradições que fazem voar a imaginação por espaços irreais, tornados autênticos para muitos, cruzando-se com a vida dos homens que nem sempre podem ou sabem abrir-se aos mistérios que trazem no coração.
Não fiquem, pois, perturbados esses "sábios" que são incapazes de voar para o alto, quais águias que abarcam horizontes de belezas ímpares, para vislumbrarem os mundos de sonhos que nunca se esquecem.
Quando a minha mãe me disse que o Menino Jesus apenas dava saúde a meu pai, que labutava nas águas do mar, na pesca do bacalhau, onde se iniciara em menino, com 14 anos, não fiquei nada zangado. E até me recordo que ri a bom rir e que a beijei ternamente.
Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 19 Dezembro , 2006, 10:48
Aveiro: Canal Central


AVEIRO:
DESTINO TURÍSTICO
DE QUALIDADE
::


A Ria de Aveiro e a zona costeira limítrofe foram distinguidas como destino costeiro turístico de qualidade, através de um projecto europeu. A região lagunar é a primeira a nível nacional a ser reconhecida com este galardão. Isto mesmo noticia hoje o Diário de Aveiro, com o destaque que merece.
Há muito se diz que a Ria de Aveiro e as terras que banha são riqueza paradisíaca insuficientemente aproveitada para fins turísticos. Noutros países, estas belezas naturais seriam certamente motivo para mais largos voos no campo do turismo, gerando novas fontes de rendimento e mais trabalho para muitos.
Estou convencido de que, nos tempos que correm, os nossos autarcas e gente empreendedora estão mais abertos a novas formas de criar riqueza, obviamente com vantagens para toda a gente, se devidamente apoiada em projectos credíveis e com visão de futuro.
A Marina da Barra, de que tanto se falou há anos, seria, em minha opinião, um projecto a reequacionar, diminuindo, eventualmente, a carga habitacional, para então se avançar. Nisso se tem empenhado a Câmara Municipal de Ílhavo, mas deve haver por aí entraves políticos e burocráticos que não têm deixado avançar o projecto, com a celeridade desejada. O mesmo se pode dizer da ponte que poderia ligar São Jacinto a Aveiro, eliminando o isolamento daquela freguesia da sede do concelho.
O nosso mal, muitas vezes, é esse. Ideias inovadoras, com interesse à vista, emperram por quezílias políticas. Daí o nosso atraso no aproveitamento da nossa Ria.
Fernando Martins

mais sobre mim
Dezembro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15


26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds