de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 17 Dezembro , 2006, 10:49


DEUS EM PESSOA


Não se trata duma luz enigmática do transcendente nem duma experiência mística, nem duma descoberta metafísica, nem duma pista sobre o relógio mágico do universo, perfeito ou cego nas suas evoluções. Nem sequer dum eureka resultante de aglomerados culturais, camadas de visões ou sequência precipitada de feitiços. Tudo isso seria interessante a recordar aos mortais que algo existe para além do imediato ou que uma lógica sublime esconde inteligências mil - ou uma inteligência infinita - por detrás dos absurdos que tecem tantos andamentos da história dos homens. E, possivelmente, ficaríamos filosoficamente tranquilos, por um ser inacessível nos vigiar, uma inteligência maior confortar a nossa estreiteza e, quem sabe, um confortável sentido último daria tranquilidade aos ventos cruzados que desnorteiam as nossas trémulas bússolas.
Os deuses do Olimpo lá tinham os seus entretenimentos, afectos e fúrias para além das nuvens - mas não muito para além. Não obstante alguma proximidade da sua mesquinhez, os crentes sabiam do desamor arrogante que eles alimentavam pela humanidade. Os seus afazeres, ainda que assumidos como mitologia, nada tinham a ver com a realidade humana. Serviam para divertimento de divindades que afinal, em ponto maior, apenas cultivavam fraquezas humanas. Foram inspiradores de poetas, músicos e pintores. Mas sempre se mantiveram suspensos das suas próprias tramas, só se deixando ver nas tempestades furibundas que aterrorizavam os mortais.
A revelação de Deus, desde o Sinai, trouxe um envolvimento na história do homem. Como pessoa e como povo. Nada lhe ficou estranho ou alheio. E o homem habituou-se a não dar um passo no tempo sem o relacionar com os passos de Deus.
Mas foi a vinda de Jesus que vestiu Deus da nossa carne, assemelhando-o em tudo a nós excepto no mal. Antes, para dele nos livrar. E esse mistério torna-se particularmente visível no Natal. No anúncio feito a Maria, nas dúvidas de José, na intervenção de João Baptista, na aproximação a Belém, no nascimento, no presépio, nos magos. Foi Deus que chegou. Deus em pessoa. Bem diferente dum transcendente abstracto.
António Rego

Editado por Fernando Martins | Domingo, 17 Dezembro , 2006, 10:35

AZUL, AZUL CELESTE

Caríssimo/a:

Chove.
Escrevo na véspera da festa de Nossa Senhora da Conceição.
Não ficaria de bem comigo mesmo se não fosse até à Igreja apreciar os preparativos da Festa. Claro que chove e o vento aperta, mas os mordomos são de antes quebrar que torcer e quase todos eles, regressados há pouco dos bancos do bacalhau, estão habituados à invernia e vivem com o coração lá bem à frente na esperança dos bons tempos...
Anos houve que foi uma desgraça: arcadas no chão, coretos pelo ar, botequins virados, enfim, a procissão acabou por não sair... Mas no ano seguinte as promessas e as graças reanimaram o povo e a festa foi de arromba. Parece que ainda estou a ouvir os foguetes: era cada estoiro que até fazia eco na Junta. Aquilo sim foi fogo! E à noite? Nunca tal se tinha visto, as lágrimas até chiavam. Era um regalo!
Sempre a Rainha de Portugal andou pelas ruas da nossa Gafanha, fosse Ela, a Nossa Senhora da Nazaré, no Verão, ou a Nossa Senhora da Conceição, nesta época, logo depois de os bacalhoeiros arribarem...
Estou certo que os anjos muito se riam com a nossa inocência. Que sabíamos nós de liturgia ou de ano pastoral ou litúrgico? Nada e à nossa volta não víamos muitas pessoas que estivessem dentro desses segredos (sim, aquela vizinha ia ao terço e nós até espreitávamos a missa por entre as pestanas coladas pelo sono cortado pela mão amiga de nosso Pai que lá nos conduzia...). Contudo, aquela festa com a música, os foguetes e a procissão, claro, com uns bolinhos e umas bolas de serrim, e (nós bem víamos...) uns namoricos novos revividos na fotografia do Laminuta, sim, aquela festa anunciava o Natal, vivido no aconchego do Lar, e antecipava o cortejo dos Reis que iria percorrer as nossas ruas.
Era nesta ambiência de festafamíliarua que olhávamos para o Céu, onde estaria Nossa Senhora com o seu manto azul, como aquele que levava na procissão, e lhe rogávamos:
- Nossa Senhora da Conceição,
venha sol e chuva não!

Manuel
::
Nota: O Gotas do Arco-Íris nº 44 sairá no meio desta semana, para acertar o passo com o calendário. Tudo isto, por motivos de falta de saúde de minha parte. Apresento as minhas desculpas ao amigo Manuel e aos leitores.
F.M.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 17 Dezembro , 2006, 10:18
ESTOU POR AQUI
HÁ DOIS ANOS

Só hoje me dei conta de que completei, no dia 14 de Dezembro, dois anos de presença no mundo da blogosfera, com um propósito como meta: Pela Positiva. Mantenho-o, porque essa meta repousa no infinito. Disse então, no primeiro post, em jeito de quem dá, timidamente, os primeiros passos:



"O meu propósito, a partir de hoje e neste espaço, situa-se na linha dos que apostam, no dia-a-dia, num mundo muito melhor. Não simplesmente pelo protesto, que será sempre a via mais fácil e menos estimulante, mas fundamentalmente pela defesa do bem, do belo, dos afectos, em suma, dos valores que enformam a nossa civilização. Pela Positiva vai ser o meu lema de todos os dias, quer na análise dos mais diversos acontecimentos, quer pela divulgação do que vou lendo, quer pela defesa do que vou reflectindo, quer, ainda, pela partilha de gestos, porventura ignorados ou marginalizados, que são matriz de uma sociedade mais justa e mais fraterna. De bom grado se aceitam sugestões, desde que venham pela positiva"
:
Aqui prometo continuar, ao sabor da maré, dizendo o que penso, divulgando o que me encanta, mostrando o que me rodeia, lembrando o que admiro, pugnando pelo bem, pelo belo, pela verdade, pela justiça, pelos afectos, pelo diálogo entre todos os homens e mulheres de boa vontade, dando relevo ao pensar e ao viver pela positiva.
Para todos os cibernautas, votos de Santo Natal.
Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Domingo, 17 Dezembro , 2006, 09:58
Qual é o Deus
do Mediterrâneo?
::
No passado dia 1, enquanto Bento XVI voava de Istambul para Roma, depois da sua visita à Turquia, estava a realizar-se, em Santa Maria da Feira, o V Simpósio "Sete Sóis Sete Luas", que teve como tema: "Qual é o Deus do Mediterrâneo?" Foram conferencistas Salman Rushdie, Cláudio Torres e eu próprio.
O debate, moderado por Carlos Magno, durou quatro horas, com uma assistência atenta, que esgotou todos os lugares disponíveis do auditório da Biblioteca Municipal. Não admira que Salman Rushdie tivesse inaugurado a sua intervenção observando que um debate assim sobre a religião seria "inimaginável" há 40 anos, quando se pensava que a fé ficaria confinada à "esfera privada".
Qual é o Deus do Mediterrâneo? Antes de mais, porque não: "Qual a Deusa?" Afinal, não estávamos ali também porque contra Salman Rushdie tinha sido lançada em 1989 pelo ayatollah Khomeini uma fatwa por causa do livro Os Versículos Satânicos?
Quais são esses versículos? Dois, que não figuram nas versões ortodoxas do Alcorão. Lê-se, de facto, na sura (capítulo) 53, versículos 19 e 20, da Vulgata: "E que vos parecem al-Lat, al-Uzza e a outra, Manat, a terceira?" A estes versículos, na tradução francesa de Régis Blanchère, acrescentam-se mais dois (20bis e 20ter), os "satânicos": "Elas são as Deusas Sublimes e a sua intercessão é desejada."
Tratava-se de divindades do politeísmo pré-islâmico, representando, portanto, aquilo que Maomé mais fustigou por causa do seu monoteísmo puro. Mas, se a negação do monoteísmo é o único pecado sem perdão, como pôde o Profeta declarar sublimes aquelas deusas?
:
Leia mais em DN

Editado por Fernando Martins | Domingo, 17 Dezembro , 2006, 09:20
NO DIA 22 DE DEZEMBRO




ALMOÇO DE NATAL
PARA 120 PESSOAS
::


No dia 22 de Dezembro vai acontecer no Clube Stella Maris um almoço para 120 pessoas com várias formas de carências, a saber: com dificuldades económicas; que sofram de solidão; com deficiência e doentes. À partida, são apoiadas pela Fundação Prior Sardo e pela Obra da Providência, instituições da Gafanha da Nazaré, havendo, no entanto, pessoas de outras paróquias, também ligadas à área diocesana da Obra do Apostolado do Mar.
Para o próximo ano, será feito um esforço para dar cobertura às pessoas com este perfil e residentes nas paróquias localizadas na referida área, isto é, toda a zona da ria e do mar, pertencente à Diocese de Aveiro.
Esta iniciativa do Clube Stella Maris é a primeira que visa dar visibilidade à Pastoral Social dirigida à comunidade piscatória e a todos os que, directa ou indirectamente, estão ligados ao mar e à zona lagunar.
Sublinhe-se que este almoço contou com o apoio de algumas instituições e empresas, com géneros ou com dinheiro, apoios estes que a direcção do Stella Maris agradece. Desta forma, será possível celebrar o Natal com os que, de uma maneira ou de outra, mais precisam. Também é de evidenciar o trabalho de muitos voluntários, nomeadamente os escuteiros da Gafanha da Nazaré, que vão servir à mesa.
A direcção do Clube Stella Maris e seus colaboradores desejam a todos um Bom Natal e um Próspero Ano Novo.
A Direcção

mais sobre mim
Dezembro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15


26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds