de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Dezembro , 2006, 17:33
Plataforma cívica
começa campanha
pelo «não» ao aborto


«Não Obrigada»



Foi apresentada hoje a Plataforma “Não Obrigada” que se manifesta contra a liberalização do aborto, juntando diversas personalidades de diferentes quadrantes sociais e políticos. Dizem “Não Obrigada” àquilo que consideram ser a liberalização “a pedido” da prática do aborto e apresentaram hoje as razões e os mandatários para esta causa. Os efeitos destrutivos na vida das mulheres, o ser humano em causa desde a concepção, o aumento do número total de abortos após liberalização e o uso de financiamentos para a prática do aborto são razões que juntaram inúmeras pessoas na apresentação oficial da Plataforma.
Assumindo-se como um movimento cívico, apartidário, não confessional, com profissionais de várias áreas, a plataforma quer “explicar que esta lei cria facilitismo e uma demissão total do Estado”, defende uma das pivots da Plataforma, Sandra Anastácio. “Sabemos que da experiência de outros países após a liberalização, a prática aumentou exponencialmente e a liberalização não resolve os problemas efectivos que as mulheres têm”, problemas esses de ordem económica, social e emocional.
No período entre os referendos os movimentos pelo “não” envolveram-se em projectos, “ao contrário dos defensores do sim que não apresentaram alternativas”. Sandra Anastácio, Directora da Ajuda de Berço lembra que ao “longo destes oito anos ajudámos a desenvolver cerca de 40 instituições de apoio à família e à vida, acho que isso nos dá credibilidade para dizer que vale a pena apostar nas mulheres, vale a pena apostar na vida e vale a pena criar alternativas” sublinha em declarações à Agência ECCLESIA.
Como movimento cívico que desenvolve o seu trabalho através de donativos, “estamos por isso abertos a que todos possam e queiram colaborar com este movimento e receptivos a receber donativos que possam ser empregues nesta causa” dando já conta de algum apoio por “parte de particulares apesar de estarmos no começo”.
A aposta é no esclarecimento e na informação “reservando alguma surpresa na forma como vamos chegar à opinião pública” considerou João Paulo Malta, ginecologista. Garantem, de qualquer forma “uma campanha moderna, não agressiva que quer principalmente esclarecer”, porque o que se trata “é de uma liberalização total do aborto e não de uma despenalização porque esta está feita desde 1984”, finaliza Sandra Anastácio.
A esta Plataforma várias personalidades se juntam como mandatários. Manuel Braga da Cruz, Reitor da UCP; o jornalista e deputado, Ribeiro Cristóvão; o treinador do Benfica, Fernando Santos; Bagão Félix, ex-ministro do Governo PSD/CDS-PP; Ernani Lopes, economista; Nuno Rogeiro, politólogo; Nuno Morias Sarmento, ex-ministro do Governo PSD/CDS-PP, entre muitos outros.
:
Leia mais em Ecclesia

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Dezembro , 2006, 14:59


OS BANHOS DE MULTIDÃO
DE BENTO XVI


É sempre possível dizer algumas coisas sobre a viagem de Bento XVI à Turquia. Há perspectivas históricas, culturais, políticas ou religiosas tão diversificadas que qualquer abordagem acaba por ter, entre possíveis erros, alguma observação certa e entre muitas certezas algumas imprecisões. Estamos perante um país complexo na sua situação geográfica, história política e religiosa, com extremos de grandeza e aviltamento nas suas construções mais significantes e na sucessão de impérios e religiões.
Para os cristãos é um lugar santo – Terra Santa da Igreja. Nada se entende da movimentação bíblica do Antigo e Novo Testamento – em particular os Actos dos Apóstolos e as Cartas – sem a terra a que hoje chamamos Turquia e que já teve, com a Grécia, alternância de tantos lugares por onde passou o cristianismo nascente.
Hoje é um país de maioria islâmica esmagadora, Igreja Ortodoxa com missão significativa entre os diversos Patriarcados que a compõem e dividem. E com uma presença católica quase invisível.
A visita dum Papa à Turquia entra sempre nestes terrenos complexos e proíbe qualquer improviso ou espontaneidade. Todas as palavras e gestos têm de ser rigorosamente pensados, pelo eco num mundo atento a todos os fumos que se elevam do Médio Oriente e cercanias. Bento XVI não teve um minuto de sossego no banho de multidões que não apareceram, mas viram e espiaram a sua viagem. Nenhum jornal, rádio, televisão, site ou blogue, se pôde dar ao luxo de ignorar este acontecimento. Desde o vulcão do onze de Setembro, com olhares acirrados sobre o Ocidente, as caricaturas de Maomé exorcizadas, as palavras do Papa na Alemanha rejeitadas como injúria - ninguém no planeta se pôde sentir fora deste evento. Foi um pouco do medo, da expectativa, da nova visão de guerra, do estado de espírito dos radicais islâmicos, da percepção dos ortodoxos, das expectativas dos católicos, das múltiplas opiniões emitidas com os nervos à flor da pele – que fez da figura de Bento XVI o centro do mundo por alguns dias, porque ele próprio se havia transformado em catalizador de vários pólos. Não admira, pois, que esta viagem tivesse mais audiência e multidões, em todo o planeta, que qualquer viagem de João Paulo II.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Dezembro , 2006, 14:47
JANTAR DE BOAS-VINDAS
AO NOVO BISPO DE AVEIRO

Como já aqui referi, está a ser organizado um jantar, em Aveiro, com duplo sentido: de homenagem e gratidão a D. António Marcelino, que deixa o leme da barca diocesana, por limite de idade, e de boas-vindas ao novo Bispo da Diocese, D. António Francisco. O jantar vai ter lugar no sábado, 9 de Dezembro, um dia depois da entrada na diocese do novo Bispo, e nele podem participar, mediante inscrição (15 euros), todos os que estiverem interessados e puderem. As inscrições terminam hoje, pelo que ainda há tempo para passarem pelas paróquias para adquirirem a senha de entrada.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Dezembro , 2006, 12:47
UM LIVRO DE BERNARDO SANTARENO


"NOS MARES
DO FIM DO MUNDO"

Reler é um prazer. E quando os livros me dizem algo de especial, muito maior é o prazer. O livro que ando a reler - NOS MARES DO FIM DO MUNDO – é do dramaturgo Bernardo Santareno. Foi escrito com base em duas viagens que o escritor fez, como médico, na frota da pesca do bacalhau, nos anos de 1957 e 1958. Nos navios “David Melgueiro”, “Senhora do Mar” e navio-hospital “Gil Eannes”.
Nesta obra, Bernardo Santareno conta-nos deliciosas e comoventes histórias de pescadores à linha nos mares da Terra Nova e da Gronelândia, com quem privou de perto. Não se preocupou muito com os oficiais de bordo, mas enalteceu a tenacidade dos que, cada um no seu dóri, enfrentaram os mares gelados, com risco constante da própria vida. Os últimos pescadores do mundo a deixarem este tipo de pesca.
O escritor dedica o seu livro essencialmente a esses: “A todos os pescadores bacalhoeiros portugueses, que têm o riso claro e feroz; Que sempre ocultam nos olhos um aceno de morte; Que todos os dias, naturalmente, fazem milagres de força; Que, se a pesca adrega de ser boa, cantam e bailam sozinhos, como os meninos e os loucos… Que são tipos perfeitos da raça.”
Neste trabalho, o dramaturgo recorda-me histórias que ouvi desde menino. Apelidos de pescadores que me foram próximos, porque gafanhões e ilhavenses; naufrágios de que tanto ouvi falar, como o do “Maria da Glória”, em que morreram gafanhões meus vizinhos; a vida a bordo dos que nunca esquecem a família; as mulheres dos “mais rijos navegadores do mundo”; as competições e ‘guerras’ entre pescadores; e tantas outras estórias cheias de poesia e de ternura que é tão saboroso ler e reler.
No fim do livro, o escritor não deixa de reflectir o que foram estas viagens com estes bravos. Diz assim:
“Faço, mais uma vez, o exame da minha consciência: Cumpri realmente bem? Fui o clínico seguro e decisivo, o amigo sereno e infatigável (eu ia a escrever o “pai”) de que estes mil e tantos homens precisavam? Nem sempre: por ignorância, por tibieza, por comodismo. No entanto, uma verdade quase me sossega: Eu amo estas gentes. E elas sabem que assim é.”
Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Dezembro , 2006, 12:00

UMA NOITE DE NATAL

Um dia, já lá vão 43 anos…
Foi no dia 24 de Dezembro de 1963, estou a recordar-me do silêncio da noite, como se fosse agora.
Estava a nossa companhia de serviço ao “Cinturão Verde” – zona de protecção da cidade de Luanda, com arame farpado desde o aeroporto até aos “musseques” – e a nossa missão era identificar quem entrava ou saía da cidade.
Tínhamos jantado isolados. Teria de haver cuidados redobrados, já que a noite seria propícia à entrada do “inimigo”.
Os cigarros, únicos companheiros com quem conversávamos no silêncio da noite, eram consumidos rapidamente entre as mãos ou dentro do capacete para não podermos ser localizados.
Cigarro atrás de cigarro, foram consumidos os três maços que eu tinha levado para esse dia. E agora? São 23 horas. É dia de ceia. Está tudo fechado. Como vou passar o resto da noite?
Bem…pensei eu! Chamei o condutor do jipe. O “Tavira” apareceu meio ensonado:
– Diga, meu Furriel.
– Vamos ao “musseque”. Preciso de cigarros e pode ser que esteja por lá alguma tasca aberta.
Fomos andando devagar vendo o estado do arame farpado. Tudo em ordem, menos a tal tasca que poderia estar aberta. Parámos. O silêncio parecia total, até que da loja do cabo-verdiano saíram dois pretos cambaleando de bêbados. Aproximámo-nos e os pretos fugiram conforme puderam e desapareceram na escuridão da noite. Entrei na loja e pedi dois maços de cigarros. Paguei e fiquei encostado ao balcão, aconselhando o homem a fechar a loja para evitar problemas como aquele a que tinha assistido e a ir consoar com a família.
– Não tenho cá família, disse-me ele. Está na minha terra, em Cabo Verde.
– Então o que faz aqui sozinho a estas horas?
– Estou a ouvir esta música. E aumentou o volume do rádio para eu ouvir também…
A Rádio Ecclesia transmitia músicas de Natal. A que comecei a ouvir foi “Noite Santa, Noite Serena”, cantada pelo conjunto coral “Os Pequenos Cantores de Viena”.
Automaticamente a minha mente mudou-se para a minha terra: os meus filhos, a minha mulher, os meus pais, enfim, a minha família… Estavam todos tão longe e tão perto!
Abandonei a loja, acenando com a mão ao cabo-verdiano sem o olhar, para não ser traído pelas lágrimas que me corriam pela face abaixo.
Chegado à viatura, fiz sinal com a mão ao condutor para que seguisse.
– O meu furriel está bem? – perguntou o “Tavira”.
– Segue, acenei-lhe eu.
Quando um homem chora tem com certeza uma razão muito forte para o fazer.

Ângelo Ribau

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Dezembro , 2006, 11:50
QUE NÃO SEJA PRECISO ESPERAR MAIS UM ANO PARA VOLTARMOS A FALAR DO VOLUNTARIADO

Celebra-se hoje o Dia Internacional do Voluntário. Mais um dia para todos, em geral, e para cada um de nós, em particular, nos debruçarmos sobre nós próprios, com o objectivo de descobrirmos o que poderemos fazer pelos outros. Tendo em mente, permanentemente, que o volun-tariado é hoje, como sempre, fundamental para o desenvol-vimento humano, numa linha da dignidade de cada pessoa, seja ela nova ou velha, rica ou pobre, culta ou iletrada, branca ou negra.
Importa que saibamos descobrir, no dia-a-dia, razões para vivermos um pouco mais para quem mais precisa, directa ou indirectamente, pelo silêncio da ajuda próxima, pela cooperação com quem longe trabalha em terras de pobreza extrema, de guerras e de conflitos étnicos, de gente sem pão nem água, sem cultura e sem meios de subsistência mínimos.
Penso que é importante conhecer o que fazem tantos e tantos que deixam tudo, por períodos curtos ou longos, para trabalharem para e com quem mais sofre, em tempos de imensas riquezas para alguns e de escandalosa pobreza, a todos os níveis, para muitos mais.
Pensemos, pois, um pouco mais neste Dia Internacional do Voluntário. Ele foi criado precisamente para isso. E que não seja preciso esperar mais um ano para voltarmos a falar do voluntariado.
F.M.

mais sobre mim
Dezembro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15


26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds