de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 04 Dezembro , 2006, 23:32

BILHARACOS DE ÍLHAVO
E SUA REGIÃO


Ingredientes

2 Kg de Abóbora
Raspa de 1 limão
400 g de Açúcar
200 g de farinha de trigo
3 ovos inteiros
Canela q.b.
1 cálice de aguardente



Confecção:

Cozer a abóbora na véspera, com alguma água e uma pitada de sal. Depois de cozida, coloca-se dentro de um pano pendurado, a escorrer. Vinte e quatro horas depois prepara-se a massa, misturando todos os ingredientes. Fazem-se pequenas bolinhas dessa massa que vão a fritar em óleo abundante e a elevada temperatura. Tirados da fritadeira, os bilharacos são escorridos e colocados numa travessa onde são polvilhados com açúcar e canela.

De António Angeja

Fonte: Roteiro Gastronómico de Portugal




Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 04 Dezembro , 2006, 15:11

NATAL é tempo de dar

Dar espaço à reflexão,
Dar mais a quem nos rodeia.
Dar um pouco de nós,
É este espírito de entrega
que queremos celebrar!

Ao oferecermos-lhe uma semente,
esperamos plantar em si
a vontade de dar corpo
a uma nova vida.

Em sua casa ou perto dela,
ajude a recuperar
o verde que o fogo destruiu.
Ao fazê-lo,
estará a poupar recursos
e a promover o futuro

Faça do Ambiente
uma prioridade
para 2007!


:::
Fonte: Texto que me chegou
de uma campanha sobre o Ambiente

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 04 Dezembro , 2006, 15:04
A FORÇA E A ALMA
DO VOLUNTÁRIO

1. O estado do mundo bem precisa que o espírito humano se eleve repleto de dons da simplicidade e gratuidade. O espírito da Declaração Universal dos Direitos Humanos, mais que trinta artigos escritos, querem ser um desafio permanente a uma vida com sentido que procura viver e partilhar em solidário espírito de serviço. Esta abertura de espírito que vence a limitação da “fria” razão, será a única via do encontro e reencontro consigo mesmo e com o outro, num atingir plenamente a realização humana.
Dia 5 de Dezembro celebra-se o Dia Internacional os Voluntários para o Desenvolvimento Económico e Social. É certo que todos o somos cada dia… Mas, que seria hoje do mundo sem o Voluntariado organizado? Que seria da Humanidade sem esta frescura de espírito que, de forma, organizada mas sempre flexível vai abrindo persistentes portas de esperança? Mas…nestas questões estamos cada hora a (re)começar, pois a oferta é sempre maior que a procura. Falta, ainda, um longo caminho a percorrer. O espírito de Voluntariado como serviço é interminável; é como as cerejas ou como o novelo que se abre e sempre abre mais e mais. É tal a sua preponderância, que, verdade se diga, hoje qualquer organização, pontual ou estruturada, integra essa força livre, pacífica e generosa do Voluntário.
2. Fala-se muito das preocupações da educação, cidadania, sociedade; sente-se a problemática social do desinteresse das novas gerações em relação ao bem comum, imersas, porventura, num indiferentismo que vai alastrando e desgarrando os laços de entreajuda; constata-se sempre a dificuldade da participação cívica nos espaços comuns pensando, todavia, que são modelo único, mas esquecemos que o “fazer” com reflexão poderia ser um potencial de estímulo realista e atractivo para quem anda à procura (e todos sempre andamos…).
Fazemos o diagnóstico das problemáticas e das situações no gabinete cheio de computadores, e do computador até andamos fechar esta instituição ou abrir aquela; vivemos mergulhados em papéis (num modelo de dedução) em vez de dar mais a primazia à realidade com projecto, à visão, à pessoa, ao olhar inclusivo para transformar a mesma realidade. É que só partindo desta é que poderemos implicar “todos”, idealizando caminhos de envolvência “com” e não meramente projectos “para” como se esquecesse o real. Há uma imensidão de potencial educativo e institucional que, hoje mais que nunca, o Voluntariado contém. Abrir-se a ele e antecipar todo o futuro!
3. Não será por mero acaso que hoje se sente que toda a rede de instituições que cooperam em comum, todas as ONGD’s (Organizações Não Governamentais para o Desenvolvimento) “aquecem” o planeta frio de um racionalismo (económico, tencológico ou mesmo distraído da vida); toda essa imensidão de instituições das mais formais às menos, e cada uma com as suas virtudes e limites, são, sem dúvida no mundo actual a nova frescura capaz de ir criando pontes fecundas entre os povos.
Mas, para quando uma maior clarividência em todos este processo (Voluntariado) rico de potencial transformador da mentalidade comum? Quando as instituições educativas convidam e integram formalmente no seu projecto de formação humana e escolar toda a vasta experiência do espírito de Voluntariado (que tanto terá a dizer mesmo para as tenras idades, pois parte da experiência prática)? Quando as próprias Organizações de Voluntariado terão maior capacidade de abertura e permuta para uma educação social aprofundando toda a sua riqueza educativa e transferindo-a para os sistemas de educação? Aprofundar o caminho já percorrido para haver mais pontes educativas será hoje essencial. Não se pode esperar mais!... Uma realidade nos parece certa: um potencial imenso de educação para as causas humanas fundamentais continua “desperdiçado”; claro que para o acolher e integrar em projecto, além da abertura de espírito responsável de todos, será necessário vontade política explícita.
4. Não se pense que estamos diante de um terreno novo. Valerá a pena a este propósito referir que já no ano de 1990 foi aprovada a DECLARAÇÃO UNIVERSAL DO VOLUNTARIADO, adoptado pela 11ª Conferência Bienal da IAVE (International Association for Volunteer Effort), em Paris, 1990, com a presença de voluntários de todo o mundo (ver http://www.portaldovoluntario.org.br/site/pagina.php?idconteudo=224; http://www.unv.org/). Se “cada pessoa que se eleva, eleva a própria humanidade”, também poderemos dizer que cada Voluntário que tem consciência da sua missão vai, assim, transformando o próprio mundo. Claro que não falamos numa perspectiva de voluntariado como um SOS (nada disso!); falamos, sim, da mudança de mentalidade que saiba incluir numa visão de futuro todas as forças positivas assentes nos valores fundamentais. Que maior exemplo que a acção solidária / voluntária que fala mais alto que todas as palavras? (Um processo partindo da realização à reflexão.)
Hoje o Voluntariado não tem fronteiras e vence todas as barreiras sócio-políticas! Que o digam as catástrofes diversas... Mas porque é que se fica só por aqui? Porque não se tira a “lição” para uma educação universal? É, por isso, em potencial, o voluntariado, uma força imparável de energia e alma que transparece o querer ansioso de um mundo bem mais sensível, bem melhor! É este o segredo e a esperança que perpassa no coração dessa multidão bem especial dos Voluntários! (Para ver, em Portugal, Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado:
http://www.voluntariado.pt/). Tão longo é o caminho (de nós próprios), e imensa a distância entre as nossas palavras e a sempre premente realidade!

mais sobre mim
Dezembro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15


26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds