de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 03 Dezembro , 2006, 15:25

COMBATE À POBREZA
E À EXCLUSÃO SOCIAL
SERÁ PRIORIDADE

O combate à exclusão social e à pobreza serão dois temas relevantes da presidência portuguesa da União Europeia (UE), disse, em Bruxelas, o ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, Vieira da Silva.
“O combate à pobreza e à exclusão social serão prioridades da presidência portuguesa, tanto mais que 2007 é o Ano Europeu da Promoção da Igualdade”, disse Vieira da Silva, no final de uma reunião com os seus homólogos dos 25 Estados-membros da UE.
Durante a presidência alemã (no primeiro semestre de 2007), especificou, será dada particular atenção ao combate ao desemprego juvenil e à promoção da manutenção dos trabalhadores mais idosos no mercado de trabalho. “Naturalmente que nós continuaremos esta prioridade” na presidência portuguesa (segundo semestre de 2007), acrescentou.
Após Portugal, será a Eslovénia a presidir à UE no primeiro semestre de 2008. Comum às três presidências da UE será “a discussão sobre a sustentabilidade do Modelo Social Europeu, sobre as políticas activas de emprego”, referiu também Vieira da Silva. As linhas gerais dos programas das três presidências, já concertadas entre os países envolvidos, serão divulgadas ainda este mês em Berlim.
Este tipo de discussões tripartidas, uma novidade na União Europeia, foi considerado pelo ministro português “vantajoso do ponto de vista do processo legislativo”.
::
Fonte: iid

Editado por Fernando Martins | Domingo, 03 Dezembro , 2006, 10:55
Papa na Turquia


LIÇÃO DE BENTO XVI
AO MUNDO
::

Contra ventos e marés de mau agoiro, o Papa foi à Turquia. Sem medo nem complexos. Porque a verdade e a fé não são temerosas. Foi, mesmo sabendo das ameaças que andavam no ar. No fim, o que sentimos foi que os turcos acabaram por compreender o Papa e por aceitar o seu testemunho. Os sorrisos das autoridades não escondiam a compreensão e a alegria que lhes ia na alma.
A visita, de fraterna amizade para com o Patriarca de Constantinopla, serviu para aproximar católicos e cristão ortodoxos e para dialogar com o islamismo, depois do badalado discurso de Bento XVI numa universidade alemã. No final, penso que os turcos aprenderam a lição do amor cristão que se desprendeu e desprende do Papa.
De facto, Bento XVI deu na Turquia, país de maioria muçulmana e onde os católicos são uma minoria, uma linda lição de serenidade, ao anunciar, sem peias, a fraternidade, a paz e a liberdade religiosa, como um direito humano a ter em conta em todas as culturas.
Bento XVI foi um grande exemplo de diálogo, ao mesmo tempo que mostrou a sua capacidade, indesmentível, para um entendimento sincero com todos os homens de boa vontade. Serviu de ponte entre civilizações, religiões e culturas, mostrando como se deve viver, sempre no respeito pelas opções de cada pessoa. Ainda confirmou na fé os católicos que vivem num meio hostil. Bela lição deu o Papa ao mundo, nesta quadra em que se aguarda a chegada do MENINO.
Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Domingo, 03 Dezembro , 2006, 10:30
Nossa Senhora e o Menino,
de Leonardo da Vinci




“NESTE NATAL,
ATREVA-SE A SONHAR”

“Neste Natal, atreva-se a sonhar.” Li esta frase num saco publicitário, daqueles que carregam jornais e muita papelada, para ajudar a vender mais. É uma frase bem conseguida, pois incita a comportamentos que é suposto conduzirem à felicidade. Quem não gosta de sonhar!!!
O sonho, diz o poeta António Gedeão, comanda a vida. E se assim é, há que encher a vida de sonhos. Realizáveis, uns, e impossíveis de atingir, outros. Sonhos que nos alimentam o espírito e nos dão forças para prosseguir na jornada, em caminhos de optimismo, de tolerância e de verdade.
Importa, pois, sonhar, porque a vida não pode ser só trabalho, canseiras, preocupações, tristezas. Urge crer num mundo melhor e querer uma sociedade mais justa e mais solidária, para nós e para os nossos filhos e netos. Urge tornar fácil, através do sonho, os caminhos que trilhamos, iluminando os que nos rodeiam com sorrisos e projectos de beleza. Urge prosseguir no dia-a-dia na busca do que é bom para todos os homens e mulheres de boa vontade.
Atreva-se a sonhar até ao Natal que se avizinha e muito para além dele. É que o sonho, a alma de uma vida melhor, é luz que brilha e ilumina projectos com sentido, porque assentes na ternura que o MENINO do presépio de Belém nos deu para sempre.

Fernando Martins



Editado por Fernando Martins | Domingo, 03 Dezembro , 2006, 10:24

Um trabalho de Manuel Olívio da Rocha




“REPORTÓRIO DA GAFANHA”

O professor Manuel Olívio da Rocha, um gafanhão de gema radicado no Porto há muitos anos, nunca esqueceu as suas raízes. Daí a sua preocupação em aproveitar todas as circunstâncias, de mãos dadas com o seu amor à terra que o viu nascer e com o seu gosto pelas coisas da história, para guardar, estudar e divulgar curiosidades gafanhoas, e não só.
Desta feita, o professor Olívio brindou-me, nesta quadra natalícia, com um trabalho meritório, que estava à espera de ser feito. Trata-se de "Reportório da Gafanha", uma compilação de orações, cânticos, cantigas e cantilenas que nos foram deixados pelos nossos avós.
Reencontro-me em muitas orações, cânticos e cantigas, bem como em cantilenas que papagueei quando menino e moço, que o professor Olívio agora nos oferece de mão beijada, neste Natal de 2006. Bem-haja.
A edição, restrita e para familiares e amigos, espera agora que alguém ajude a voar este livrinho de que todos os gafanhões e outros estudiosos hão-de gostar. Para ler, para meditar, para guardar em lugar de destaque, como coisa preciosa que não pode cair no esquecimento.
Os meus parabéns ao professor Olívio, amigo de infância que muito prezo. Com votos sinceros de que continue com esta paixão pela recolha e divulgação do património gafanhão.
Fernando Martins

:::::::::

Para abrir o apetite,
aqui fica...
:::

Nana, nana, meu menino,
C’a tua mãe logo bem:
Foi labá-las fraldinhas
À fonte de Belém.

O mê menino é d’oiro,
D’oiro é o mê menino;
Hê-de entregá-lo ós anjos
Incanto é pequenino.

Vai-te embora, papão negro,
De cima do mê telhado;
Deixa dormir o menino
Um soninho descansado.

Quem tem o nome de mãe
Nunca passa sem cantar;
Cantas vezes a mãe canta
Com vontade de chorar.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 03 Dezembro , 2006, 10:07


A COR DA CRISPAÇÃO
DA ÁGUA DAS CHEIAS...

Caríssimo/a:

Curiosamente no dia em que o vendaval mais nos fustigou andava às voltas com os livros de apontamentos do Avô Manuel Passarinha (de seu nome completo Manuel Joaquim Tavares Valente), falecido no Bunheiro, em 1943.
Fiz alguns recortes (conservando a ortografia que utilizou):

“Em 1897 lavraram-se as terras muito bem mas como não tornou a chover até ao dia 15-10 a colheita foi muito escassa, mas foi um ano muito abundante de pastagens e no dia 31 de 12 veio da travessia um temporal tão forte, de tarde, que deitou por terra muitos pinheiros e chamuscou as pastagens, também choveu. Cairam-me 25 pinheiros. [...]
Passarão-se 11 anos [desde 1903] sem novidade particular até que a noite de segunda para 3.ª de Entrudo, a 24 de fevereiro de 1914 reventou um temporal tão forte como não havia memoria nos homens mais velhos desse tempo. Aqui levantou o acabanal cheio de palha dencontro ao muro caindo ambos no meio da Estrada, e quebrou os raios ao munho de vento, deitou abaixo quasi todo o pinhal da Campota que foi vendido por 150:000, e fora estes cairão mais 73 pinheiros entre estes 4 velhos das Orchas, escapando 1 e nunca se viu o monte tão cheio de lenha arrancada e quebrada pelo meio. [...]
E em 16 de Janeiro de 1922 perto da noute veio um temporal do Norte mais forte do que o de 24 de fevereiro de 1914 todos os quintais sofreram havarias e em lenhas superior ao outro e morreram pessoas afogadas no rio com barcos borcados e frio.
Houve quem viu lume no ar e passados dias apareceram as folhas dos eucaliptos e loureiros secas. Primeiros signaes do fim do mundo, como diz a Escriptura.”
Este bom homem não se ficava só com as suas notas, consta-se que em tais dias punha a enxada ao ombro e ia abrindo valas e valetas para a água correr. Um apontamento mostra que não esperava que as forças públicas tudo resolvessem:
“O acduto dos Adeixos foi feito entre o Ant.º Carrabao e Ant.º Rico e eu M. J. T. Valente em Setembro de 1933
120 escudos”

Não tem a ver com vendavais, mas pode aguçar a curiosidade a alguns de nós o que deixou escrito sobre a família. Aqui fica só o início:

“Árvore de Família

começada em 2 de Fevereiro de 1911
pedindo a quem tiver disto conhecimento
para o futuro de a continuar.”


Manuel


Fora de tempo: Foi bom, mesmo muito bom a chegada de mais amigos a esta nossa conversa. O Mundo é pequeno, seria bem que acrescentassem sempre onde lutam... Feliz Natal!

mais sobre mim
Dezembro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15


26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds