de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 01 Outubro , 2006, 12:20


Mais de um milhão
vive com menos
de 300 euros/mês



Em Portugal, mais de um milhão de idosos vive com um rendimento mensal inferior a 300 euros, denunciou, no Porto, a presidente da Associação VIDA - Valorização Intergeracional e Desenvolvimento Activo. "Os idosos representam 17 por cento da população e mais de 20 por cento do eleitorado, mas a pobreza monetária e literária retira-lhes a força que a sua vantagem numérica lhes poderá conferir", frisou Teresa Almeida Pinto.
A presidente da Associação VIDA, defendeu a inclusão dos idosos na agenda política e nas prioridades nacionais, por considerar que "uma sociedade que se diz desenvolvida não pode continuar a manter vivos, sem expectativas de vida, aqueles que contribuíram para a sua evolução e desenvolvimento".
"Os esforços para produzir mais e melhores anos de vida devem concentrar-se em medidas práticas e não em exercícios demagógicos ou de lamentação infrutífera", disse a responsável pela associação que representa em Portugal a Plataforma Europeia das Pessoas Idosas. Acrescentou que "mais de metade dos portugueses que vivem sós (58 por cento ou cerca de 321 mil pessoas), têm idade igual ou superior a 65 anos".
::
Leia mais em SOLIDARIEDADE

Editado por Fernando Martins | Domingo, 01 Outubro , 2006, 10:16

AS AVES
Afluem às margens, jogam
como se a água lhes pertencesse,
pousam no meio dos arbustos
como se tivessem todo o tempo! No

entanto, sabem que as nuvens
vão encher o céu; e que o norte
irá enviar o vento frio que as
há-de arrastar para sul, deixando
atrás de si o silêncio
nos campos. Mas pouco lhes importa
isso, quando se juntam, e
cantam a efemeridade do
instante.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 01 Outubro , 2006, 09:53
Cristianismo e bioética (1)
::
"O cristianismo, o catolicismo, não é um amontoado de proibições, mas uma opção positiva. E é muito importante que isto se veja de novo. Creio que se deveria corrigir a imagem segundo a qual semeamos à nossa volta rígidos NÃOS."
Estas afirmações não são de nenhum teólogo progressista, mas de Bento XVI, em Agosto passado, numa entrevista à Deutsche Welle (televisão alemã), à Rádio Baviera e à Rádio Vaticano. O Papa acrescentou: "A Igreja - sabemo-lo pelos inquéritos - é considerada a maior parte das vezes só como uma voz que admoesta ou que inclusivamente trava." E perguntou: "A Igreja não deveria sair desta posição defensiva e assumir uma atitude mais positiva quanto ao futuro e à sua construção?"
Foi com estas citações papais que o teólogo José María Castillo abriu o XXVI Congresso da Associação de Teólogos e Teólogas João XXIII, que teve lugar em Madrid de 7 a 10 de Setembro sobre o tema "Cristianismo e bioética" e no qual tive a oportunidade de participar.
O teólogo jesuíta queria sublinhar que a teologia tem sido frequentemente "um pensamento cativo". Apesar das suas pretensões de cientificidade, tem-se visto dirigida e submetida por uma instância autoritária que, por mais justificada que seja a partir de uma determinada crença religiosa, é "uma instância extracientífica". Ele próprio acabava de ver proibida pela Conferência Episcopal Espanhola a publicação de um livro.
Deste modo - continuou - a teologia católica, depois da grande geração de teólogos que fizeram o Concílio Vaticano II, entrou num empobrecimento crescente. "Ficámos só com uma coisa: o medo. Há hoje muito medo na Igreja. Medo de pensar, de falar, de escrever", um medo tanto mais forte quanto menos consciência se tem dele. A consequência é uma teologia bloqueada, que passou a ser "um pensamento marginal", de tal modo que o que dizem os padres, os bispos, os teólogos "interessa cada vez menos e a menos pessoas".
No entanto, a teologia tem hoje muito a dizer e a muita gente. Aumenta o número de pessoas que fazem "perguntas teológicas": sobre Deus, Jesus Cristo, o sofrimento e a felicidade, o sentido da vida e da morte.
:
Leia mais em Diário de Notícias

Editado por Fernando Martins | Domingo, 01 Outubro , 2006, 09:43


MUDANÇAS... ATÉ NA COR!

Caríssimo/a:

Afinal, sem darmos por ela, e assim a modos de quem não quer a coisa, estamos em pleno século XXI e no terceiro milénio. Nos seus princípios, é verdade, mas parece que nem demos pela mudança. Ou não será assim? Ele de facto andam para aí uns «profetas» de sobrolho carregado a anunciar catástrofes e a dizer coisas que, e isto cá para nós, de tão evidentes e de resultados tais, já ninguém lhes liga... Mas cuidado, muito cuidadinho. Ora vejamos:
Tenho no meu quintal um dióspiro (isto não é bem assim: tenho mais, mas para o caso não interessa...). Aqui há uns trinta-quarenta anos, dióspiro era fruta que se começava a comer na altura de Todos-os-Santos, nos princípios de Novembro, e tínhamos frutos durante grande parte de Dezembro. Pois bem, nos últimos anos, por alturas do S. Paio já se apanham e apreciam os primeiros; e no final de Setembro é rezar-lhes pela alma que os dióspiros já se foram!...
Como é, houve ou não mudança?

E isto que se está a passar na fruta será um indício do que acontece noutras áreas que, à primeira vista, nem são nada compatíveis? Claro que as mudanças tanto podem dar para adiantar como para atrasar...
Quando éramos miúdos, o carteiro chegava ao nosso canto e tocava a campainha ou a buzina da bicicleta e era certinho: carta ou encomenda, posta nos correios na véspera, ali estava. Trazia um selo de cavalinho a galopar. Os correios não tinham cor: os selos, conforme o seu valor, podiam apresentar coloridos diferentes no tal cavalinho; normalmente os sobrescritos eram brancos ou, quando muito, tinham umas riscas azuis e vermelhas para correio aéreo... Mas os correios não tinham cor, tinham pontualidade e zelo em servir o público.
Agora, é só ouvir: ele há correio azul, correio verde e até código postal e já com meio caminho andado. E o tal correio sem cor que servia o público e era eficiente, ao passar a ter cor e ao falar muito para dizer que agora tudo fazemos para o servir melhor, bem agora temos de ser nós a «buzinar» para forçar a chegada de carta, de jornal ou encomenda que tarda a nunca mais aparecer... (Se mudassem a cor para a do dióspiro, talvez então a mudança fosse para adiantar a chegada...)

Bem, o papel chegou ao fim...

[Não tem nada a ver com o que está acima, mas já agora espero que o blogue também mude de cor e de corpo da letra para facilitar a vida aos que vão tendo a vista curta.]

Manuel


Editado por Fernando Martins | Domingo, 01 Outubro , 2006, 09:11
Renascença apresenta mudanças
na informação e programação



::
Linguagem actual
com inspiração cristã
::

Francisco Sarsfield de Cabral, director de informação da Rádio Renascença fala sobre as mudanças que o primeiro canal apresenta com o objectivo de, “sem largar o público mais velho que nos acompanha, agarrar o público a partir dos 35 anos”, refere.
Para isso apostam em algumas mudanças na música, revisitando sucessos das décadas de 70, 80 e 90, na apresentação da imagem da estação, com uma campanha publicitária que trouxe um novo logotipo e sob o slogan “A boa onda da rádio” e algumas novidades na informação, cujo maior cartão de visita é o anunciado programa de debate mensal, ainda sem nome, agendado para Outubro, e que junta personalidades tão distintas quanto D. José Policarpo, Cardeal Patriarca de Lisboa, Jorge Sampaio, ex-Presidente da República e Francisco Pinto Balsemão, patrão do grupo de comunicação social Impresa.
Os blocos de informação não serão alargados, “pois de manhã já são maiores, temos informação de meia em meia hora, revistas de imprensa, e vamos ter um espaço de opinião diário, no horário da manhã, assinado por cinco pessoas da casa, Francisco Sarsfield de Cabral, Raquel Abecassis, Graça Franco, Aura Miguel e Angela Silva” refere.
Nas palavras do director de informação, a Renascença “continuará a seguir a mesma linha. Apostamos no rigor, na melhoria da qualidade e clareza dos textos”, factores que têm contribuído para “a credibilidade que nos atribuem” refere. “Juntar pessoas tão distintas é essencial. A nossa missão é servir o ouvinte e é necessário dar diferentes opiniões sobre questões da sociedade”.
Nelson Ribeiro, director de programação da Renascença, refere à Agência ECCLESIA o grande desafio que é apanhar o público mais jovem, que supostamente não está ligado à religião. Segundo o director o desfasamento entre ao mais jovens e a Igreja é “uma questão de linguagem. Acredito que as pessoas têm necessidade e procuram esses conteúdos, se calhar a forma como é apresentada é que os afasta” acrescentando que essa é também “a nossa missão”.
A nova aposta na programação passa por “apresentar uma rádio moderna assente nos pilares música e informação”, dando destaque à informação na manhã e apostando na música à tarde, “indo ao encontro daquilo que as pessoas procuram”.
O grupo Renascença, Emissora Católica Portuguesa tem quatro rádios diferentes “cada uma para o seu público” e Sarsfield de Cabral assegura que tendo também público não católico não haverá “descaracterização do canal, pelo contrário, continuamos a ter muito clara a nossa missão”, sublinhando que não pretendem “copiar o que os outros fazem, mas acompanhar o que faz o mundo”.
Assim uma das apostas passa pela renovação do site, onde pretendem “ter um contacto maior com os ouvintes”. Serão disponibilizadas emissões em podcast, “uma mais valia” assegura Nelson Ribeiro. “A ideia que as pessoas mais velhas estão afastadas das novas tecnologias é errada.
Recebemos muitos «mails e sms» de pessoas com mais de 60 anos”, refere Nelson Ribeiro, não escondendo que este objectivo destina-se claramente às gerações mais novas. Durante a próxima semana “podem esperar um novo site, com cara nova” assegura.
::
Fonte: Ecclesia

mais sobre mim
Outubro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds