de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 30 Agosto , 2006, 17:53

Educar ainda
é possível?


Um novo ano escolar começa com o bulício de milhares de alunos, a perplexidade e a desilusão de muitos professores, a preo-cupação e a meia indiferença de muitos pais, as interrogações de gente atenta aos problemas do país, mormente aos da educação.Alguém que de há muito me habituei a ler, porque sei que fala do que sabe, do que pensa, do que o preocupa, e é perito nestes assuntos, escrevia há pouco: “A figura do educador não existe, porque desapareceu também a figura pessoal do educando, reduzido a aprendiz de saberes positivos, de conteúdos objectiváveis e de técnicas que o preparam para uma profissão de futuro”. A ser assim, onde está a formação para que um aluno possa existir e afirmar-se como pessoa?
Não é difícil verificar que, em tais condições, ninguém perde tempo a compreender-se e a assumir-se como formador ou educador, preferindo recolher-se no seu mundo próprio e reduzir-se à condição de simples técnico de um saber. Esta desilusão, mais ou menos generalizada, dos professores pode dizer-se que é o sintoma mais grave da crise moral de um país. Uma desilusão que não tem apenas por detrás razões profissionais, por pesadas que sejam, mas, dado o papel da escola, a consciência de uma missão social fundamental que não se pode realizar de modo normal, tantos são os entraves de dentro e de fora e as mil dificuldades diárias que encontra quem deseja fazer, com competência e seriedade, algo que seja consequente e positivo na vida dos educandos.
Há nisto tudo um problema velho que se agravou, de que não se fala e que continua a criar dificuldades em ordem à educação escolar. Não é apenas problema nosso, porque outros países o sentem e já sofrem por não se ter resolvido. Em anos de democracia pacífica, em que muita gente determinante se pôs de acordo sobre coisas importantes da vida nacional, não se encontrou ainda um consenso em matéria educativa. O que é educar e quais os melhores modelos educativos? Qual o lugar dos pais e do Estado em tão importante tarefa? Quem mantém como básico o princípio da igualdade na educação e o da personalização? Quem defende uma educação centrada na pessoa e ao serviço da sua realização própria com tudo o que isto significa? Como se situa a escola nisto tudo?
Os que defendem um ensino igual para todos e consideram a sociedade o lugar fundamental para esta tarefa, não chegam a entender-se por razões antropológicas, fundamentadas em diversos conceitos de humanismo, político-partidárias, eivadas de preconceitos religiosos e sociais, razões ideológicas, mutiladoras da pessoa, da democracia e de uma sociedade de pessoas livres e, por isso mesmo, do futuro. Também chegou cá, com cheiros de actualidade, o slogan da “escola única, pública e laica”. Um retrocesso de séculos, que nega o presente e fecha as portas ao futuro.
Detrás das palavras existe uma concepção filosófica, uma visão antropológica, um projecto de sociedade, uma política e um modelo educativo, que impedem uma educação para este século. A educação não pode deixar de assentar em valores morais e éticos, os únicos que estruturam interiormente pessoas livres e responsáveis. Quem tem coragem e poder para fazer repensar aspectos essenciais da educação?
O ano escolar que começa tem muitos problemas e escolhos, uns fáceis de aplanar e de remover, outros não tanto, porque se cruzam os interesses, em vez de se somarem os esforços. As preocupações políticas cifram-se agora em arrumar a casa, não se apercebendo, ou não querendo aperceber-se, de que o alicerce desta não tem consistência e os seus muros estão a ruir. Todos podemos ver que assim é.
Educar não é o mesmo que distribuir computadores a torto e a direito ou calar os professores. Porém, o Ministério chama-se da Educação. De qual? Há que dizê-lo, para que nos comecemos a entender, a dar sentido à escola e esperança ao país.

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 30 Agosto , 2006, 14:40

Poemas
sobre
a desigualdade
de oportunidades

O Grupo Poético de Aveiro, em parceria com a Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens, está a organizar uma actividade que consiste na publicação de poemas escritos por jovens. Poemas sobre a desigualdade de oportuni­dades entre mulheres e homens, com a extensão máxima de uma página A4.
Os trabalhos deverão ser enviados, juntamente com dados de identificação (nome, morada, telefone, endereço electrónico, idade, profissão), até ao dia 15 de Setembro de 2006, para Grupo Poético de Aveiro, Casa Municipal da Cultura, Sala 5/9, Praça da República, 3º andar, 3810-156 Aveiro.

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 30 Agosto , 2006, 14:01

Orações cristãs
em todas as línguas do mundo

A agência missionária do Vaticano, Fides, está a preparar um dossier especial dedicado à divulgação das orações cristãs mais conhecidas, no maior número de línguas possível. O objectivo é “contribuir para a Nova Evangelização do mundo, tão tenazmente desejada pelo Papa João Paulo II”.
A Fides pretende colocar à disposição dos fiéis de todo o mundo as seguintes orações:
1. Textos do Ordinário da Missa: Confiteor, Kyrie, Glória, Credo-Símbolo Niceno-Costantinopolitano, Sanctus, Agnus Dei.
2. Textos das orações quotidianas do cristão: Credo-Símbolo dos Apóstolos, Pai-Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai, Mistérios do Terço, Oração de São Bernardo, Oração a São Miguel.
3. Algumas orações tradicionais relativas à devoção Eucarística e Mariana: Te Deum, Veni Creator, Veni Sancte Spiritus, O Salutaris Hostia, Tantum Ergo, Magnificat, Salve Rainha, Alma Redemptoris Mater, Angelus, Regina Caeli, Stabat Mater.
A agência missionária espera a colaboração das Igrejas católicas dos vários países do mundo que queiram oferecer o seu contributo, enviando o texto das orações acima indicadas nas línguas usadas nos respectivos países para o seguinte endereço de email: french@fides.org (indicar em francês, latim ou italiano o texto da oração enviada e a língua).
:
Fonte: Ecclesia

mais sobre mim
Agosto 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

15




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds