de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 28 Agosto , 2006, 09:35

Discriminações



A idade é um factor que pesa cada vez mais no mercado de trabalho. Quem fica desempregado depois dos 40 tem grandes dificuldades no regresso à vida activa. As empresas preferem empregar jovens com remunerações mais baixas e uma enorme disponibilidade que lhes é dada por habitualmente não terem começado ainda a constituir família. São estas as regras implacáveis do mercado de trabalho que começou a desenhar-se sobretudo na recta final do século XX por força do avanço tecnológico. É um mercado que exige elevados níveis de produtividade, grande competitividade, muitas horas de trabalho, múltiplas capacidades, salários controlados em tectos rígidos e uma valorização da carreira que já não depende em exclusivo de factores clássicos como a progressão por tempo de trabalho ou negociações salariais de matriz sindical.
A Comissão Europeia quer travar essa tendência discriminatória com base na idade e vai dedicar o ano de 2007 a uma grande campanha a favor da igualdade de oportunidades. Aprovou já uma directiva no sentido de impedir a discriminação, mas que não é cumprida pela generalidade dos países. Acrescente-se: não é e muito dificilmente será. A dinâmica do mercado imposta pela concorrência global chega a ser cruel na forma como valoriza a trilogia juventude-qualificação-salários baixos e não a sabedoria e a experiência associadas a trabalhadores mais velhos. Por isso se banalizou a ideia de que há uma geração a que se chamou "dos mil euros", ou seja, de jovens com bons níveis de qualificação, na esmagadora maioria universitários, que ficam anos a ganhar este salário. Por isso está cada vez mais posta em causa a ideia do emprego para a vida ou a de que os direitos e regalias sociais são intocáveis.
A discriminação deve ser combatida, mas é muito difícil fazê-lo apenas com regulamentação. O melhor que cada um pode fazer por si está mais na determinação que tiver em enfrentar o problema do desemprego do que em ficar à espera de uma asa protectora. A formação permanente, a procura de novos saberes, a capacidade de adaptação a novos desafios, a procura de novas formas de ganhar a vida mais ligadas ao empreendedorismo são inevitáveis. Até porque se a concorrência entre trabalhadores já hoje é grande ela tenderá a agravar-se de forma implacável com os níveis de desemprego galopantes entre jovens licenciados que se constata um pouco por todo o lado. É mau, mas é assim que está o nosso mundo.

mais sobre mim
Agosto 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

15




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds