de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 27 Agosto , 2006, 12:12

PARTILHA


Precisava de alguém p' ra partilhar
A alegria que trago no meu peito.
Precisava de alguém a quem contar
Que tudo agora corre do meu jeito.
Precisava de abrir meu coração;
Ver brilhar outros olhos de alegria,
Ver sorrir outro rosto de emoção,
Ter mil amigos a fazer-me companhia.
Mas... estou quase só. Todos estão ocupados.
Ocupados por virtude ou por defeito.
Bebo sozinha, estou quase embriagada.
Tanta emoção já não cabe no meu peito;
Tanta ventura já transborda em minha taça.
Assim não vale. Assim não sabe a nada
Beber sozinha a alegria, não tem graça.

:

In LETRAS & OUTROS OFÍCIOS


Editado por Fernando Martins | Domingo, 27 Agosto , 2006, 08:30



“Completando o curioso cenário, o tribunal alegou que as actividades concretas da praxe não ultrapassaram a ‘normalidade’. Ficou, assim, a saber-se que, para a instância judicial em causa, de que resta a esperança de que esteja isolada no seus critérios de análise, forçar uma estudante a simular orgasmos com os mais diversos objectos e para gáudio de uma plateia de cidadãos cujo direito a boçalidade deve ser protegido é algo que não esbarra no mais elementar conceito do senso comum. Pior do que a impunidade que cava o silêncio de quem preferiria não se ver obrigado a resignar-se a uma prática primata que se disfarça sobre as nobres vestes da tradição, é perceber que quem teria o dever de fazer julgamentos sérios e ponderados também alinha no jogo. É mais um sinal de que, nos meandros do sistema judicial, prolifera a normalidade.”


João Cândido da Silva,
no PÚBLICO de ontem

Editado por Fernando Martins | Domingo, 27 Agosto , 2006, 07:59

A palavra do Senhor
acompanhada por uma bica
e uma tosta mista
:::
Quando acaba a adoração, depois dos cânticos e dos momentos de reflexão e do pai-nosso e de todos terem louvado ao Senhor, os fiéis não se vão logo embora. Aproveitam para beber um café, para comer uma fatia de bolo caseiro ou um croquete que sabe mesmo a carne, para discutir os últimos desaires do Benfica, para contar as diabruras dos miúdos. Atrás do balcão, Lina e António estão atarefados. A aparelhagem toca, baixinho, uma música que fala de fé enquanto, na pequena capela ali ao lado, há quem continue de mãos postas a rezar.
São assim as tardes de sábado no Café Cristão, na Amora, Seixal. Inaugurado a 24 de Junho, com a presença e a bênção do bispo de Setúbal, o primeiro Café Cristão da Península Ibérica está ainda em fase de arranque: o calor levou a maior parte dos fiéis para a praia e as acções de divulgação só agora estão a começar. "Lá para Outubro esperamos já estar a funcionar em pleno", garante António Andrade, que, com a sua mulher Lina, gere o espaço.
Por agora, o café é ainda uma curiosidade. Os miúdos do bairro aparecem para comprar guloseimas e para brincar um pouco no espaço infantil. Há quem entre, veja tudo, comente que está muito bonito e vá embora. Há quem nunca tenha ido à missa mas venha aqui tomar café depois do almoço. Na segunda semana de funcionamento um grupo de peregrinos espanhóis entrou por ali dentro num alvoroço: vieram a Fátima mas, como encontraram a indicação do café no site do Vaticano, decidiram ver do que se tratava. "São todos bem-vindos", garante Lina. "Temos aqui pessoas muito diversas, ateus, católicos e de outros credos. É muito bonito."
:
Foto do DN
:
Leia mais no DN

Editado por Fernando Martins | Domingo, 27 Agosto , 2006, 07:48

A Palestina:
um problema
teológico?

Em 1977, em Jerusalém, tendo-lhe observado que mais cedo ou mais tarde os judeus teriam de partilhar Jerusalém com os palestinianos, um funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita atirou-me: "Nunca! Não esqueça que esta terra nos foi dada por Deus há três mil anos!" Já antes me tinha confessado que era ateu, mas formara os filhos no conhecimento da Bíblia e celebrava a Páscoa como está determinado. E eu percebi melhor como tantas vezes a religião não passa de cimento ideológico político. De facto, sobretudo desde a fundação do Estado judaico, há dois povos com a consciência de que a Palestina lhes pertence, respectivamente, há três mil e quase 1400 anos: os judeus reportam-se ao reino de David e Salomão - ano 1000 a. C. - e os palestinianos à conquista pelos árabes em 636 d. C.
Desde o século XIX, o movimento político sionista lutou por um Estado para o povo judeu - pensou-se na Palestina e também noutras regiões. Assim, embora a tenha apressado, o Holocausto não foi a causa da criação do Estado judaico. Em 29 de Novembro de 1947, por maioria sólida e com o beneplácito dos Estados Unidos e da antiga União Soviética, as Nações Unidas aprovaram a divisão da Palestina em dois Estados: um Estado árabe e um Estado judaico, com fronteiras claras, a união económica entre os dois e a internacionalização de Jerusalém sob a administração das Nações Unidas. Note-se que, apesar de a população árabe ser quase o dobro e os judeus estarem então na posse de 10% do território, ficariam com 55% da Palestina.
O mundo árabe rejeitou a divisão. Mas, à distância, mesmo admitindo a injustiça da partilha e suas consequências - é preciso pensar na fuga e expulsão dos palestinianos -, considera-se que a recusa árabe foi "um erro fatal" (Hans Küng). Isso é reconhecido hoje também pelos palestinianos, pois acabaram por perder a criação de um Estado próprio soberano pelo qual lutam. Em 15 de Maio de 1948, terminava o mandato britânico sobre a Palestina e Ben Gurion proclamou o Estado de Israel. A resposta árabe (palestinianos e Estados árabes vizinhos) não se fez esperar, e deflagrou a primeira de seis guerras. Entretanto, o Estado de Israel continua a não ser aceite por muitos árabes e há judeus que acalentam a tentação do sonho de um Estado que abrangesse toda a Palestina. E aí está um dos focos principais de instabilidade mundial.
:
Leia mais em DN

mais sobre mim
Agosto 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

15




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds