de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Agosto , 2006, 23:02

Jacinta lança amanhã um novo álbum

Amanhã, dia 22, Jacinta apresenta em Vilamoura um novo álbum -"Daydream". É uma oportunidade para ouvir um timbre quente, aveludado, poderoso, afiança a Rádio Renascença.
"O novo disco da cantora, que tem recolhido o aplauso da crítica nacional e internacional, foi gravado em Nova Iorque com o grande saxofonista norte-americano Greg Osby. Mais uma vez, traz a chancela da prestigiada Blue Note. Jacinta foi a primeira portuguesa a integrar o valiosíssimo catálogo do selo, com o disco "Tributo a Bessie Smith".

:

Fonte: RR


Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Agosto , 2006, 11:34
:::
D. FREI MIGUEL DE
BULHÕES E SOUSA
(1706 – 1779)


“D. Frei Miguel de Bulhões e Sousa (1706 – 1779)” é o mais recente livro do historiador aveirense Amaro Neves. Trata-se de uma obra que vem na linha de muitas outras que escreveu sobre a região aveirense, todas ligadas à história, com predominância para a história da arte. Com ela, Amaro Neves recorda o “Emérito Bispo Aveirense – Governador do Grão-Pará e Maranhão”, que nasceu no lugar de Verdemilho a 13 de Julho de 1706, do então Bispado de Coimbra.
O autor mostra-nos, nesta obra, “o essencial de uma personalidade portuguesa”, que “foi titular de bispados em três continentes – Ásia, América e Europa – como figura marcante da sua época, na Igreja e no Império Português".
Ler este livro de Amaro Neves é ficar a conhecer a vida e a obra deste bispo aveirense que estava esquecido no tempo, mas também o meio económico e social de S. Pedro de Aradas, freguesia a que pertence Verdemilho, bem como o contexto e a evolução regionais, no princípio do século XVIII.
A família e o nascimento de Miguel José, o seu núcleo familiar e a educação que recebe até à entrada nos Dominicanos, onde é ordenado sacerdote, são temas abordados pelo autor, que permitem ao leitor ficar por dentro do pensar e do viver na época em que cresce e se forma o jovem que há-de chegar longe.
Amaro Neves conduz-nos depois, com inúmeras referências e transcrição de vários documentos, até à ordenação de D. Frei Miguel como Bispo de Malaca, à sua nomeação como Bispo-coadjutor de Belém do Pará, acabando por embarcar para o Brasil como efectivo Bispo de Belém do Pará, onde reabre o seminário diocesano e desenvolve acção pastoral meritória.
O historiador, que vive em Aradas há mais de 25 anos, transporta-nos, neste seu livro, aos ambientes e trabalhos de D. Frei Miguel de Bulhões no Brasil, quer como prelado, quer, também, como Governador, cargo que exerceu durante cerca de quatro anos, sempre bem apoiado em documentação que pesquisou com o cuidado a que nos habituou.
Depois, podemos acompanhar o autor até Leiria, onde o emérito bispo aveirense assumiu o Bispado de Leiria entre 1761 e 1779, ano da sua morte. Neste capítulo, é interessante ficar a conhecer facetas da sua personalidade e acção pastoral. “De qualquer maneira, o emérito Bispo de Leiria continua indelevelmente ligado ao passado e à imagem da cidade [Leiria], apesar de ter andado um tanto esquecida a sua memória, por um complexo conjunto de circunstâncias, ainda que dele se tenha deixado um retrato psicológico e episcopal de justo apreço”, salienta Amaro Neves.
D. Frei Miguel de Bulhões e Sousa, nos horizontes da memória; Sinopse cronológica da vida e obra de D. Frei Miguel de Bulhões e Sousa; e Anexo documental completam este livro, que sai enriquecido, ainda, com bastantes indicações bibliográficas e fontes manuscritas, e com 26 fotografias inseridas no texto, muito elucidativas.


Título: D. Frei Miguel de Bulhões e Sousa (1706 – 1779)
Autor: Amaro Neves
Editor: ADERAV/Junta de Freguesia de Aradas
Fotografia (Leiria/Verdemilho): M. Fernanda G. Neves
Páginas: 160

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Agosto , 2006, 11:23
:::
Museu Marítimo de Ílhavo: Salina

Agora que as marinhas de sal estão a ficar motivo de museu, pese embora o facto de algumas funcionarem para turista ver ou pela teimosia, bem intencionada, de certos proprietários ou marnotos, é bom recordar o que foi a safra do sal. O turista, ou o interessado no passado, pode muito bem apreciar imagens como esta, para ficar a saber mais alguma coisa de interessante.



Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Agosto , 2006, 11:13

Papa diz que muitas ocupações podem levar à dureza do coração

Bento XVI criticou ontem o activismo que ameaça o homem moderno e defendeu a importância da experiência do silêncio e da contemplação.
“É necessário livrar-se dos perigos de uma actividade excessiva, qualquer que seja a condição e cargo desempenhado, porque as muitas ocupações levam muitas vezes à dureza do coração”, explicou.
Antes da recitação do Angelus deste domingo em Castel Gandolfo, o Papa XVI falou de São Bernardo de Claraval, grande Doutor da Igreja que viveu entre os século XI e XII. Foi eleito abade do mosteiro cisterciense de Claraval aos 25 anos de idade, permanecendo à sua frente durante 38 anos até à sua morte. A dedicação ao silêncio e à contemplação não o impediu de desempenhar uma intensa actividade apostólica.
Recordando a figura de São Bernardo, Bento XVI falou da sua exortação a Eugénio III, o Papa daquela época, ao qual o monge escrevia que do activismo excessivo apenas deriva sofrimento do espírito, extravio da inteligência, dispersão da graça. “A admoestação – salientou – vale para todo o tipo de ocupação, mesmo aquela inerente ao governo da Igreja”.
A concluir, o Papa invocou da Virgem Maria “o dom da paz verdadeira e duradoura para o mundo inteiro”.
:
Fonte: Ecclesia

mais sobre mim
Agosto 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

15




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds