de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Agosto , 2006, 16:26

ENTREGA DOS TRABALHOS
ATÉ DIA 9 DE SETEMBRO


No âmbito do Programa "Sorria - Jornadas da Ria de Aveiro, a Câmara Municipal de Aveiro informa que o Concurso de Fotografia “A ver a Ria” se encontra a decorrer até ao dia 9 de Setembro.
Com o objectivo de promover a Ria de Aveiro e permitir que as mais diversas pessoas possam mostrar um novo olhar sobre a mesma, a Câmara Municipal de Aveiro e as Juntas de Freguesia de Aradas, Cacia, Esgueira, Glória e Vera Cruz promovem um concurso de fotografia intitulado “A ver a Ria”.
O concurso de fotografia “A ver a Ria” surge no âmbito do programa “Sorria – Jornadas da Ria de Aveiro” que tem como principal objectivo sensibilizar os aveirenses para o património cultural e natural que é necessário proteger, revitalizar e promover – a Ria de Aveiro.
:
Leia mais em CMA

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Agosto , 2006, 16:16

Os momentos
luminosos


O mundo rola com os seus dramas e progressos, na história que prossegue em cada minuto, indiferente aos tropeços de fundo ou de circunstância que cada tempo propicia. O tempo de Verão, entre nós mais institucionalizado como de férias, origina situações pessoais e sociais de grande complexidade. Teoricamente é um tempo de encontro também para as famílias que passam grande parte do ano distantes dos idosos com a patriótica desculpa que o trabalho está acima de tudo. Essa frase deve ser particularmente irritante para aqueles que levaram uma longa vida de trabalho e, agora, mesmo na circunstância (excepcional) duma reforma desafogada, sentem o acumular da solidão, da aparente inutilidade e da falta de resposta para uma pergunta estimulante em cada dia: o que tenho hoje para fazer?
A esperança de vida como que se voltou contra a própria vida ao oferecer tempo de sobra para nada fazer. E se os governos se inquietam a fazer contas com pouca gente jovem a trabalhar para muitos idosos, mais complexa é a teia de sofrimentos oriundos duma vida que parece ter perdido o sentido.
E não é fatal que assim seja. As contas da natalidade são, por vezes, mal feitas no mundo com maiores recursos. A perspectiva do que é útil ou inútil padece frequentemente de desfoques imediatistas, esvaziados de perspectiva. E os afectos familiares dissipam-se, quantas vezes, por redundância de objectos que se tornam substitutos de pessoas. Não é fatal que o prolongamento de vida gere a maldição da tristeza e do isolamento. Os momentos luminosos de cada existência projectam-se nos tempos onde parecem imperar as sombras. Não é uma teoria de circunstância dizer que a velhice se prepara com o mesmo empenho e carinho com que se prepara o apogeu da vida. A cena da Transfiguração descrita nos Evangelhos transporta-nos a essa luminosidade transcendente de Jesus que no seu próprio coração e no dos discípulos encontrou sentido para as etapas da morte e da ressurreição. Ninguém entende a sua vida sem a referência aos grandes tempos luminosos da sua existência. E em boa verdade ninguém pode dizer que os não viveu.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Agosto , 2006, 12:35
Museu de Aveiro:
"Mulheres da região de Aveiro",
aguarela de Alberto de Sousa

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Agosto , 2006, 08:57


NAUFRÁGIO

Não era por mal…
A onda que vinha
não vinha por mal.

Mas veio, mas veio…
E logo a barquinha
partiu pelo meio.

Nem homens, nem velas.
– : Quanto a bordo ia,
com fé abalara,
morreu já sem ela.

Mas, se a onda veio,
não veio por mal:
era irmã daquela
que chegou à praia,
que embala barquinhos
de meninos pobres.

Os meninos brincam.
Navegam em barcos
feitos de cortiça,
feitos de jornal.
Quase à mesma hora,
longe, os pais naufragam
sem nenhuma ajuda.

Mas não é por mal…

::
In "Cabo da Boa Esperança"

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 08 Agosto , 2006, 08:14
Homem do Leme, foto de "Faina Maior",
de Francisco Marques e Ana Maria Lopes
::

Museu Marítimo
com entradas
gratuitas hoje

::
O Museu Marítimo de Ílhavo comemora, hoje, o seu 69º aniversário com a inauguração de uma exposição que fará um «Tributo aos Homens que foram para o Bacalhau». Durante o dia de hoje, as entradas são gratuitas, das 10 às 24 horas, como forma de assinalar a data.
O Museu Marítimo de Ílhavo nasceu no dia 8 de Agosto de 1937, começando por assumir uma vocação etnográfica e regional. Constitui o testemunho da forte ligação dos habitantes de desta terra ao mar, e à Ria de Aveiro. Este museu constitui, no edifício que habita deste Outubro de 2001, um belo exemplar da arquitectura moderna em tons de preto e branco.
As comemorações deste 69º aniversário têm início às 18 horas, com a inauguração de uma exposição temporária denominada «Caixa da Memória – Tributo aos Homens que foram ao bacalhau» (instalação e fotografia). Trata-se de um memorial em forma de cubo, onde estão presentes centenas de rostos de protagonistas da «faina maior» (pesca do bacalhau à linha com dóris de um só homem) e respectivos nomes. Esta ideia invulgar, inovadora, e intensa, resultou de um processo de restauro e digitalização do espólio de 20 mil fotografias e fichas de tripulantes de navios bacalhoeiros.
:
Leia mais no Diário de Aveiro

mais sobre mim
Agosto 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

15




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds