de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 22 Maio , 2008, 09:04
Os problemas da fome e da subalimentação voltaram a ser notícia de primeira página. As pessoas responsáveis sabem que estes problemas nunca deixaram de existir, com gravidade extrema, e que o seu agravamento actual era previsível. Sabem igualmente que se têm desenvolvido esforços meritórios para os resolver, e sabem, tragicamente, que não se conhecem estratégias válidas para que eles sejam erradicados.
Em relação à fome em Portugal, ainda não assumimos, responsavelmente, o problema; nem nós, cidadãos, nem o Estado nem a maioria das instituições. Em contrapartida, a acção social da Igreja e alguns contributos não confessionais oferecem uma proposta parcial, bastante simples, que poderia generalizar-se facilmente a todo o país. Ela foi apresentada, há cerca de vinte e cinco anos, nas primeiras semanas nacionais de pastoral em Fátima, e visava todos os problemas sociais.
Segundo esta proposta, a acção social deveria visar quatro objectivos fundamentais: - a assistência, a promoção, o desenvolvimento e a transformação social. Aplicando os quatro objectivos às situações de carência alimentar no país, parecem recomendáveis três linhas de acção: - a resposta imediata (de natureza assistencial); a cooperação para a autonomia pessoal alimentar; e a intervenção no desenvolvimento local. - A resposta imediata consiste em «dar de comer a quem tem fome»; a cooperação para a autonomia respeita ao contributo para que as pessoas carenciadas encontrem soluções, não dependentes de outrem, para a superação de suas carências, não caindo na habituação nem no oportunismo; e a intervenção no desenvolvimento local deveria traduzir-se na criação de condições para se evitarem tais carências. Naturalmente, estas linhas de trabalho social não se podem limitar ao âmbito local; mas dificilmente produzirão resultados consistentes se não começarem por aí.
Limitando-nos, por ora, só às respostas imediatas - «dar de comer» - justifica-se formular as seguintes questões: - Existem razões válidas para que não se crie, em cada freguesia ou paróquia, um grupo de voluntariado social de proximidade (com representantes das diferentes zonas), que tome conhecimento de cada situação de carência alimentar, e desencadeie as iniciativas imediatas para a superar? Existem razões válidas para que esse grupo, a junta de freguesia, a paróquia, as instituições sociais públicas e particulares, os cafés e restaurantes, outras empresas e tantas outras entidades não dêem as mãos para que ninguém passe fome e para que sejam bem aproveitados os excedentes alimentares? Existem razões válidas para que não se intervenha junto das autarquias locais, de organismos da administração pública central e do próprio Governo, a fim de que também eles se comprometam seriamente na erradicação de tão grave flagelo? Felizmente, já é significativo o número de entidades que, a par dos bancos alimentares contra a fome, actuam deste modo; importa que congreguem seus esforços, e que o movimento contra a fome se difunda por todo o país.

Acácio Catarino

Fonte: Correio do Vouga

mais sobre mim
Maio 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO