de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 08 Julho , 2009, 10:32
Moliceiro
.
NO CENTRO DO MUNDO
.
Agora, num tempo de mais serenidade, de certo relaxamento até, a saborear as delícias do Verão, na antecâmara das férias, deixa a memória divagar.... E, não é raro ocorrerem-lhe à mente, recordações dos seus tempos de estudante! Sinal de velhice, em que o espírito se compraz na evocação da juventude? Será, mas não lhe dá muito crédito!!!
Quando na década de 60 do século passado, iniciou os estudos no venerável L.N.A, Liceu Nacional de Aveiro, deparou com um pequeno, que na altura se configurava como grande problema – o seu linguajar de “Gafanhota”, pois era este o gentílico utilizado para nomear os habitantes da Gafanha.
A esse tempo, o Liceu era frequentado por uma elite social, da qual não fazia parte aquela aluna! Seria, digamos assim, a excepção que sempre confirmou a regra.
Daí, que o seu discurso oral fosse, marcadamente, de cariz regionalista, destoando da linguagem urbana e mais padronizada das suas colegas de turma. Sentiu isso na pele, pois ainda não estava reconhecido como agora, o valor das especificidades linguísticas locais. Ainda se lembra da vergonha que passou, quase se sentindo marginalizada, por usar um léxico e uma dicção típicas da gente da beira-mar.
Hoje, tudo mudou! “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades...”, parafraseando Camões! A prova está, na recente publicação do livro “Língua e Costumes da Nossa Gente”, em que o tema central é a recuperação e fixação por escrito, dos regionalismos das referidas épocas passadas, antes de os mass media terem uniformizado a língua portuguesa.
Nunca a teacher se assumiu como Gafanhota e a palavra Gafanhão também não lhe soa muito bem! Associa-a a fanfarrão, comilão, aldrabão! E por que razão não se chama pela mesma lógica, Ilhavão ao habitante de Ílhavo? Aveirão ao de Aveiro? Portão ao do Porto? Ilhavense, Aveirense, Portuense, assim mandam as regras! Então, chamemos aos nativos das Gafanhas, Gafanhenses, para evitar conotações pejorativas e mal sonantes!
Contudo e apesar desta dissertação sobre o termo Gafanhoto, este ainda perdura na memória de todos, especialmente dos professores. É uma palavra que soa a música e é pronunciada com muito agrado e algum sentido de urgência! Sim, sobretudo a determinada hora do dia, especialmente quando se aproxima a hora do almoço! Gafanhoto foi preterido como gentílico e passou a designar um local que fica no CENTRO DO MUNDO! Assim dizem os cartazes publicitários que anunciam o local de repasto, situado nas imediações de duas escolas, na Gafanha da Encarnação. É uma palavra muito grata aos professores, que se organizam em peregrinação, para irem saciar a sua fome, no mais literal sentido da palavra. Dada a proximidade da escola, nem precisam de autocarro para a sua devoção... vão a pé e em jejum, para receberem a bênção dos deliciosos petiscos, lá confeccionados!
É isso mesmo, aquele restaurantezinho aconchegado com vistas para o norte, nascente, sul e poente, numa orientação solar magnífica que a todos seduz. É ali que os docentes vão recobrar energias e fazer uma pequena pausa, depois de uma manhã a dar cabo das cordas vocais e... do sistema nervoso central!
Honra seja feita ao Sr Paulo e Dª Gina, pois saciam aquelas famintas criaturas com a simpatia e eficácia que são já, marca da casa!
Sucede em catadupa, no filme mental, aquela variedade de pratos que fazem as delícias dos comensais. E... aquele caldo feijão, evocando memórias antigas, numa tentativa de recuperação da gastronomia gafanhense do século passado? Ah! Quem não gosta de saborear o prato, único, mas substancial, que os lavradores comiam antigamente, depois da árdua freima dos trabalhos agrícolas?
E para dar um toque cosmopolita ao local, os donos ainda acumulam a virtude de serem falantes da língua de Sua Majestade, a rainha Isabel II, sendo a Dº Gina uma exímia praticante!
Que melhor ambiente para a teacher se sentir como peixe na água, em todos os sectores da sua vida? Ali mesmo... naquele centrinho do universo, onde o stress docente... faz uma pausa para almoço!

Mª Donzília Almeida
05.07.09

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Julho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds