de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 27 Junho , 2007, 09:59
POLÍTICA E SALA DE JOGOS



Os tempos nunca correm numa direcção única. Nem - porque são tempo - chegam e partem com a velocidade dum relâmpago. Os sinais esboçam-se, desenham-se, insinuam-se, revelam-se, interpretam-se. E nada é unívoco ou instantâneo por muito lentas ou velozes que se revelem as épocas. Mas chegar a tempo aos sinais dos tempos é fundamental para os ler e interpretar. Filtrá-los apenas pelos ângulos experimentais ou pelos afectos imediatos é impor ruído ao que deve ser escutado no silêncio ou perturbação ao que merece ser visto com serenidade, ou neblina ao que exige transparência. Que se passa entre nós num tempo - no nosso - que emite sinais por vezes contrários, confusos, carregados de objectivos claros para quem os lança e imprecisos para quem os observa? O atropelo de factos políticos, sociais, culturais, de interesses corporativos secretos ou não, vai criando camadas de interpretações entre a ingenuidade e a desconfiança. E com a torrente de jogos conhecidos e desconhecidos na vida pública, fica o cidadão médio à mercê dos comentadores, intérpretes desses signos que emergem de muitas direcções.
A pressa compulsiva com que se desenrolou a regulamentação sobre o aborto na sequência do referendo, as leis que se precipitam sobre a assistência religiosa nos hospitais e prisões, o anteprojecto que se lançou para "pluralismo e independência na comunicação social", o ataque cerrado à acção da Igreja no campo social, muito dificilmente nos deixam tranquilos sobre as intenções últimas dos nossos legisladores que alimentam um complexo de desconfiança face à confissão religiosa mais antiga e representativa em Portugal - a Igreja Católica - esquecidos que lá nasceram e aprenderam a ser gente. A sequência de afrontas é óbvia, a arrogância é clara. Como que a pedir uma guerra declarada, nova letra para os velhos hinos jacobinos. Os sinais da armadilha que alguns sectores alimentam são óbvios.
Mesmo assim importa não perder nem a paciência nem a capacidade de diálogo. Estamos numa sociedade em mudança. Mas onde navegam muitos oportunistas que continuamente pedem música para as suas danças. Esta tensão é real. Mas nem por isso dispensa a escuta e a tolerância. Mesmo para com os intolerantes de capa falsa. Importa (porém) que o povo se aperceba do que acontece e não veja apenas a casa arrombada quando se encerra um Centro de Saúde ou uma Maternidade.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Junho 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15

18

25


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds