de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 17 Maio , 2009, 10:41
BACALHAU EM DATAS - 21


Estaleiros Mónica

TOCA A MARCHAR!...

Caríssimo/a:

Seja-me permitido interromper a cronologia; curta pausa para recordações gratas e saudações um pouco desajeitadas a uns senhores que por estas águas têm navegado e, a propósito, trazer para junto de nós a nossa Aveiro e o caro Timoneiro.
Estive para recortar o texto, mas ficaria como batatas sem sal!
Então no Timoneiro, de Setembro/90, na série dedicada a «ETNOGRAFIA & COOPERAÇAO» podemos ler:

«TOCA A MARCHAR

Conforme ficou prometido, continuamos neste número a republicar letras de marchas sanjoaninas da Gafanha da Nazaré. Desta feita, calha a vez a Cale da Vila.
Parece o nome derivar do lugar estar situado junto a uma cale ou caminho de água, canal fundo, esteiro, que conduzia à vila, talvez a vila de Aveiro, elevada a cidade em 1759, no tempo do Marquês de Pombal, o que faz remontar as origens da Cale da Vila pelo menos no nome· a antes da segunda metade do século XVIII.
São referidas habitações sazonais, isto é precárias ou apenas existentes em períodos de trabalho, como as fainas da recolha do sal ou da pesca de companha, desde o tempo de D. Dinis, havendo documento de seu filho Afonso IV, o do reconhecimento das Canárias, que refere construção de barcas, barinéis ou caravelas para a pesca e comércio.
Também se sabe da importância de Aveiro e decerto das suas redondezas gafanhosas, mesmo "avant la lettre», resultantes da primeva exploração da TERRA NOVA DOS BACALHAOS, que se seguiu a descoberta dessa costa do nordeste americano.
Mas o que já é menos discutível e confirmado por documentos e testemunhos de vivos de provecta idade é, por exemplo, a construção do navio ADÍLIA nos terrenos marginais da Cale da Vila pelo pai do celebrado Mestre Mónica, em 1890.
Claro que nunca será demais realçar o facto de ser na Cale da Vila que existiram as primeiras indústrias, mesmo que algo artesanais, como era possível e costume na época, sobrelevando a todas a indústria da secagem de peixe, as famosas secas do bacalhau, bem como a construção de barcos de madeira do também famoso Estaleiro Mónica.
O que já não será muito conhecido pela grande maioria dos leitores são alguns dos seguintes curiosos eventos:
se na Cambeia havia um moinho de vento - o do Conde - para moer o milho dos lavradores, o que é certo é que Mestre Mónica também tinha nos seus estaleiros uma grande moagem, em que aproveitava a força motriz dos mesmos motores que ajeitavam a madeira para os seus lugres.
Deve ser conhecido de alguns o facto de haver um senhor Chico que foi durante a sua vida o chefe da dita moagem, como prova de reconhecimento e pedido de desculpas do patrão.
Também na Cale da Vila, depois do Casqueirita, nasce o teatro, o cinema mudo, depois o sonoro, algumas cegadas do senhor José Melro e de Júlio d'Aveiro, este um, autêntico poeta popular.
É, aliás, de sua autoria a bonita letra da marcha hoje divulgada.
E de recordar ainda uma certa vaidade, ou natural ou devida ao desenvolvimento económico,que muitos dos mais velhos recordam em relação aos do lugar de que estamos a falar. Parece que a Cale da Vila era a Gafanha por antonomásia, sendo os outros lugares da Gafanha simplesmente a Nazaré. Outros informadores têm-me dito que a Cale da Vila era mesmo a Cale da Vila e do resto pouco se falava, metendo-se todos os outros lugares no mesmo saco.
O que é verdade é que aquando da elevação desta nossa Gafanha total à categoria de vila, em 1969, teria havido polémica sobre o que é que deveria ser vila e o que não, mas tudo se resolvera a contento de todos, podendo afirmar-se que mesmo autarcas desta freguesia que poderiam puxar a brasa à sardinha da VILA apenas na Cale ... lutaram para que a Gafanha da Nazaré fosse por inteiro considerada mais importante que aldeia. Um dos vereadores da Gafanha que lutaram ao lado da Junta a favor desta solução era habitante desse importante lugar. Mas lutou por todos.
Um outro do mesmo recanto chegou a fazer a oferta de 500 contos - ao tempo uma pequena fortuna ­ para a grande festa do acontecimento (pois tudo foi organizado) mas parece que a ordem de se fazer essa festa está ainda por chegar.
Resta desejar a todos os daquele lugar da Gafanha as maiores felicidades e a continuação de grandes venturas na aventura do progresso económico. Mas não só. Para que o homem não «viva só de pão», mas se alimente também de outros valores é que publicamos estas marchas populares.
A letra foi, como dissemos, feita por Júlio de Aveiro, sendo a música da autoria do senhor Dionísio Marta, tão de todos conhecido.
Trata-se do ano .. folclórico de 1967.

I
S. Pedro S. João, lá das alturas
Venham ver a Cale da Vila saltitar
Esqueçam, como nós as amarguras
Da nossa marcha venham partilhar

A festa, só p'ra vós foi preparada
Reparem como é bela a tradição
Fogueiras e balões, festa animada
Em honra de S. Pedro e S. João

ESTRIBILHO

Tudo cintila
Com luz e cor
A Cale da Vila, mostra todo o seu valor
Com todo o ardor
Só mais pedia
PAZ E AMOR para a sua freguesia

II
As secas com o seu esplendor
A Cale da Vila tem ao seu abrigo
Onde os raios de sol, com o seu calor
Preparam para nós FIEL AMIGO

Se vissem, ó S. Pedro e S. João
O quanto é bela a nossa marginal
Veriam como aqui se ganha o pão
Honrando o nosso querido Portugal!

ESTRIBILHO
Tudo cintila, etc. etc.

III
Fazem.-se os navios nos estaleiros
Traineiras, Arrastões, sua beleza
São nossos, muito nossos seus obreiros
Orgulho desta faina Portuguesa

S. Pedro, S. João abençoai
O povo desta aldeia tão modesta
Que sabe trabalhar, mas hoje vai
Trazer a freguesia toda em festa

ESTRIBILHO
Tudo cintila etc.

OLlVEIROS LOURO e MARCOS CIRINO»

Aqui fica a minha homenagem e o meu abraço

Manuel

mais sobre mim
Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO