de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 23 Janeiro , 2007, 10:17


ONDE ESTÁ
O INIMIGO PRINCIPAL?
::


Quem chegasse de fora e seguisse os nossos Media, pensaria que nos encontramos em estado de alerta para qualquer coisa. Cá por dentro percebemos que se vive um momento de debate sobre o aborto e se prepara um referendo. Na nossa vida democrática já vimos e ouvimos muitos discursos dramatizados nas proximidades da votação. Temos presente a imagem de políticos e partidos que se apresentaram às urnas como inquestionáveis ganhadores e, no dia seguinte às eleições, tanto vencidos como vencedores reconheceram a teatralidade dos comícios como encenação hiperbólica de quem dramatiza, tendo presente a distância e o desconto entre o discurso inflamado e a realidade. Os políticos já se conhecem no campo de luta e em seguida na partilha do croquete diplomático e de encenação civilizada.
Caminhamos nessa direcção. Os argumentos de um e outro lado - sim e não ao aborto - ganham o ponto de inflamação duma normal campanha política com o empolgamento das razões dum e doutro lado a ultrapassarem o somatório técnico de argumentos para se votar no dia exacto numa ou noutra proposta.
Mas desta vez não há muitos partidos para eleger. Nem muitas opções para seleccionar. Há o sim e o não ao aborto. Por muito que se diga, em argumentos científicos, técnicos, sentimentais ou morais, coloca-se em jogo abrir à sociedade a lógica de praticar o aborto como acto individual apoiado pelo colectivo, ou como atitude colectiva de recusa ao aborto no respeito pelo drama que cada casal (é disso que se trata) possa viver na escolha que faz sobre o ser que gerou.
Para quem defende o aborto, o inimigo é uma pessoa em formação. A gestação, nascimento e evolução são o obstáculo que, segundo os que defendem o aborto, legitima a suspensão violenta do seu crescimento e chegada à luz na vida. Aqui está o cerne do sim ou do não. O resto - aparentes tolerâncias, compaixões, apoios e gestos liberais para quem expulsa do caminho da vida um ser humano - são aconchegos de linguagem para a via mais fácil de resolver o grave problema da vida com um gesto apressado de morte. Aqui esbarra a consciência de qualquer ser humano - ateu, amoral, de ética estreita ou larga, de humanidade escrupulosa ou permissiva. Está escrito no ser, não legislado por qualquer moral de circunstância. Não há muito por onde fugir.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

20

22
27



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds