de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 12 Maio , 2010, 19:51

 

Bento XVI com gente da cultura:

 

 

É preciso manter desperta a busca da verdade

 

Foi com grande emoção, contida com esforço, que ouvi hoje, ao vivo, o Santo Padre Bento XVI, no principal auditório do Centro Cultural de Belém (CCB).

Um silêncio profundo encheu a sala antes da entrada do Papa, e quando «o homem vestido de branco» assomou ao pano de fundo do palco, os aplausos explodiram de alegria.

Não era o filósofo apresentado nos mais recentes debates e escritos nem o teólogo proclamado ainda antes de se sentar na cadeira de Pedro. Não era o alemão frio e tímido que toca piano e se debruça sobre os clássicos. Não era o Papa fechado sobre si mesmo e que come à mesa sozinho. Não era o homem carismático continuamente comparado com o seu predecessor João Paulo II. Quem chegou afinal?

Chegou ao CCB o sucessor de Pedro, o que traiu o Mestre, mas a quem Jesus recomendou que nos confirmasse na fé; chegou o continuador da cadeia apostólica, que carrega aos ombros as certezas e dúvidas das comunidades católicas em caminhada de busca e de aprendizagem da vivência da compaixão e do perdão; chegou o pastor universal com a missão de guiar todos os homens e mulheres de boa vontade rumo a uma sociedade mais fraterna.

 

Não sei que mais destacar: se o ambiente que no CCB nos envolvia; se os olhares que trocávamos com conhecidos de outras tarefas; se a sensação de estar a cumprir um sonho de me encontrar, quase face a face, com o Santo Padre; se a alegria generalizada das centenas de pessoas presentes, crentes e não crentes; se a notória e estimulante juventude dos dois protagonistas deste encontro: dois homens idosos que são exemplo para o mundo inteiro — Bento XVI e Manoel de Oliveira. Optei por destacar esta última condição.

O Santo Padre, na sua mensagem, foi o que se esperava. Directo ao assunto, com a verdade do que crê e como crê.   «A dinâmica da sociedade absolutiza o presente, isolando-o do património cultural do passado e sem a intenção de delinear um futuro. Mas uma tal valorização do “presente” como fonte inspiradora do sentido da vida, individual e em sociedade, confronta-se com a forte tradição cultural do Povo Português, muito marcada pela milenária influência do cristianismo, com um sentido de responsabilidade global, afirmada na aventura dos Descobrimentos e no entusiasmo missionário, partilhando o dom da fé com outros povos.»

Referiu que «O ideal cristão da universalidade e da fraternidade inspiravam esta aventura comum, embora a influência do iluminismo e do laicismo se tivesse feito sentir também. A referida tradição originou aquilo a que podemos chamar uma “sabedoria”, isto é, um sentido da vida e da história, de que fazia parte um universo ético e um “ideal” a cumprir por Portugal, que sempre procurou relacionar-se com o resto do mundo».

E a finalizar disse: «Caros amigos, a Igreja sente como sua missão prioritária, na cultura actual, manter desperta a busca da verdade e, consequentemente, de Deus; levar as pessoas a olharem para além das coisas penúltimas e porem-se à procura das últimas. Convido-vos a aprofundar o conhecimento de Deus tal como Ele Se revelou em Jesus Cristo para a nossa total realização. Fazei coisas belas, mas sobretudo tornai as vossas vidas lugares de beleza. Interceda por vós Santa Maria de Belém, venerada há séculos pelos navegadores do oceano e hoje pelos navegantes do Bem, da Verdade e da Beleza.»

 

Ler Mensagem de Bento XVI, D. Manuel Clemente e Manoel de Oliveira.

 

tags:

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Maio 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9

19




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds