de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Abril , 2010, 20:47

Da intervenção do Presidente da República no Parlamento:

 

 

 

Situações de pobreza e de exclusão

são indignas da memória

dos que fizeram a revolução de Abril

 

 

«A sociedade portuguesa é hoje mais justa do que aquela que existia há 36 anos. No entanto, persistem desigualdades sociais e, sobretudo, situações de pobreza e de exclusão que são indignas da memória dos que fizeram a revolução de Abril.

A sensação de injustiça é tanto maior quanto, ao lado de situações de privação e de grandes dificuldades, deparamos quase todos os dias com casos de riqueza imerecida que nos chocam.

Na minha mensagem, no primeiro dia do ano de 2008, disse: “sem pôr em causa o princípio da valorização do mérito e da necessidade de captar os melhores talentos, interrogo-me sobre se os rendimentos auferidos por altos dirigentes de empresas não serão, muitas vezes, injustificados e desproporcionados, face aos salários médios dos seus trabalhadores”.

Embora este meu alerta não tenha então sido bem acolhido por alguns, não me surpreende que agora sejam muitos os que se mostram indignados face aos salários, compensações e prémios que, segundo a comunicação social, são concedidos a gestores de empresas que beneficiam de situações vantajosas no mercado interno.

Como já afirmei noutra ocasião, na génese da actual crise financeira e económica internacional encontra-se a violação de princípios éticos no mundo dos negócios e a avidez do lucro fácil, a que se juntaram deficiências na regulação e supervisão dos mercados e das instituições financeiras. Os custos sociais traduzem-se hoje em perda de poupanças amealhadas com grande esforço, destruição de empregos, emergência de novos pobres.

As injustiças sociais e a falta de ética são dois factores que, quando combinados, têm efeitos extremamente corrosivos para a confiança nas instituições e para o futuro do País.

A injustiça social cria sentimentos de revolta, sobretudo quando lhe está associada a ideia de que não há justiça igual para todos.»

 

Ler toda a Mensagem aqui

 

 

NOTA: Os propósitos de quem fez o 25 de Abril estavam consubstanciados em três princípios:

 Democratizar, Descolonizar e Desenvolver.

 

Sobre o primeiro pouco haverá a dizer. Vivemos numa democracia em que as liberdades fundamentais são respeitados, no essencial. Sobre o segundo, temos de reconhecer  que a Descolonização foi feita à pressão, sem ter em conta o respeito pelos nossos compatriotas que tudo deixaram nas ex-colónias. Muitos milhares de portugueses regressaram, fugidos, com a roupa que traziam vestida. Foram bem acolhidos, integraram-se, e deram-nos exemplos extraordinários de trabalho, mostrando-nos como se reconstrói a vida. Agora, o terceiro princípio: o Desenvolvimento continua encalhado neste país de muito mar desaproveitado e de gente com fome a ver da praia  o peixe a passar.

 

Muitos  responsáveis da área  política e de outras áreas passa a vida a discutir a falta de liberdades, na imprensa e fora dela,  de justiça e nem sei que mais. Questões também importantes, diga-se de passagem. Mas, meus caros amigos, sobre os dois milhões de pobres, poucas ou nenhumas palavras. Se calhar é por terem a barriga cheia e muito dinheiro nos bolsos.

 

Cavaco Silva alertou para isso, como o tem feito inúmeras vezes. Porém, alguns políticos fazem parte do grupo que engrossa uma máxima muito esquecida: «É-se preso por ter cão e por não o ter». Pois é verdade. Mas eles nem percebem isso. Há gravações para toda a vida. É pena.

 

FM 


mais sobre mim
Abril 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO