de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 10 Abril , 2010, 16:37

 

A boa disposição à mesa

 

 

Participei hoje em mais um almoço-convívio de antigos alunos da EICA (Escola Industrial e Comercial de Aveiro) no restaurante Abílio dos Frangos. De frango só comemos o conhecido arroz malandro ou de miúdos. Saboroso e próprio para abrir o apetite de jovens com uma significativa carga de anos e trabalhos. Disse jovens porque os 36 que ali se juntaram souberam reflectir tempos idos, tal a alegria e o prazer do encontro.

Como não podia deixar de ser, foram evocados, com um minuto de silêncio, os que este ano já não puderem estar connosco. Um deles, o Machado, de Ílhavo, teve esta tarde o seu funeral. Ainda soube do nosso encontro, mas a sua hora de partir para a última viagem sem retorno chegou, neste mesmo dia.

 

Cabelos brancos: selos comuns
:

Também foram lembrados o Arroja e o Pompeu que há meses nos deixaram as suas memórias, como sinal de que a vida tem como meta indiscutível e inegociável a morte terrena. Os crentes, como eu, acreditam que a vida continua de forma gloriosa com a ressurreição.

Depois do arroz malandro, de mistura com conversas sempre apetecidas, na perspectiva de que o futuro se constrói com os alicerces do passado e do presente, veio um cozido à portuguesa com um tinto que casou bem com as carnes e enchidos. Houve quem preferisse o branco e até o verde que, pelos vistos, neste último caso, não matava a sede ao conviva.

 

 

Não faltaram conversas mais profundas
:

Sobremesas com fruta e doces, mais café que completa, muito bem, qualquer refeição que se preze. A conversa continuou como prato principal. Tive então a oportunidade de sugerir que no próximo encontro cada um se apresentasse com uma pequena história, pela positiva, onde as queixinhas das maleitas ficassem fora da mesa da confraternização. Veremos se a moda pega. Gostaria que sim. É que, meus amigos, o melhor que podemos fazer, nas nossas idades, é não acordar as doenças. Deixemo-las sossegadinhas a dormir. Falemos então das muitas coisas boas que a vida ainda nos reserva. Sem stresse, sem ansiedades. Porque a vida tem de continuar a ser vivida.

 

Fernando Martins

 


mais sobre mim
Abril 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO