de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 26 Outubro , 2006, 11:30
Que valores para este tempo?

1. Eis-nos diante da pergunta fundamental: “Que valores para este tempo?” Na resposta clarividente a esta questão poderá está a chave para vermos mais longe o que queremos para o bem de todos. Na interpelação sobre os “valores”, nesta procura de referências que nos conduzam, estará a tábua de salvação da própria vida pessoal e social. É bem verdade que o tempo presente é pouco de questões, “não há tempo” nem interesse para os grandes assuntos, preferindo ler tudo numa óptica pragmática perdendo o sentido do horizonte e do ideal; é, por isso, com toda a pertinência, que esta pergunta é temática oportuníssima de conferência da Gulbenkian no assinalar dos seus 50 anos (www.gulbenkian.pt).
Ainda bem que uma instituição desta estatura nos ajuda a “pensar” sobre as grandes questões do nosso tempo; pena que com a velocidade e contra-informação dos “dias seguintes” parece que nada fica, que custa a frutificar a reflexão, que é “quase em vão” todo o esforço, que é imensa a distância entre o plano teórico e reflexivo de alguns e a comunidade de todos. Será que a questão dos “valores” que diz mesmo respeito a todos? Acreditamos que sim, e que a reflexão ao seu redor cria novos sentidos de pertença, de cultura, de humanidade.
2. Muitas vezes, e diante de tantos problemas sociais, pretende-se chegar a soluções rápidas mas sem estar resolvido o alicerce de toda a construção. Tantas vezes, por parecer mais prático ou corresponder a visões ideológicas unilaterais, preferimos o “erro” em detrimento do sentido do ideal pessoal e social que terá como bem supremo a dignidade da vida humana. Sem dúvida, só depois de resolvida a questão “que valores queremos para o nosso tempo?” então se poderá dar passos para o ideal que se pretende.
É de tal maneira premente e urgente este terreno que, se formos a ver bem, todas a questões candentes na sociedade como o aborto e a eutanásia, a injustiça com a corrupção à mistura, a futebolização já “institucionalizada” com habitual polémica social, a percepção do que é a “liberdade” e a “educação”, afinal, tudo dependerá cada vez mais da resposta sobre, no mundo plural, “em que valores nos queremos construir?” Também é bem verdade, e para complicar mais a missão, que quanto menos se pergunta sobre os valores melhor será para os contra-valores, docemente, progredirem.
3. O nosso tempo é o tempo em que aquilo que seria uma riqueza (a partilha plural de culturas, as formas diferentes de pensar em liberdade a inter-agirem numa construção social que acolha e sensibilize todos para a dignidade humana, o sentido do progresso de todos no sentido da dignificação do ser humano, …), toda esta riqueza parece que se vai transformando em algo de secundário; e aquilo que é o acessório (todo o espectáculo social de um entretenimento como forma de estar na vida) vai-se generalizando como referência, modelo (vazio) de vida. Que tempo já tão diferente de há uns 10 anos em que os modelos a seguir seriam Ghandi, Luther King, Teresa de Calcutá!...
Estamos, divertidamente, a desviarmo-nos do ideal humano!... Cada vez com menos lugar para as “filosofias”, menor qualidade de pensamento, já quase sem gosto em viver o “sonho”, num sem sentido cheio (qualquer dia) de prendas de Natal mas com a “alma” vazia de esperança, assim nos vamos afastando do humanismo profundo em que erguemos as referências dos valores que chegaram ao nosso tempo. Estamos a exagerar?! No dia-a-dia andante das avenidas e praças televisivas da sociedade, que hoje “educa” bem mais que todas as energias das instituições (por muito que nos custe!), ainda há dias nos detivemos a contar quantos dias de futebol seguidos existiram e reparámos que foram 11 dias seguidos de bola a meados de Outubro. Factos são factos, valem o que valem; mas é dos factos e de toda a sua preparação entusiasmante (para além do saudável entretenimento) que se vão criando as novas formas de vida.
4. Por tantos “ecos” existenciais do dia-a-dia os “valores para este tempo?” é, simplesmente, questão que já não é precisa, não faz sentido, não há nada a “procurar” aperfeiçoar; tal é a grandeza do vazio; para outros os valores serão mesmo a nulidade elevada a modelo, contra-valores estes espelhados numa chamada “cultura de morte” que não vê mais longe que o egoísmo de seu próprio umbigo, estando cada “outro” sempre a mais. Estará também “morta” a responsabilidade?!
É determinante e inquietante demais o que está em causa para os nossos grandes pensadores ficarem só pelas elites dos auditórios de umas dezenas de pessoas que participam; é preciso ir bem mais longe!... Há toda uma nova geração a não entender o que é a “liberdade” e à custa desta a destruir a sua própria viagem pessoal e social! É possível reflectir, pensar, dialogar e partilhar sobre o que está em causa (nas causas) e dignificar os rumos deste tempo? “Amanhã” pode ser tarde!...

mais sobre mim
Outubro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO