de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 15 Maio , 2008, 19:23

Dos interesses à via dos princípios


1. Ainda nestes dias, comentadores da viagem do executivo à Venezuela, vinha à ribalta a discussão sobre os procedimentos a ter na gestão das relações diplomáticas. Com frieza, alguém dizia que só há duas vias: ou seguir a óptica prática dos interesses e pactuar mesmo com as multiplicadas indignidades; ou assumir corajosamente o caminho dos princípios, tidos como valores inalienáveis no zelo do bem comum. Infelizmente as circunstâncias concretas muitas vezes colocam estes dilemas, diante dos quais a opção acaba por ditar a alma do verdadeiro líder. O lugar relativo dados aos princípios, ainda que estes não sejam lineares mas plurais, acaba por ser sinal da qualidade (ou não) das próprias lideranças.
2. Os efeitos multiplicadores da lógica dos interesses, mesmo quando se apresentam como impulsionadores despertadores necessários, terão sempre o seu reverso da medalha. É verdade que muitos projectos, mesmo continentais, partiram da conjugação de interesses comuns. Por exemplo o projecto da hoje considerada União Europeia começou na partilha de carvão e aço dos países fundadores. Mas, rapidamente uma consciência mais alargada obrigaria a ver acima dos interesses próprios ou comuns, para as visões se irem abrindo na estrada dos princípios de uma Europa social e mais capaz de conduzir um projecto humano, pois acima dos recursos materiais…
3. Quando os interesses são a única plataforma em que se norteiam as relações internacionais ou nacionais, locais ou regionais, institucionais ou pessoais, é porque está ainda por esboçar uma grandeza de humanidade que faça prevalecer a lógica existencial que supere o «venha a nós». O horizonte dos princípios e valores, e não há que ter medo deles pois na sua essência são ricos de sentido e abrangência plural, é a via da verdadeira convivência humana. Não se trata de utopia sequer, trata-se de autêntica realização humana: acreditamos que ninguém se realiza como pessoa unicamente pensando nos seus interesses próprios.
4. Pouco interessam e, no fundo, pouco valem as dicotomias (ou uma coisa, ou outra), somente para o apurar do sentido das coisas, e poderemos mesmo dizer que a conjugação de interesses comuns pode ser um valor a assumir como princípio. Mas quando claramente esse interesse implica a indignidade de outrem (como em ditaduras ou sistemas de exploração desumana) então trata-se de pactuar com a miséria humana. Muitas vezes, e não só nos discursos internacionais, o porreiro «relativismo» alastrante, longe de significar efectiva inclusão das diversidades, vai afastando a humanidade dos humanos. Seja dito: não há petróleo que compense a digna honradez! Ainda que de quando em quando «na mó de baixo», a via do futuro será sempre dos princípios e valores!


De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Maio 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds