de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Julho , 2008, 21:44


O profetismo verdadeiro é sempre um dom a favor de uma comunidade concreta, que vive e se constrói em cada dia, sente interpelações novas, é convidada a tomar iniciativas e a correr riscos, e se sente, pela sua missão, obra inacabada, mas nunca instalada, desanimada ou vencida.
O Deus da fé, em relação ao Seu povo, serviu-se dos profetas para mostrar caminhos, animar percursos, julgar passos andados, convidar à fidelidade, corrigir desvios, acordar compromissos. A presença activa dos profetas no meio do povo, provocava alegria e gratidão, porque Deus continuava presente. O seu silêncio dava ocasião à tristeza e desolação, porque o povo se julgava esquecido e abandonado, embora nem sempre os ouvisse.
Ontem, como hoje, na Igreja nunca faltaram profetas. Muitos deles sentiram, e sentem a indiferença e, por vezes, o abandono e o despeito dos chefes medrosos, detentores de uma autoridade que não dialoga, ou são esquecidos e perseguidos por um povo que não se quer converter e não suporta o incómodo de profetas que ousam dizer aquilo que não lhe agrada. Por vezes e só depois de muitos anos aparece quem acorde para as palavras do profeta. Então pode-se ver que alguns, ontem perseguidos, são reabilitados e até canonizados, como santos de altar. Recordemos Rosmini que ousou falar das chagas da Igreja. Foi por isso perseguido e agora elevado aos altares.
Nos tempos que correram temos visto de tudo isto. Não era de esperar, dado que o Vaticano II deu consciência aos membros da Igreja de que, como baptizados, todos participam do profetismo de Cristo, acordando-os, assim, para o essencial, um aspecto em que o profetismo tem papel insubstituível. Não têm faltado, também, aqui e ali, falsos profetas com interesses que não são os de Cristo. Ele advertiu-nos disso.O cardeal Martini, arcebispo emérito de Milão, biblista reconhecido em toda a Igreja, optou por terminar os seus dias em Jerusalém, “a sua pátria antes da pátria eterna”. Com a liberdade interior que sempre teve e a humildade real e discreta que o torna corajoso e construtivo, continua a exercer o profetismo, como luz do Espírito e dom à Igreja.
Assim o fez antes em sínodos, simpósios, congressos, no dia-a-dia do seu ministério episcopal em Milão e como presidente do Conselhos das Conferências Episcopais da Europa. Conheci-o ao longo de vários anos e de muitos encontros regulares. Aprendi com ele a crescer no amor à Igreja de Cristo e na liberdade de a servir. Vi no seu profetismo corajoso um modo de agir em consciência, sem depender de críticas ou de elogios e ousando sempre pagar o preço de todos os profetas.
Diz-nos ele agora que “sonhou com uma Igreja que segue o seu caminho na pobreza e na humildade… uma Igreja que não depende dos poderes deste mundo… uma Igreja que dá espaço às pessoas que pensam mais longe… uma Igreja jovem, onde não há lugar para a desconfiança…” Anuncia uma série de temas em aberto, campo de muito sofrimento e alguma esperança, para os quais a Igreja deve de ter coragem profética e ser capaz de ouvir os profetas, que o Espírito suscita. De há muito vem falando neles.
Insiste que não basta dizer, à maneira de Cristo, que o caminho da Igreja é o homem e que “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens do nosso tempo, mormente dos mais pobres e de todos os aflitos, são também as dos discípulos de Cristo, e que nada existe de verdadeiramente humano que não encontre eco no seu coração”.
Nada disto se compadece com o alheamento em relação aos profetas, se por ventura se querem caminhos inovadores e não apenas a receita de conselhos piedosos.
O cardeal Martini incomoda muita gente instalada, mas fala apenas, eu o posso testemunhar, por fidelidade ao homem e à missão da Igreja. São assim os verdadeiros profetas: livres, corajosos, comprometidos com o essencial, nunca desistindo.

António Marcelino
tags:

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Julho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds