de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 26 Outubro , 2008, 17:32

A proximidade com o “Outro”


1. O Ano Europeu para o Diálogo Intercultural (2008) quer ampliar a consciência de que vivemos num tempo de novos desafios. As novas formas de comunicações actuais colocam-nos numa “mesa comum”, gerando as próprias crises grandes oportunidades de reajustamento (con)digno à nova realidade social. A pergunta do livro dos Génesis “onde está o teu irmão?”, actualizada há 2000 anos no episódio do samaritano sobre “quem é o meu próximo?”, tem hoje o mesmo lugar insubstituível da procura de um relacionamento humano saudável, que sabe dar primazia à Pessoa na sua situação. Não se trata de um refrão pré-definido, mas de uma aceitação incondicional do “encontro”, como abertura de espírito à diversidade...
2. No âmbito do programa Distância e Proximidade, decorre nos dias 27 e 28 de Outubro (com transmissão on-line, em directo: http://www.gulbenkian.pt/) a Conferência Gulbenkian sobre a temática: “Podemos viver sem o outro? – As possibilidades e os limites da interculturalidade.” A pergunta fundamental quer nortear a reflexão e encaminhar a acção educativa. Sublinha em entrevista o Comissário da Conferência, Arjn Appadurai, que «hoje, o “outro” chega-nos sob muitas formas», para além das formas consideradas clássicas como as mobilidades humanas. A pergunta radical da Conferência, significando a própria fronteira do debate intercultural, quererá merecer uma resposta estruturadora que se escreva não meramente numa linha de sobrevivência humana mas de apreço condigno na riqueza da diversidade pessoal e cultural.
3. Em última instância, a interculturalidade é profundamente desestabilizadora. Fomos (?), aos diversos níveis de organismos sociais, educativos, políticos e religiosos, habituados a caminhar numa uniformidade de ter tudo “certinho, direitinho”. Diante das impressionantes mobilidades, quer reais como virtuais, teremos de “rever” o nosso esquema à luz do essencial humano. Somos capazes?

Marieke a 26 de Outubro de 2008 às 18:31
o Outro
Faz-me lembrar uma poesia de Mário de Sá Carneiro

"...Eu não sou eu nem sou o outro,
Sou qualquer coisa de intermédio:
Pilar da ponte de tédio
Que vai de mim para o Outro....."

Lisboa, Fevereiro de 1914.

Fernando Martins a 26 de Outubro de 2008 às 21:11
Já agora:

- Por sobre o que Eu não sou há grandes pontes
Que um outro, só metade, quer passar
Em miragens de falsos horizontes -
Um Outro que eu não posso acorrentar...

Mário de Sá-Carneiro

Barcelona - Setembro de 1914
++++
Boa noite, Maria! Tens andado a descansar?

Fernando

Marieke a 26 de Outubro de 2008 às 21:46
Boa Noite Professor
Descansar...antes fosse..a profissão de professor ocupa-me o tempo todo ..já só tenho tempo e disposição para" bloguear "ao domingo..mas sempre atenta aos meus blogues preferidos!!!!
Beijinhos
Maria

Fernando Martins a 27 de Outubro de 2008 às 11:13
Minha cara amiga

Neste tempo de competição desenfreada e de mudanças, na tentativa de acertar o passo com o mundo, as pessoas são inúmeras vezes esquecidas. Tenho falado com muitos professores e ouço as suas angústias. Por isso, há que arranjar forças para lutar por um mundo mais justo e mais fraterno. E lembra-te de que, normalmente, apenas utilizamos, nas tarefas diárias, 12 por cento das nossas reais capacidades.

Um abraço

Fernando Martins

mais sobre mim
Outubro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO