de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 05 Abril , 2008, 17:21
Conversas à mesa

Luís Quaresma apresenta o livro

Dinis Vizinho trabalha com a sua digital

Recordar é viver...

Hoje foi dia de confraternização. Antigos alunos da EICA (Escola Industrial e Comercial de Aveiro) reuniram-se num almoço-convívio para recordar tempos de juventude vividos em comum, nos bancos da escola, nos recreios, em passeatas pela cidade, no parque, em jogos de futebol e outros, em matraquilhadas no Guilherme. Mas também em encontros de estudo, de conversas sem fim, de namoricos, de brincadeiras e de irreverências próprias da idade e de jovens sem complexos, e penso que sem problemas de maior. Se os havia, e decerto houve, eram murmurados entre amigos mais íntimos.
De ano para ano, vamos sentindo que a vida, seguindo a caminhada inevitável da finitude, nos marca com a ausência de quem apenas pode estar presente na nossa memória. Por isso, foi tocante para todos a recordação dos que partiram, ouvida num minuto de silêncio comovente. No último ano, deixaram, hoje, as cadeiras vazias o Elmano Piedade e o José Carlos Madail.
Cabelos brancos e carecas luzidias, peles enrugadas e barrigas proeminentes, de tudo houve no convívio deste sábado. Mas o que sobressaiu foi, sem dúvida, o prazer do encontro, a alegria do abraço, a gargalhada da história recordada, a certeza de que a amizade, entre gente sã e amiga, é valor a cultivar e a enriquecer, em jeito de quem gosta de atirar à terra as sementes do bem e da fraternidade.
Que importa, nestes casos, a comida, se o fundamental é rever os amigos, cujas fisionomias, apenas, em alguns casos, permanecem na nossa memória, obrigando-nos a perguntar, ciciando, ao vizinho do lado: Quem é aquele do bigode branco? E o da camisola verde? E o que vem no carro preto? E o de óculos escuros? E o de…
Este ano, o Luís Quaresma aventurou-se a publicar um livro – Memórias da EICA e não só… – com notas sobre colegas e de colegas que foi possível contactar. Um esforço que todos compreenderam e aplaudiram. E que vale a pena repetir, para se não perderem outras vivências de tempos que já lá vão, mas que urge tornar presentes. Diz o Luís, no texto de abertura: “Pena que nem todos tenham colaborado, porque eu sei que há montes de cenas engraçadas, prontas a saírem das vossas cabeças, mas por vergonha ou por preguiça, nunca as passaram ao papel. E é pena, porque os nossos filhos e netos, e até alguns amigos mais íntimos a quem fosse dado ler essas cenas, iriam sorrir e compreender a vida de estudantes dos anos 50 do século passado, tempo em que não havia televisões, nem Play Stations ou telemóveis, muito menos automóveis. Alguns felizardos (muito poucos, diga-se de passagem) lá conseguiam ter uma bicicleta.”

Deste meu recanto, onde cultivo gratas e infindáveis memórias, abraço todos os colegas que ao longo da vida comigo se cruzaram e tanto me contagiaram com amizades que não se perdem no tempo.

Fernando Martins




Leopoldo Oliveira a 5 de Abril de 2008 às 19:11
Enquanto se aguarda o início das dragagens,porque não transportam para sul da Costa Nova os milhares de metros cúbicos de areia depositados a norte da nossa Gafanha e que tanto mal nos tem feito? Afinal já não vai passar por cá o rali Lisboa/Dakar.
Fica a sugestão.

mais sobre mim
Abril 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO