de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 05 Julho , 2009, 11:39

A originalidade de Jesus


Jesus regressa à sua terra. Leva consigo os discípulos, a sua nova família. Vem preocupado, pois havia sido acusado de ter enlouquecido, de estar possuído por um espírito mau, de se comportar como um marginal.
Aproveita a ida à sinagoga e, chegada a sua vez, fala de tal modo que faz surgir um enorme espanto nos ouvintes. “Que sabedoria é esta?! – interrogam-se os presentes.

A “homilia” de Jesus constitui um comentário ao projecto que Deus tem para tornar feliz a humanidade inteira: confiança uns nos outros, superação de preconceitos, atitudes solidárias, abertura à mudança, respeito pelo que é diferente, amor à liberdade, captação do sentido da tradição e alcance dos gestos, preocupação com os que sofrem, sobriedade na posse e uso de bens, partilha generosa, autodomínio pessoal, relação filial com Deus que se expressa na convivência social e na prática da fraternidade universal.

Enquanto o ouviam, uma onda emocional perpassa na assembleia e gera sentimentos contrários: Do encanto à desilusão, da adesão curiosa ao desprezo ostensivo, do acolhimento hospitaleiro à rejeição hostil e caluniosa.

O projecto que Jesus anuncia envolve-nos a todos. “Quem te criou sem ti, sem ti não te salvará” – afirma Santo Agostinho. Ninguém se pode dispensar. Cada um no seu lugar, a fazer “render” as capacidades que tem, a lançar pontes de comunhão, a criar novas solidariedades, a reinventar formas de “ecologia” ética que despolua e desintoxique a opinião pública de tantos lixos nocivos à sanidade dos cidadãos.

O episódio da Nazaré constitui um espelho do que ocorre ainda hoje. Jesus é reconhecido por muitos como uma grande figura da história, um homem extraordinário, lúcido, lutador incansável pelos ideais da paz e da justiça, um guru de sábias sentenças, uma personagem inconfundível.
Mas Jesus é muito mais que isto. A sua originalidade está em ser Aquele que te/nos salva, te/nos liberta dos horizontes rasteiros e imediatos e te/nos oferece ajuda para que a tua/nossa liberdade seja criativa e sonhadora. O cariz peculiar da sua acção está em te/nos proporcionar uma relação pessoal, um encontro de amigos, um projecto de comunhão, de amor e de vida.

Georgino Rocha

tags:

João, Praia da Vitória a 5 de Julho de 2009 às 19:57
Vou lá comer uma posta de bacalhau assada na brasa... e espero que alguém me convide!

Fernando Martins a 5 de Julho de 2009 às 20:30
Meu caro

O convite está assegurado. Postas, boas postas, não hão-de faltar no Festival do Bacalhau...

Um abraço

FM

mais sobre mim
Julho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO