de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 12 Julho , 2008, 09:55
Águas de Portugal: ou uma outra forma de meter água!

No passado dia 4 de Julho, partilhei com os leitores um texto com o título “O país do copo meio cheio ou meio vazio”, referindo-me, concretamente, a Portugal e ao perigoso estado de coisas que teimam em persistir nesta terra lusitana, que não deixam o copo esvaziar nem encher de vez. Não há nada pior para um país, uma sociedade ou um qualquer cidadão do que andarem, permanentemente, em “águas paradas”, que acabarão, com o tempo, por ficarem fétidas e insalubres. Quando assim é, o melhor é cair-se, de vez, no fundo, ou seja, esvaziar o copo, definitivamente, pois, a partir daí, todos passam a saber que só há uma perspectiva para ver as coisas e uma só alternativa com saída e futuro: criar as dinâmicas e as sinergias necessárias para recomeçar tudo de novo, para que o copo seja cheio de vez.
Oscar Wilde (1854-1900) dizia que o “pessimista é uma pessoa que, podendo escolher entre dois males prefere ambos”, pelo que a questão do copo meio cheio ou meio vazio se aproxima muito mais deste comportamento patológico e paralisante. Como não há nada nem ninguém que sobreviva envolto numa atmosfera de pessimismo e indefinição, as alternativas, a partir daqui, só podem levar ao desânimo, à descrença, à maledicência e à desresponsabilização, pessoal e colectiva, em que cada um procura sobreviver de expedientes e da “esperteza saloia”.
Vem tudo isto a propósito do relatório que o Tribunal de Contas (TC) fez à Empresa pública Águas de Portugal (AdP), referente ao período de 2003 a 2006, que foi tornado público no passado dia 4 de Julho, onde são feitas críticas bastantes contundentes à forma de gestão da referida Empresa pública.
Nesse mesmo dia, o Presidente da AdP, Pedro Serra, reagiu aos dados apontados no Relatório do TC negando mesmo que a Empresa que dirige esteja em “situação económico-financeira débil”, ainda que tenha reconhecido que existem vários problemas, que estão identificados pela actual administração, e que serão corrigidos.
Eis, aqui, mais um exemplo do copo meio cheio ou meio vazio: uma mesma realidade pode ter, pelo menos, duas interpretações ou leituras diferentes, se não mesmo opostas. Quando assim é, o copo nunca mais se enche nem nunca mais fica vazio, o que dá para falar de tudo e de nada e permite que nada se altere, verdadeiramente.
Independentemente dos números revelados pelo TC e dos argumentos que os acompanham, há três indicadores (que não foram desmentidos pela Empresa AdP) que não devem passar em claro. O primeiro valor, refere-se aos 2,3 milhões de euros de prémios distribuídos a alguns trabalhadores da AdP, entre 2004 e 2006, “sem critérios claros e transparentes”, exactamente num período em que a AdP teve “resultados globais negativos de 75,5 milhões de euros”! Diz o Presidente da AdP que há que premiar quem se esforça por tirar a empresa da situação difícil em que se encontra. Pela lógica deste gestor público, também o Governo teria que dar “prémios” aos cidadãos do país que estão em dificuldades económicas e não se desculpar, como até aqui, que não pode distribuir riqueza quando não a tem para o fazer. Pelos vistos, o Ministro das Finanças tem que ir à AdP aprender como se fazem estas contas de dividir.
Um dos outros valores apresentados no Relatório do TC relaciona-se com os gastos de 2,5 milhões de euros na atribuição de viaturas a administradores e a alguns trabalhadores da AdP (viaturas trocadas de 3 ou de 4 em 4 anos), a que se junta o terceiro indicador, no valor de 478 milhões de euros, em gastos com combustível, para as viaturas anteriormente referidas. A tudo isto, há que juntar uma estrutura empresarial que deixa muitas dúvidas ao TC, quanto ao modelo em que está organizada. Dizer que isto é um escândalo ou uma irresponsabilidade é pouco e não leva à resolução de nada. É, isso sim, mais uma manifestação que confirma a regra de um hábito instituído e generalizado em todas as Empresas públicas deste país, em nome da dignidade de alguns cargos e de quem os ocupa e da perpetuação do país do copo meio cheio ou meio vazio. Como se verifica, por mais este exemplo, isto dá para tudo. Mesmo para o indefensável. Seja em nome de que dignidade for ou da falta dela, como é o caso!
Vítor Amorim

mais sobre mim
Julho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO