de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Março , 2007, 12:19

A Filosofia e os filósofos



A Filosofia anda desvalida, não se sabendo muito bem qual o destino a dar-lhe concretamente no ensino secundário.
Este desvalimento é uma das manifestações maiores da nossa crise presente. A essa crise se referiu já o filósofo E. Husserl, em 1935, ao declarar que "as nações europeias estão doentes" e que "o maior perigo da Europa é o cansaço". Por isso, fazia apelo a uma filosofia capaz de uma "crítica universal de toda a vida e de todas as formações e sistemas culturais surgidos a partir da própria vida da Humanidade". E não se trataria de uma tarefa apenas de filósofos profissionais, pois o que se exigia era um "movimento comunitário de formação", com influência na cultura e na educação, em ordem a favorecer uma "atitude crítica, uma atitude que parte da recusa em assumir, sem questioná-las, opiniões e tradições previamente dadas e, ao mesmo tempo, sobre todo o universo tradicionalmente dado de antemão coloca a questão do verdadeiro". A Filosofia deveria transformar--se num "movimento educacional e cultural", fomentando a racionalidade e o diálogo crítico, na procura da verdade.
A Europa tem duas raízes fundamentais: a herança judaico-cristã e a herança helénica. Da primeira provém essencialmente a ideia de História. Da segunda veio-lhe o Logos, a capacidade de indagação radical da realidade e da existência. Frente ao mito, ergueu-se o pensamento racional autónomo e crítico, que não pergunta apenas por isto ou aquilo, mas pela realidade toda na sua raiz e verdade.
A interrogação permanentemente crítica é incómoda, de tal modo que Sócrates, que achava que a vida sem indagação racional não era digna de seres humanos, foi condenado a beber a cicuta. Platão e Aristóteles ensinaram que a origem da Filosofia é o espanto. Mas há o espanto positivo, na raiz do deslumbramento, que nos leva a exclamar: como é bom existir!, e o espanto negativo, na raiz do horror, por exemplo, perante Auschwitz, que nos faz gritar: como é possível? Precisamente da confluência do espanto nesta sua dupla face, frente à ambiguidade do mundo, nasce a pergunta filosófica por excelência: o que é o ser?, porque há algo e não nada?
:
Leia mais em DN


De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Março 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

24

27
28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds