de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 26 Fevereiro , 2009, 21:25


DEBATER NÃO É O MESMO QUE DIALOGAR


Debater não é o mesmo que dialogar. Quem debate quer vencer o outro. Quem dialoga quer enriquecer-se com a partilha e o contributo do outro. O debate tem claque a bater palmas. O diálogo não a tem, nem a quer. O debate dá-se bem com o barulho. O diálogo quer silêncio para pensar e interiorizar. Debate-se na praça pública, dialoga-se no deserto fecundo e fértil. No debate, opõem-se ideias e convicções. No diálogo, somam-se parcelas de verdade, para uma verdade maior e comum. No debate, extremam-se campos e sobem-se muros. No diálogo, abrem-se frechas por onde passe a luz e se possam dar as mãos, até se chegar, de vez, ao derrube de fronteiras.
A vida de todos os dias mostra que é mais fácil debater do que dialogar, porque no debate se procuram louros e adeptos, ao passo que no diálogo se procura a união, para se usufruir um património que a todos pertence, mas que ninguém o tem por completo, nem o tem para si próprio.
A sociedade caminha mais com o diálogo. Divide-se mais com o debate. O diálogo exige humildade e respeito por quem é diferente, condição indispensável numa sociedade plural. O debate tem raízes de suficiência e o outro é sempre um adversário a vencer ou a abater. Quando em gente diferente se contrapõe a vontade de dialogar com a vontade de vencer, o caminho comum torna-se impossível. Então, a vontade parece não ser mais de se ir em conjunto para onde todos se sintam bem, mas ir para um destino, onde alguns não têm lugar ou são rejeitados na coabitação com os diferentes.
De vez enquanto, e segundo os temas, ouço o ”Prós e Contras”, àquela hora horrível que leva a pensar que se trata de um programa à segunda-feira para quem não trabalha na terça. É um programa com algum sentido para se poder apreciar a realidade da nossa sociedade, mas que não leva, normalmente, a outras conclusões. Cada um está na sua e procura impor a sua. Se aparece algum interveniente que julga que vai para dialogar, onde se respeite e seja respeitado, depressa se desilude e torna-se um rotulado, a quem se despreza ou se aplaude. Observar, até onde possa chegar o nosso olhar, as partes em debate ou que assistem ao mesmo, não difere da observação de um jogo de futebol com equipas em luta e claques de apoio a gritar a toda a hora, sem que o árbitro as possa calar. Mas futebol já temos que chegue.
Nunca, e menos ainda em democracia, se podem canonizar opiniões, apreciar o valor das mesmas pela imposição do maior número ou pela frequência e tempo dos aplausos. A história desmonta serenamente os absolutismos pessoais e de grupos, as vitórias fictícias, o poder esmagador dos poderosos que acabam débeis, porque o tempo os foi fragilizando inexoravelmente. Por isso, ela é mestra de vida para os que lhe estão atentos e dela não recordam apenas datas, anedotas, páginas do seu agrado.
O valor de um povo reside no respeito que cada um tem pelos outros, pelos valores culturais comuns, pelo que história de todos foi e vai ensinando.
Donos absolutos, só à custa de um povo esmagado ou amordaçado. Seja nos debates televisivos, seja nos debates parlamentares, seja nas leis feitas de costas para o bem comum, seja na persistência em impor valores e substituir ou contrapor culturas, sem ver o que têm de válido para integrar ou de espúrio para pôr de lado. Se nem este juízo for claro, o caminho para discernir, com um contributo alargado e objectivo, será o do diálogo, não o do debate das ideias fixas e das razões que não aceitam outras.
Não será já tempo de “Prós e Contras”, mesmo com o favor das audiências, se avaliar sobre se o seu contributo social é positivo ou negativo? Sobre se educa um povo, ou se vai cavando fossos em vez de lançar pontes? Sobre se o debate ali feito fomenta ou não a aprendizagem do diálogo, necessário ao país para poder ir mais além?

António Marcelino
tags:

mais sobre mim
Fevereiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO