de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 21 Novembro , 2009, 17:04



Não há o hábito salutar de cumprimentar

Até meados de século passado, as Gafanhas tinham um ambiente marcadamente rural. A população residente era em número muito inferior à grande massa de gente que nelas habita, nos dias de hoje. Não havia praticamente indústria, exceptuando a faina ligada à secagem e tratamento do bacalhau.
As pessoas que cá viviam mourejavam nas parcelas de terra que possuíam, ocupando-se numa agricultura de subsistência, paralelamente com alguma actividade piscatória, artesanal. O nível de vida era muito baixo. O número de automóveis era diminuto e quem os possuía era um privilegiado e detentor de um estatuto social elevado. Pela estrada principal, os veículos que circulavam eram carroças de vacas, que os pequenos lavradores utilizavam para fazer o transporte das suas mercadorias.
Praticamente todos se conheciam uns aos outros e todos se saudavam: - O Senhor nos dê muito bom dia! Bom dia nos dê o Senhor. Ouvia-se a cada passo, entre as pessoas que se dirigiam para o campo. A religiosidade destas gentes era bem patente e a saudação era o reflexo das suas crenças. Ninguém passava na rua que não cumprimentasse todos aqueles com quem se cruzasse, fossem ou não da família. Aqui havia um conceito alargado da mesma, já que as pessoas se entreajudavam nas fainas agrícolas, nomeadamente nas grandes sementeiras da batata, do milho e do trigo.
Com o aumento demográfico e a invasão das Gafanhas, por gentes de fora, este costume tão salutar foi-se perdendo. Só os mais antigos conservam ainda este hábito que teimam em passar para as novas gerações.
Na grande cidade, com um individualismo crescente, todos passam indiferentes, cada um a tratar da sua vidinha, ignorando completamente o próximo. Entra-se num consultório cheio de gente e não se ouve um Bom dia! Boa tarde! Entra-se num elevador apinhado de pessoas e....alguém se cumprimenta? Assiste-se a esta cena caricata – todos de cabeça baixa.... a “inspeccionar” o calçado de seu parceiro. Se está ou não engraxado! Se está na moda ou não! Se...se..se.... Não há o hábito salutar de cumprimentar, de dizer um bom dia, boa noite!
Daí que, se por um lado a comunicação entre as pessoas se tornou mais efectiva no encurtar de distâncias, via internet, por outro lado as relações entre as pessoas são menos afectivas.
E, se tanto se diz que o mundo hoje é uma aldeia global, então, façamos nós como os nossos antepassados, aqui, na Gafanha que se cumprimentavam todos entre si, sem excepção. Os antigos tinham razão!

M.ª Donzília Almeida

mais sobre mim
Novembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


24



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO