de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 07 Setembro , 2008, 09:48


A MATEMÁTICA

Caríssima/o:

Hoje abre-se diante de nós um grande mundo: o da polémica!
Contudo não vou por aí; com a minha modesta máquina pretendo mostrar-vos algumas imagens da nossa aprendizagem da matemática. Se desfocadas, peço desculpa.
Ora, nesses tempos havia a aritmética e a geometria. Ninguém fala desta última pelo que deve estar de boa saúde, a desgraçadinha! Mas era nesta área que estudávamos o ponto, a linha, a recta, a curva, a linha poligonal, a mista, as paralelas, as concorrentes: perpendiculares e oblíquas, os ângulos, os polígonos, a circunferência e o círculo, o plano e o espaço, os sólidos, sem esquecer as respectivas áreas e volumes. Começava-se na terceira e completava-se na quarta classe. Tudo isto era exemplificado e trabalhado no quadro preto utilizando a régua, o esquadro, o compasso e o transferidor, bem como os sólidos geométricos da caixa métrica.
A aritmética ia do ensino dos números até aos problemas das torneiras: tabuadas, contas, reduções, complexos, fracções e problemas. Havia três momentos: apresentação e compreensão, aplicação, memorização ou mecanização. E ia-se subindo como se de uma escada se tratasse. Víamos companheiros aflitos com muita dificuldade e apreciávamos os esforços que o professor desenvolvia para que atingissem o mínimo que lhes permitisse irem a exame e não fazerem vergonhas!
Cedo eram introduzidas as contas (operações), logo na primeira; de tal forma que havia um adágio que se repetia nesta fase: “Na segunda, leitura e contas; leitura e contas!...” Assim, para além de uns problemas simples de uma operação, o grande trabalho nas duas primeiras classes consistia na automatização das operações já que todas elas tinham sido introduzidas na primeira, depois da memorização das tabuadas, para que, quando aparecessem os problemas a sério, os alunos estivessem preparados para pensarem no seu raciocínio sem se preocuparem com a realização das operações já mecanizadas... Alguns ainda se lembrarão “dos comboios” com que enchíamos as lousas! Era cada uma!
Na terceira era introduzido o sistema métrico que depois originava as reduções; é sempre bom recordar as unidades que estavam “na razão de um para dez... de um para cem... de um para mil...”
E depois as unidades de tempo e os graus que implicavam as operações com complexos... Muitas vezes, tínhamos de virar a lousa para terminar os cálculos, como quando nos perguntavam quantos segundos havia num ano! Ora um ano tem 12 meses e um mês, trinta dias...
As fracções entravam logo na primeira classe. Tudo muito básico mas que nos levava a ficar com a noção de metade, da terça parte, ... de um nono... Depois na quarta não havia segredos para a adição e subtracção de fracções (mesmo com denominadores diferentes...) nem tão pouco a multiplicação ou divisão...
Os problemas que tinham entrado já na primeira eram o prato forte da quarta, onde chegavam a ter seis e até mais operações. Para atingir este aprumo havia um longo caminho a percorrer desde a arrumação do quadro dividido em três zonas: à esquerda, os dados; em cima, as indicações e, por baixo, as operações. Escritos os dados, o aluno devia ser capaz de repetir o enunciado para, logo de seguida, indicar o raciocínio e tentar, se fosse caso disso, atingir a solução com o cálculo mental.
Só a título de exemplo deixo aqui um dos célebres problemas que nos apareciam nos cadernos de problemas:
“Um tanque tinha duas torneiras: uma enchia-o em 3 horas e outra levava 6 horas a esvaziar o mesmo tanque. Se abrirmos as duas torneiras ao mesmo tempo, ao fim de quantas horas fica o tanque cheio?”
Claro, não é preciso dizer que não havia máquinas de calcular... O barulho era feito pelos ponteiros a bater nas lousas... ou seriam os neurónios a ranger?!

Manuel

mais sobre mim
Setembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO