de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 11 Julho , 2008, 14:18

Muhammad Yunus: o banqueiro dos pobres!

Numa época tão conturbada em que a esperança parece que nos foge pelo meio dos dedos, como se de areia fina se tratasse, há que recordar e reconhecer, publicamente, aqueles que ainda acreditam que a esperança existe, porque o homem é o seu único fiel depositário e impulsionador, pelo que só depende dele fazer com que ela surja e nos surpreenda, sempre pela positiva, como é seu apanágio.
Felizmente, ainda existe bastante gente boa e com um profundo sentido de bem querer e bem fazer pelos que mais sofrem e que se comprometem em acções que possam, decididamente, contribuir para minorar o sofrimento de alguns e apontar novos horizontes de que é possível, quando se quer, percorrer novos caminhos.
Entre estas pessoas recordo o nome de Muhammad Yunus (1940), também conhecido pelo “banqueiro dos pobres”. Muhammad Yunus nasceu num dos países mais pobres do mundo – o Bangladesh –, ainda que a sua situação social nada tenha de comum com o país que o viu nascer. Formou-se em economia e doutorou-se nos EUA. No ano de 2006, ganha, juntamente com o Grameen Bank, o Prémio Nobel da Paz. Foi o primeiro economista, a nível mundial a receber este galardão, pelo que esta distinção deverá ser entendida como uma crítica e reprovação à maneira como a generalidade dos países ricos (não) olham e tratam a pobreza global e também aos sistemas económicos e políticos que mantêm esta situação inalterada, naquilo que lhe é essencial.
Muhammad Yunus e o banco que fundou, em 1976, procuram dar algumas condições, através do acesso ao microcrédito, àqueles que vivendo em situação de pobreza extrema possam a ele recorrer, para terem uma vida mais digna, através da criação de pequenas empresas (em regra, artesanais), das quais se tornam seus proprietários. Até agora o total de microcréditos concedidos é superior a 5,72 biliões de dólares, para um total de 6,61 milhões de clientes. Como ele diz, o fundamental é “oferecer às pessoas condições mínimas e elas tratarão de si próprias”, em contraponto com aqueles que preferem continuar, de forma sistemática, a terem as pessoas, hipócrita e interesseiramente, dependentes de si, através de ajudas passageiras, como é o caso dos bens alimentares, na vez de lhes darem a cana e as ensinarem a pescar.
Ao contrário do que se possa pensar, a taxa de cumprimento das obrigações destes empréstimos pedidos é de 98,85%, percentagem esta que faz morrer de inveja qualquer outro banco, cujo objectivo é, natural e compreensivelmente, não perder dinheiro, mesmo que para isso se ponha na miséria quem tiver que ser.
São homens como este que nos renovam a esperança de que é possível fazer diferente e melhor. A pobreza não é uma fatalidade que não se possa combater, antes exige um combate permanente, da parte de quem tem condições e obrigações para tal fim.
E como se isto já não fosse pouco, há que não esquecer que pobreza e paz estão intimamente ligadas, pelo que falar de paz com pobreza à mistura é incompatível, ainda que alguns nos queiram fazer acreditar que estas duas realidades podem coexistir.
Recordo, por último as palavras, profundamente humanas e carregadas de uma grande sensibilidade pelo sofrimento dos mais pobres, que Muhammad Yunus proferiu, no dia 10 de Dezembro de 2006, em Oslo, por ocasião da entrega do Prémio Nobel da Paz:
“Para mim, os Pobres são como as árvores bonsai. Quando se semeia a melhor semente da árvore mais alta, num vaso, obtém-se uma réplica da árvore mais alta, mas só com uns centímetros de altura. Nada há de errado com a semente que se semeou, apenas o solo onde foi plantada não é o adequado. Os Pobres são com os bonsais. Não existe nada de errado com as suas sementes. A sociedade é que não lhes proporcionou as bases para crescerem. Tudo o que é preciso para tirar os Pobres da pobreza é criarmos um ambiente que lhes seja favorável. Uma vez que eles consigam libertar a sua energia e criatividade a pobreza desaparecerá muito rapidamente.” Mais palavras para quê?

Vítor Amorim

mais sobre mim
Julho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO