de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 12 Setembro , 2008, 19:21

O grande desfiladeiro


“O rio Douro é, seguramente, o rio mais rico de grandiosas perspectivas do velho mundo. No entanto (diga-se a verdade), apesar de tudo quanto tem sido escrito e publicado, desenhado e divulgado – parece não ter tido ainda a fortuna de encontrar um verdadeiro escritor ou pintor que eternize a sua estranha e tácita beleza.
Junqueiro, que tantos anos viveu junto deste vale, que calcorreou os seus pendores – não o viu. Antero creio que nunca o avistou senão junto do Porto. António Nobre apenas o contemplou na Foz. Raul Brandão só lhe viu a grandeza nos dias de temporal, do alto da Cantareira, sonhando com o avô, alto e loiro como ele, desaparecido no mar. Pascoaes apenas conheceu, pode dizer-se, o seu último filho: o Tâmega. Camões jamais o avistou. Eça olhou-o com os olhos do Jacinto. Em resumo: nenhum escritor ou poeta português teve a fortuna de abrir decididamente os olhos para a pujança, a austeridade, a força telúrica deste estranho desfiladeiro aberto para esta serpente líquida e milenária vinda dos Montes Ibéricos!”

Sant’Anna Dionísio

In ALTO DOURO IGNOTO, 2ª edição, 1977

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Setembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds