de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Março , 2007, 12:07

O ARRAIS GABRIEL ANÇÃ

Caríssima/o:

Já que andamos pelos Paços Reais, faço o convite para me acompanhar agora para irmos com o Arrais Gabriel Ançã. Perpetuado na Costa Nova, foi, desde sempre, uma referência e uma interrogação nas nossas idas aos areais do outro lado. Mesmo nas noites do fogo da Senhora da Saúde e, para além do presépio em cascata das luzes das suas casas e ruas que de longe contemplávamos, a sua imagem de pedra impunha-se no céu.
Pela pena do dr. Amadeu Cachim, que muitos de nós conhecemos, espreitemos respeitosamente a cena:

«[...]

O homem de quem vos falo,
que era diferente dos mais,
chamava-se Gabriel
e dum barco era arrais
e, como era valente,
quando saía a pescar,
só se sentia contente
roubando vidas ao março
e bebendo aguardente,
para seu bicho matar,
o que o fazia andar,
quando já velho e doente,
por vezes, a balouçar,
como se andasse no mar.

Por seus actos d'heroísmo,
recebeu muitas medalhas
e mais outros galardões;
mas foi com grande altruísmo,
sem pensar em virtualhas
ou em condecorações,
que este famoso gigante,
em várias ocasiões,
salvou o seu semelhante.

Quando chegava o Inverno
e o mar, aqui, era inferno,
juntamente com os mais,
ia p'ra Lisboa, a pé,
para pescar em Cascais
ou na Costa da Galé
e, em tempo favorável,
entrando pelo Tejo dentro,
fazia a safra do sável.

Foi aí que o Patrão Lopes,
sabendo-o bom nadador,
em palavras, bem sentidas,
lhe foi pedir o favor
d'embarcar no salva-vidas,
p'ra socorrer um navio
que naufragou no Bugio.

Ele correu, sem tardança,
e salvaram toda a gente,
que já perdia a esp'rança.

Um dia, na Capital,
foi ao Palácio Real
solicitar a pensão
a que ele tinha direito
pela sua abnegação;
mas, foi tal a confusão
por não conhecer a lei
que ali devia seguir,
que ficou quase a cair,
com uma grande aflição.

Sentindo um garrote, então,
a apertar-lhe o gasganete
que o deixou engasgado,
para não cuspir no chão,
cuspiu dentro do barrete
e ficou aliviado.

E depois, disse admirado:
Andando sempre no mar,
nunca fiquei enjoado
como nesta ocasião
em que o Rei, muito aprumado,
me estendeu a sua mão
e me disse, com agrado,
que me ia dar a pensão.

Com uma forte emoção,
disse-lhe: muito obrigado!
Nessa tão boa maré,
e já muito atrapalhado
por me ver ali à toa,
em vez d'ir de cia a ré
saí p'rà rua de proa.
Mas o Homem Poderoso
perdoou os erros meus
e, como era generoso,
com o seu olhar bondoso
veio-me dizer adeus.

Ao fitar os olhos seus
ergui meus olhos aos céus
p'ra agradecer o favor
de ver meu Rei e Senhor,
na rua, a dizer adeus
a um pobre pescador.

E, já cheio de pudor
em frente dos que me viam,
tendo a minh'alma apertada,
senti a cara molhada,
pois dos meus olhos corriam
gotinhas d'água salgada.

Mas, depois da debandada,
já safo daquele mar
que não esqueço jamais,
pus-me logo a magicar,
não sei se bem, ou se mal,
que tínhamos Grande Arrais
neste nosso Portugal.»

Curvo-me respeitosamente diante deste e de tantos lobos do mar que na sua humildade e no seu silêncio foram capazes de nos indicar caminhos de Vida.


Manuel

pexito a 3 de Abril de 2007 às 23:56
Filho , neto ,bisneto de pescadores , com uma ponta de orgulho de me correr nas veias sangue desse herói

mais sobre mim
Março 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

24

27
28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO