de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 28 Maio , 2010, 18:28

Neste fim-de-semana: 29 e 30 de Maio

 



Numa altura em que a solidariedade é mais do que nunca necessária, os Bancos Alimentares Contra a Fome voltam a apelar à generosidade de toda a sociedade civil em mais uma campanha de recolha de alimentos.
Mais de 27 mil voluntários vão, no próximo fim-de-semana, convidar os portugueses a serem solidários com os mais necessitados da sua região, doando alimentos, em 17 regiões do país (Lisboa, Porto, Coimbra, Évora e Beja, Aveiro, Abrantes, S.Miguel, Setúbal, Cova da Beira, Leiria-Fátima, Oeste, Algarve, Portalegre, Braga, Santarém, Viseu e Viana do Castelo),
Os Bancos Alimentares Contra a Fome apoiam 1.750 instituições de solidariedade, que concedem apoio alimentar a mais de 275 mil pessoas comprovadamente carenciadas. Só no ano passado foram distribuídas 23 mil toneladas de alimentos (equivalentes a um valor global estimado superior a 31,4 milhões de euros), ou seja, um movimento médio de 90,7 toneladas por dia útil.
No 1º trimestre de 2009 verificou-se uma crescente procura de apoio alimentar, tanto por parte das instituições beneficiárias, como directamente por pessoas carenciadas, em linha com o agravamento da situação económica e com o crescimento do desemprego, que tem vindo a afectar um cada vez maior número de famílias portuguesas.

 

Fonte: Banco Alimentar

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 16 Maio , 2010, 17:50
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 29 Abril , 2010, 11:58

O alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), António Guterres, revelou ontem no Parlamento Europeu o seu contentamento com a recondução no cargo, considerando "um privilégio extraordinário" poder continuar a exercer este trabalho por mais cinco anos.

Ler mais aqui

 

NOTA: A admiração que nutro por António Guterres, como político e como homem de diálogo e solidário, que o seu partido, o PS, não quis nem soube aproveitar, leva-me a realçar o seu papel no âmbito das Nações Unidas. Penso, até, que é o homem certo no lugar certo. Daqui, deste meu modesto cantinho, felicito António Guterres e o seu esforço por dar rosto aos refugiados do mundo.

 

 

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 19 Abril , 2010, 23:49

Perante a tragédia, que fale a solidariedade

 

Há gestos que não podemos deixar de sublinhar e aplaudir. Depois de tantas guerrinhas e mal-entendidos, um temporal com dezenas de mortes e muita destruição, da ordem de mais de mil milhões de euros, aproximou o primeiro-ministro, José Sócrates, e o presidente do governo regional da Madeira, Alberto João Jardim.

No PÚBLICO pude ler isso mesmo, esperando que tudo o que aconteceu sirva de exemplo para todos os portugueses. Para lá da defesa dos ideais que cada português alimenta, há o amor pátrio que nunca nos deve separar. E como diz José Sócrates, “Há momentos em que perante a tragédia o dever da controvérsia política é calar-se para que falem os sentimentos nobres de humanidade, de solidariedade e do dever que temos para com os nossos compatriotas” . E acrescentou: “são esses laços de amor ao país, esse patriotismo que a todos nos une e a todos nos aproxima.”

 

Leia mais aqui

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 09 Abril , 2010, 18:09
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 22 Março , 2010, 19:42

«A ajuda humanitária é uma fraude em termos gerais»

 

 

 

 

 No caderno ACTUAL do Expresso, José Mattoso, o nosso mais conceituado medievalista, afirmou, a propósito da sua estada como cooperante em Timor, estar desiludido «com a administração da ONU e com o dinheiro que gasta com funcionários». Depois estende a crítica a um grande número de ONG (Organizações Não Governamentais), adiantando que «A ajuda humanitária é uma fraude em termos gerais. Evidentemente que há gente muito generosa e competente, mas uma grande parte dessas organizações só serve para dar emprego». Refere ainda que «Dá a impressão de que ficam contentes cada vez que há uma catastrofezinha. É um bocado cínico dizer isto, mas infelizmente acho que é verdade».

 

Não é a primeira vez que registo tal opinião. Importa, portanto, que as autoridades que tutelam as ONG averigúem até que ponto é verdade o que se tem dito. Então não é correcto pensar que todos os voluntários das ONG ou a grande maioria  deles são pessoas que se entregam, sem outros interesses que não sejam o bem-fazer a quem precisa?

 

FM

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 25 Fevereiro , 2010, 17:40

Pepitas de ouro, que o são de esperança

por António Marcelino

 
Restaurantes de Santa Maria da Feira organizaram-se para darem diariamente uma refeição a famílias em dificuldade. Onde comem cinquenta, também comem mais dois ou três, e ninguém vai à falência por ajudar o próximo.
Milhares de jovens de toda a Europa, e mesmo de outros continentes, vieram ao Porto neste Carnaval, para, em clima de Taizé, rezarem, reflectirem, conviverem, aprenderem ou exercitarem o valor do silêncio que é gerador de paz. Centenas de famílias receberam-nos gratuitamente nas suas casas, como se de filhos se tratasse.
Comunidades, paroquiais e dioceses, continuam a fazer seus, na medida do possível, os grandes problemas do Haiti. Organizaram-se para uma partilha significativa que alivie a gente do país, nas suas dificuldades, a sentir o calor da solidariedade fraterna.
Cada dia os meios de comunicação social nos narram desgraças. Também lá vêm estas e outras pepitas de ouro que muitas vezes passam despercebidas.
Dizia-se há dias que não seria possível esta onda de solidariedade se não fossem os meios de informação globalizados que aproximam de nós as dores e as alegrias. É verdade. Mas o coração só se cola a estas notícias, quando já está sensível aos outros. Muita gente leu, viu e ouviu e ficou-se… Outros interiorizaram a notícia, deram o seu contributo, grande ou pequeno, entenderam o apelo como grito de fraternidade. Só esta move o coração aos desconhecidos, num mundo onde tudo se passa próximo de nós.
A Quaresma também é tempo de partilhar e de fazer bem. Os distraídos que acordem. É sempre tempo. Não falta quem precise da partilha generosa dos que têm pouco e de clamar o seu direito sobre o que sobra aos quem têm muito.
 
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 21 Fevereiro , 2010, 17:23

  

Recordações da Madeira

 Quando fixo as tristíssimas imagens que nos chegam da Pérola do Atlântico, a nossa ilha da Madeira, recordo com saudade umas férias que lá passei há anos. A ilha era de facto um jardim florido e viçoso, com turistas por todo o lado olhando, extasiados, uma beleza ímpar.

De lá trouxe a lhaneza dos madeirenses, os serviços turísticos perfeitos, o sabor inigualável do peixe fresco e a cultura de tradições centenárias.
Na altura havia a azáfama das auto-estradas e túneis que aproximavam terras e pessoas. Estive no Curral das Freiras, depois de descer, para depois subir, por estrada estreita cheia de curvas e com desfiladeiros por vezes assustadores.
De tal modo gostei da Madeira que prometi a mim mesmo que voltaria. Não voltei ainda, que o meu comodismo me não tem deixado. Mas agora, que os madeirenses mais precisam da nossa solidariedade, quase imponho à minha consciência o cumprimento da promessa.

 

 

 

 

 

 A solidariedade de todos nós

 

Perante as catástrofes naturais e outras, os portugueses sempre souberam mostrar a grandeza da sua solidariedade. Cada irmão do mundo que sofre cada coração que se lhe abre em generosidade. Tem sido assim. Com o Haiti recentemente. Estes dias, de forma brutal, a natureza foi injusta para com os madeirenses. Os Governos, da República e da Região, de braço dado, já garantiram que tudo farão para restituir à ilha e ao seu povo, que é o nosso povo, a Madeira que têm erguido com tanta coragem. O ânimo não lhes faltará. Nem a nossa colaboração pronta e generosa.

 

  

FM

 

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sábado, 30 Janeiro , 2010, 23:57


GERIR A AJUDA: ENVOLVER QUEM PRECISA
Por Georgino Rocha


“Não sabes a alegria que me deu todo este processo” – confidencia o Padre Serrano, coordenador do serviço social dos Jesuítas para o Haiti, em carta recente aos amigos.
O processo referido diz respeito à descarga e distribuição da ajuda alimentar à população, após as peripécias do transporte de São Domingos para as localidades de destino.
“Uma alegria ligada a uma nova compreensão da situação, a uma referência muito concreta às pessoas, a uma nova forma de gerir a ajuda… Há que integrar as pessoas no próprio processo” – esclarece, emocionado e satisfeito.
E para ilustrar a sua convicção, afirma: “Quando se amontoaram à nossa porta, recordo a voz e o rosto de Soucet, uma mulher vigorosa que exigia alimento, com irritação ostensiva. Recordo o meu temor perante tanta gente. Agora vejo caras amigas, pessoas com as quais se comparte e trabalha pela mesma causa… Agora temos segurança e protecção mais forte do que aquela que podiam brindar-nos as forças militares, temos o acompanhamento de quem pretendemos ajudar” – atesta, concluíndo o seu precioso e comovente relato.
Gerir a ajuda, envolvendo os próprios necessitados, ouvindo-os e responsabilizando-os, reconhecendo as suas capacidades e valorizando-as, confiando no acerto da informação que chega e da que é transmitida – eis a proposta desafiante.

“Enquanto nos reuníamos para organizar a distribuição, um grande número de pessoas começou a dar murros na porta, pedindo alimento” – adianta aquele responsável que, de forma pedagógica, continua, “ suspendemos a reunião e pensámos no pior. Foi preciso chamar a polícia, mas a multidão não dispersou.”
E o Padre Serrano anota que, para se irem embora, foi preciso fazer a promessa de eu ir falar com eles, logo que pudesse, e de, no dia seguinte, lhes darmos da ajuda recebida.
“Nessa tarde tivemos uma excelente assembleia de moradores. Reconheceram ser necessário tempo para organizar a distribuição e nós verificámos que também eles deviam beneficiar dos bens chegados. Dei-lhes conta do nosso medo e dos sentimentos de insegurança.”
Garantiram que naquela zona seriam os garantes da ordem e da paz, organizaram-se para receber a ajuda e comprometeram-se a descarregar os camiões.
“E tudo correu de forma excelente” – remata o coordenador do apostolado social dos Jesuítas para a zona das Antilhas.
Este modo de proceder está em profunda consonância com o pensamento social cristão que sempre descobre nas desgraças uma oportunidade de superação e de promoção dos atingidos.
O “plano de reconstrução” do Haiti deve basear-se nos direitos humanos e ter em conta o princípio da subsidiariedade, valorizando as capacidades das pessoas e das suas organizações. Esta advertência é feita pelo representante da Santa Sé nas Nações Unidas, Dom Silvano Tomasi, que destaca como fundamentais os direitos: à vida, à nutrição, à agua, ao desenvolvimento, a uma esperança de vida adequada, a um trabalho digno. E acrescenta: “Estes direitos já estavam em grande medida ausentes”.
A tragédia veio mostrar a sua falta, realçar a urgência da sua realização e indicar o caminho da superação: todos somos responsáveis uns pelos outros; cada um deve ser tido em conta nas suas aptidões e contribuir com o que pode; tem de haver quem coordene e impulsione as iniciativas adequadas às capacidades das pessoas e às exigências das situações.


 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 09 Dezembro , 2009, 12:58

CUFC

A ORBIS - Cooperação e Desenvolvimento, organização não governamental,  abriu a Loja de Comércio Solidário e Comércio Justo no CUFC (Centro Universitário Fé e Cultura).
A loja está aberta de quarta a sexta, das 10 às 17 horas, e ao sábado, as 10 às 13 horas. Trata-se de uma iniciativa destinada a apoiar projectos de desenvolvimento em África e no Brasil, sendo os produtos vendidos segundo as regras do “comércio justo”.
Os que puderem, e há muitos que podem, certamente, podem ali fazer as suas compras de Natal, levando à prática a marca da solidariedade.

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 29 Novembro , 2009, 10:51
ATITUDES
PERANTE A CRISE


Sonhei, acordado. A imaginação deu largas à fantasia. Ouvi o mundo a queixar-se. Vi legiões de pessoas desfiguradas, empresas fechadas, famílias desfeitas e à procura de estabilidade, escolas questionadas, clubes endividados. Notei que havia muitos sinais de crise que parece ser global. Dei conta que num fórum se discutiam propostas para ultrapassar a situação e tentei apurar os sentidos para captar o conteúdo de cada uma.
Realmente o mundo está mal, sofre de uma doença terrível – afirma o banqueiro. Não sei onde pára o dinheiro, que é a base da sua alimentação. Ele nunca é muito, mas nos últimos anos dispusemos de enormes quantias. Ainda bem que tive a ideia e a sorte de pôr o meu em lugar seguro.
Mas, se não há dinheiro – atesta o empresário -, o mundo não pode comer e aumenta a fome, mas sobretudo como posso eu garantir os meus lucros?! Temos que fazer uma declaração de crise, despedir trabalhadores e candidatar-nos a alguns recursos que o Estado tenha para estas circunstâncias.
A solução – sentencia o político com ares de quem dispõe de medidas acertadas e eficazes – passa pela injecção de doses de dólares e de euros. (Usou duas palavras novas: a dólar-icina e o euro-tamol). Só assim o mundo pode recuperar e manter-se como estava.
Estou em completo desacordo – declara o voluntário da organização não governamental para o desenvolvimento. O que é preciso é mudar de opções e adoptar medidas que ajudem os mais pobres, medidas que acabem com os paraísos fiscais que sempre “engordam” a riqueza de quem a tem e usa de forma egoísta.
Deixem-se de devaneios – aconselha o médico lembrando que o doente precisa de uma boa análise de todos os sintomas e de um diagnóstico exacto, São necessários mais especialistas para contrastar opiniões. Só depois se pode receitar uma correcta terapia e esperar que o mundo se cure.
O meu sonho acordado vê entrar em cena Jesus de Nazaré ressuscitado. Confiante, aproxima dos intervenientes no fórum, olha-os com simpatia e manifesta-lhes a sua preocupação. Tento apanhar tudo o que diz e faz, por gestos e palavras. Não aponta os males do mundo. Mostra apreço pela bondade e beleza das pessoas, reconhece e louva o que se faz de bem e recomenda uma nova escala de valores, a começar pela atitude de cada um.
Ânimo – diz-lhes com tom vigoroso -, aprendei com a crise a ser mais solidários, criai um nova organização de bens e serviços a nível mundial e local, encorajai-vos mutuamente, prestai uma atenção maior a quem está mais desfavorecido. E contai sempre comigo que, discretamente, estou no meio de vós para impulsionar a vossa esperança.
O meu sonho chegou ao fim. Cortei o fio à imaginação com a certeza de que tinha feito um retrato muito nítido, embora reduzido, de algumas atitudes humanas que a realidade nos vai mostrando.

Georgino Rocha

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 26 Novembro , 2009, 12:34




A solidariedade sempre renovada
dos portugueses volta a ser posta à prova


Os Bancos Alimentares Contra a Fome voltam a apelar, no próximo fim-de-semana, à generosidade do público em mais uma campanha de recolha de alimentos. A solidariedade sempre renovada dos portugueses volta a ser posta à prova num momento de particular dificuldade e necessidade: nunca como agora fez tanto sentido a ideia de que é possível fazer a diferença apenas com um pequeno gesto.
Numa época em que muitas famílias portuguesas se encontram em dificuldades, a partilha e a solidariedade são mais do que nunca necessárias. Os desempregados, os idosos, as crianças e as famílias desestruturadas são os grupos mais atingidos pela situação de forte agravamento da situação económica que se vive em Portugal e no Mundo. Para fazer face a um crescente número de pedidos de apoio que tem vindo a chegar aos Bancos Alimentares contra a Fome é forçoso que estes alarguem a sua capacidade de resposta. Concretizar esse objectivo e minorar as carências alimentares das pessoas necessitadas é a proposta lançada uma vez mais a toda a sociedade civil: contribuindo com trabalho voluntário e com alimentos é possível fazer a diferença.
A combinação da solidariedade generosa dos portugueses e da eficácia comprovada da acção dos Bancos Alimentares Contra a Fome na tentativa de minorar a penosa realidade das carências alimentares, constitui a prova evidente de que a sociedade civil se pode - e deve - substituir-se com vantagem ao Estado na resolução de alguns dos problemas com que se confrontam as sociedades modernas, tornados recentemente ainda mais evidentes e agravados pela crise económica, que trouxe consigo um significativo abrandamento da actividade e um brutal e súbito agravamento do desemprego.


 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 13 Novembro , 2009, 12:31



Como sabem a Missão Sorriso todos os anos costuma oferecer equipamento a Hospitais da sua área que tenham Serviço de Pediatria.

Este ano o procedimento foi diferente. Cada hospital interessado teve de se candidatar com um projecto, sendo que só os projectos vencedores é que beneficiam desta iniciativa da Missão Sorriso.
Este ano, apenas cinco unidades serão seleccionadas.
A edição MISSÃO SORRISO 2009 integra uma votação on-line. Os projectos/hospitais mais votados passarão à fase seguinte.  Basta clicar aqui e votar.
Puxando a brasa à minha sardinha (uma vez que o hospital de Ponda Delgada não foi um dos seleccionados) podem sempre votar no hospital de Aveiro que é o Infante D. Pedro

Alda Casqueira

Nota: A Alda, dona do Miminhos e Carinhos, teve a gentileza de me enviar este alerta-desafio, a todos os títulos louvável. E já agora, minha cara Alda, convence a tua filhota a gostar desta nossa terra, como todos os gafanhões gostam.

FM
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 08 Outubro , 2009, 15:16
[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] $r>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="http://4.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/Ss3tNvymV_I/AAAAAAAAMtw/z5dLTM0bYoE/s1600-h/P4190016.JPG" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;"><img $r="true" border="0" src="http://4.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/Ss3tNvymV_I/AAAAAAAAMtw/z5dLTM0bYoE/s320/P4190016.JPG" /></a><br /></div><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><br /></div>                                <br /><div style="text-align: center;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>Portas abertas à partilha de saberes</strong></span><br /></div><div style="border-bottom: medium none; border-left: medium none; border-right: medium none; border-top: medium none;"><br /></div><br /><div style="text-align: justify;">Comecei o meu dia no blogue com artes. Penso que as artes devem estar sempre nos nossos horizontes, porque a beleza dá outro sentido à vida. Tal como a bondade, a tolerância e o amor. Mas hoje também poderia começar com outros temas enriquecedores, como a solidariedade, a disponibilidade e a beleza da partilha. É que, a abertura do ano lectivo da Universidade Sénior da Fundação Prior Sardo, que ocorreu da parte da manhã, suscitava isso mesmo.<br /></div><div style="text-align: justify;">Mais de meia centena de pessoas interessadas em partilhar saberes e alguns jovens (e menos jovens) disponíveis para as acompanhar e animar, nessa troca de conhecimentos, marcaram significativa presença na sede da Fundação Prior Sardo.<br /></div><div style="text-align: justify;">Afinal, e ao contrário do que muitos pensam, há gente que gosta de dar e de receber cultura e valores, que emprestam mais vida à vida de cada um e de todos. <br /></div><div style="text-align: justify;">Gostei de tudo, mas não posso deixar de valorizar o precioso contributo de jovens, abertos ao convívio com uma geração mais idosa, que não velha. Idosos que não são velhos são aqueles que acreditam que o saber não ocupa lugar, que há continuamente razões para aprender mais e para dar o seu saber a outros. <br /></div><div style="text-align: justify;">Jovens que podiam ser meus netos, mas que ali estavam animados pelo prazer de pôr em comum o que podem (e podem muito) e sabem dar. <br /></div><div style="text-align: justify;">Quando vejo uma certa juventude mais voltada para futilidades, mais aprecio esta, que cultiva a solidariedade, a disponibilidade e a beleza da partilha.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">FM<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Nota: Inscrições e Informações na <a href="http://www.fpriorsardo.org/">sede</a>. <br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"> </div>
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 07 Outubro , 2009, 23:55
[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] $r>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="http://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/Ss0cIIzRAsI/AAAAAAAAMtg/to41AnKogW8/s1600-h/ami.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;"><img $r="true" border="0" src="http://1.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/Ss0cIIzRAsI/AAAAAAAAMtg/to41AnKogW8/s320/ami.jpg" /></a><br /></div><div style="text-align: justify;"><br />1. O turbilhão do sismo e tufões tem marcado os dias difíceis da costa asiática. Indonésia e Filipinas, especialmente, foram fustigadas por tragédias naturais que nos devem deixar a pensar. As designadas sociedades de bem-estar ocidental são, volta e meia, abaladas por imagens de tragédias cuja proveniência sendo de longe se fazem bem perto. Se o tsunami de 2004 teve grande impacto na consciência do mundo, seja registado o dado histórico que estas chuvas torrenciais de há mais de uma semana bateram os máximos registados desde 1976, tendo inundado mais de 80% de Manila (capital das Filipinas) e provocando centenas de mortos e desaparecidos. Em zonas do planeta tão frágeis, em termos de construção civil para as gentes do povo, poder-se-á dizer, o safanão da natureza provocou estragos em casas e edifícios atingindo alguns milhões de pessoas.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">2. Números são números, pouco valem, porque o que conta é cada pessoa que sofre. Esta visão personalista da vida e dos valores humanos aplicados na solicitude para com cada ser humano faz-nos ficarmos sensibilizados para com cada situação. É esta a alma que é a chama sempre nova da multidão de missionários modernos que são presença de apoio humanitário. Muitas coisas (mesmo passos e ideias em termos de clubismos ou visões sociopolíticas e religiosas) poderão ser questionáveis, mas o que nunca o será é o espírito do «amor ao próximo», esta a autêntica escola da vida que gera futuro. Nesta hora da tempestade merecem lugar de apreço especial as organizações que largam a teoria e partem para o lamaçal. Apoio em termos de saúde e de alimentação são nesta hora a presença da «salvação».<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">3. Milhares de pessoas soterradas, cerca de mil mortos e uma multidão de deslocados. Nesta hora da necessária ajuda em tempo real a AMI – Assistência Médica Internacional está lá (www.ami.org.pt). Nas Filipinas e Indonésia, como em tantos outros locais, aqui e ali, é hora do essencial: gerar espírito de serviço.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><a href="http://1632un.blogspot.com/">Alexandre Cruz</a> <br /></div>
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO