de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 17 Setembro , 2008, 14:12

A FALÊNCIA ESTÁ AÍ!


Já por diversas ocasiões, tenho feito referências, nomeadamente neste blogue, à necessidade de uma nova arquitectura internacional, capaz de garantir a satisfação dos mais elementares direitos humanos como, por exemplo, o direito à alimentação diária, de todas as pessoas, ao mesmo tempo que dê um impulso decisivo à resolução dos gravíssimos problemas mundiais que, há décadas, se encontram por resolver pela comunidade internacional, através de acções concretas das suas instituições.
Diz o provérbio que “não há pior cego do que aquele que não quer ver”, ou seja, a sociedade internacional tem sobre si toda uma série de dados, indicadores, avisos e ameaças concretas, que já ninguém pode disfarçar como não existentes ou, então, minimizar como não prioritários e importantes na sua resolução.
Há poucos meses, quem é que imaginava, a nível do pacato cidadão dos chamados países desenvolvidos, nos quais se inclui Portugal, que a questão da escassez de alimentos ou dos seus brutais aumentos, começasse a colocar-se como uma ameaça séria, para os próprios países desenvolvidos, nestes primeiros anos do século XXI?
Já não bastavam os gravíssimos problemas, que se arrastam, indefinidamente, no tempo, relativos à falta, sistemática, de alimentos suficientes para alimentar tantas populações do continente africano, entre outros, cuja resolução está longe de se encontrar num estado satisfatório, como ainda se (re)confirma que a lógica de pôr um novo problema em cima de um ainda não resolvido persiste e não tem tendência para ficar por aqui. A chamada crise financeira internacional está aí a demonstrá-lo, inequivocamente!
Em linguagem empresarial, a conclusão óbvia a reter é que a arquitectura internacional, em vigor, está falida e, como qualquer empresa falida, deve dar o seu lugar a outras, capazes de se adaptarem às novas realidades, aos novos tempos e com novos protagonistas. Quando se fala em novos conceitos de inovação, aprendizagem permanente, globalização, reestruturação constante, investigação aplicada, adaptação às novas realidades e de muito mais que se queira acrescentar à lista, fica a ideia de que tudo isto é para aplicar a seres de outras galáxias e não a toda uma série de organismos internacionais que mais parecem viver ainda no tempo em que foram criados.
A ONU (1945), a Organização Mundial de Comércio (1994), o Fundo Monetário Internacional (1945) ou o Banco Mundial (1944) são exemplos de organismos parados no tempo ou amarrados a poderosos interesses que os impedem de se reformularem e com eles a sociedade e o que dela imana.
Não está em causa a existência destas instituições – cada vez mais necessárias –, mas sim a forma como insistem em se manterem num mundo que já nada tem a ver com as realidades e os contextos em que foram e para que foram criadas.
Estamos, pois, perante, uma série de crises estruturais, das quais a do sistema financeiro norte-americano é a mais recente, que já não se resolvem com as duvidosas receitas de antigamente, tão de agrado de alguns.
O não criar condições para a existência de um comércio mundial livre e justo, o não reestruturar toda a economia mundial, para que a riqueza seja melhor distribuída por todo o planeta, o querer lucros desmesurados e a qualquer preço, a falta de regulação e regulamentação dos mercados, entre outras causas que podiam ser, aqui, referidas, são alguns dos obstáculos que estão a impedir um progresso e um desenvolvimento sustentado e partilhado por todos, que garanta a paz, preserve o ambiente e dignifique o homem.
Se os principais dirigentes mundiais, designadamente os políticos e economistas, persistirem em fazer que não percebem esta nova realidade e a não querer ver os múltiplos desafios – e oportunidades – que ela comporta em si mesmo, para o presente e o futuro do mundo, é porque continuam a insistir em por remendos num pano gasto e roto, cuja factura acaba, como sempre tem sucedido, por ser paga pelo cidadão comum, que em nada contribuiu para que se atingisse este estado caótico e imprevisível.

Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 01 Agosto , 2008, 20:22
Sobre o sentido humano das férias


“Depois de haver aplicado a um trabalho o seu tempo e as suas forças, de uma maneira conscienciosa, todos devem gozar de um tempo de repouso e de descanso suficiente para se dedicarem à vida familiar, cultural, social e religiosa” (Gaudium et Spes, 67).
À excepção daqueles – que os há – para quem ter um período de férias nada diz ou representa, na medida em que se tornaram escravos do trabalho e do tempo e já não sabem viver, no seu dia-a-dia, sem este comportamento, não há ninguém que diga que é mau ter férias e é com expectativa que aguardam por elas, tal como uma criança espera por um presente que pediu e muito deseja, não vendo a hora de ele chegar. É bom e necessário ter férias, sobretudo quando passamos, cada vez mais, a vida a correr contra o tempo e as contrariedades que estão sempre à nossa espreita. Por outro lado, lamentamo-nos, frequentemente e com razão, que não temos tempo para tudo e o cansaço torna-se numa presença constante, retirando, quantas vezes, qualidade de vida e prazer em usufrui-la da melhor forma, por cada um de nós.
Deste modo, falar de férias é ir muito mais além de um determinado período de repouso ou de mudança de hábitos ou da simples interrupção das idas diárias para o trabalho, em que o relógio é dono e o senhor implacável do nosso ritmo de vida.
As férias têm, pois, um profundo sentido humano e humanizante que não só radica na justiça em as ter, mas que se entrelaça, directa e profundamente, com tudo aquilo que as envolve, antes e depois destas serem gozadas, ou seja, nem as férias devem ser vistas como um escape às justas responsabilidades individuais de cada um nem o trabalho como um castigo para quem o tem. Parece-me, no entanto, que este sentido humano e humanizante das férias nem sempre é tido em conta, a começar pelo esquecimento a que são sujeitos a larga maioria dos portugueses, que não podem, injustamente, usufruir de um merecido tempo de repouso e descanso laboral, o que acaba por aumentar as desigualdades e a insensibilidade social ao sofrimento e à injustiça dos outros.
A tudo isto, há que recordar os doentes, os idosos, os presos, os que são vítimas de situações de exploração no trabalho ou os abandonados.
Às famílias com mais posses financeiras pede-se, quando for caso disso, que integrem os seus membros mais carenciados nos seus projectos de férias.
Às autarquias, entidades estatais e eclesiais, exige-se que tenham presente este sentido humano que as férias contêm em si mesmo e tudo façam para dar um pouco de dignidade a tantos que se contentam com tão pouco.
É fácil, para quem o pode fazer, marcar rotas, destinos e projectos e partir em busca de novas paragens e experiências. O difícil é saber valorizar, muitas das vezes, o próprio tempo e, por via de razão, o tempo dos outros.
Por último, recordo algumas palavras de João Paulo II sobre as férias: “Quantas vezes se sofre devido ao cerrado ritmo de trabalho (…) Quantas vezes é difícil encontrar o clima sereno e a atmosfera tranquila para viver a intimidade, dialogar e fazer emergir as exigências e os projectos de cada um! Então, eis que as férias são propícias, antes de mais, para colmatar estas lacunas, por assim dizer, de “humanidade”, de paz e convivência. Daqui a exigência de as férias serem efectivamente um período de renovação humana em que, longe do habitual ambiente de vida, é possível encontrar-se a si mesmo e aos outros, numa dimensão mais equilibrada e serena.”
Comecei este texto com uma citação da Constituição Gaudium et Spes e é com uma outra citação deste Documento da Igreja que vou terminar: “Por fim, o trabalho deve ser remunerado de tal modo que permita ao homem e à família levar uma vida digna, tanto material ou social, como cultural ou espiritual, tendo em conta as funções e a produtividade de cada um, e o bem comum” (GS, 67).
Contudo, a crueldade, a ganância e o egoísmo do homem vão-se encarregando de separar (desumanizar) e, até, fazer esquecer estas duas dimensões da vida humana. Procurar uni-las é um desafio permanente, para os que acreditam que o valor e o significado das férias está para além do legítimo passear ou descansar, para se situar na relação de cada um consigo mesmo, com os outros e com o mundo. Para todos os leitores, se for caso disso, umas excelentes férias e, sobretudo, que tenham uma vida feliz e de realizações partilhadas. Com férias ou sem elas!

Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 01 Agosto , 2008, 06:45

A realidade da Terra e os caprichos siderais de alguns

Que o mundo anda a múltiplas velocidades e que, em muitos casos, a inércia, instalada pelo homem é de tal ordem que as soluções para os problemas, graves e injustos, que afectam a maioria dos seus habitantes, em detrimento de uma minoria, tardam em chegar já todos nós sabemos desde há muito. O próprio Mahatma Gandhi (1869-1948) dizia, frequentemente, que “O mundo é suficientemente rico para satisfazer as necessidades de todos, mas não a avidez de alguns”.
Tudo isto não impede o cidadão comum de olhar para todos os lados e cantos do mundo e ver o que de bom e de mau se vai fazendo nele, até porque é uma das melhores maneiras de confrontar a sua consciência crítica, de intervir e procurar modificar o que de inaceitável existe, do ponto de vista dos valores naturais e universais de cada pessoa.
É neste olhar global que tomei conhecimento de que, muito provavelmente a partir do ano de 2010, o turismo espacial vai ser possível e a sua generalização – à tal minoria privilegiada – uma realidade.
Confesso que, desde pequeno, me fascinou a conquista do espaço e recordo, muito bem, o longo tempo que passei a ouvir, na antiga Emissora Nacional, os comentários e reportagens das viagens espaciais – sobretudo as do Projecto Apolo – através da voz e do grande saber e rigor científico do seu saudoso comentador Eurico da Fonseca.
É dentro de todo este contexto, que li a notícia de que, no passado dia 28 de Julho, o multimilionário britânico, Sir Richard Branson, e a sua firma, Virgin Galactic, apresentaram no Deserto de Mojave, a norte de Los Angeles, nos EUA, o avião a jacto, “Cavaleiro Branco – 2”, que servirá de plataforma ao lançamento da nave espacial que colocará os seus seis passageiros (turistas) e os seus dois pilotos a uma altura suborbital de cerca de 110 quilómetros acima da Terra, internacionalmente reconhecida como a fronteira do espaço.
O avião a jacto “Cavaleiro Branco-2” tem quatro motores e uma envergadura (maior distância entre as pontas das asas) de 43 metros e levará acoplada a nave espacial, de nome “Eve”, até uma altura de 15 quilómetros, após a qual esta é separada do avião a jacto e lançada, com foguetes próprios, a uma velocidade três vezes superior à velocidade do som, até atingir a distância suborbital.
Estes voos espaciais, de ida e volta, sem circularem à volta da terra, incluem 5 minutos de “gravidade zero” e o tempo total da viagem, desde a descolagem do jacto até à aterragem da nave, demorarão à volta de duas horas e trinta minutos.
Até agora, já estão inscritas mais de 250 pessoas nestas viagens e a Virgin Galactic espera que, no primeiro ano, sejam transportadas cerca de 500 pessoas, o que corresponde, aproximadamente, ao número de pessoas que foram enviadas ao espaço, desde que, em 12 de Abril de 1961, o cosmonauta russo Yuri Gagarin (1934-1968), se tornou o primeiro homem a ir ao espaço, a bordo da nave Vostok I.
O custo, por pessoa, é de duzentos mil dólares, o que corresponde a 127 mil euros.
De novo com os pés na terra, estas e outras notícias dão-nos a dimensão dos contrastes e das desigualdades que persistem neste nosso planeta azul, onde milhares de pessoas têm que percorrer, a pé e diariamente, dezenas de quilómetros para irem buscar alguns litros de água para a sua alimentação, situação em que a África é o exemplo mais gritante.
É certo que a investigação científica deve estar ao serviço do desenvolvimento integral do ser humano, sobretudo daqueles que mais sofrem e são vítimas de injustiças. São estes que não têm como prioridade de vida andarem pelo espaço, mas apenas querem ter a possibilidade – em regra, negada – de poderem ser felizes na Terra, para, a partir dela, contemplarem a beleza do Universo e do seu Criador. Isto lhes basta!
Vítor Amorim

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 31 Julho , 2008, 10:59

Petróleo e euforia? Não, obrigado!

Ainda há poucas semanas, o preço do barril do petróleo andava na casa dos 149 dólares para se situar, nesta altura, no valor de 126 dólares. Sem dúvida que é uma descida significativa e bem vinda, mas não mais do que isso, muito menos é uma evolução, como já ouvi dizer a várias pessoas, que nos possa levar a concluir que a crise já passou e que, agora, vai voltar tudo ao normal. Por diversas vezes, tivemos a oportunidade de escrever, aqui, no Pela Positiva, sobre os preços elevados do petróleo, sem que tal se justificasse, sobre o ponto de vista de custos exploração, refinação e distribuição, pelo que só factores especulativos, políticos, ideológicos, entre outros (mas sempre obscuros e, por isso, não controláveis), poderiam justificar as subidas vertiginosas que, quase diariamente, se fizeram sentir nos mercados mundiais, neste último ano.
Ultimamente, responsáveis da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) têm dito que é provável que o barril do petróleo possa descer até aos 82 dólares. Esta afirmação vale o que vale, na medida em que o negócio mundial do petróleo não se resume apenas à OPEP, por muito boas intenções que possa ter e de que eu, pessoalmente, duvido. De qualquer modo, há que ter em conta – e isto é fundamental – que estas descidas começaram a surgir quando já era notório uma desaceleração acentuada da economia mundial, pelo que o consumo do petróleo iria, necessariamente, diminuir. Quer isto dizer que esta descida do valor do petróleo surge pelas piores razões e se não forem eliminadas as variáveis obscuras e não controláveis, acima referidas, não passa de uma descida conjectural, ou seja, temporária e sem significado.
Admitindo, no entanto, que a descida veio para ficar e continuar (o que, repito, duvido), mesmo que a economia mundial retome o seu crescimento, há lições muito sérias que se devem retirar de toda esta crise petrolífera que se tem vivido.
Primeiro, a sociedade mundial não pode estar dependente nem estruturada – como ainda está, e vai estar, durante largos anos – à volta de uma única fonte de energia.
Segundo, todos os cidadãos devem aprender a alterar, profundamente, os seus hábitos diários de vida, a começar pelo uso que dão ao seu automóvel, que deve ser reduzido ao máximo, apostando mais nos transportes públicos.
Terceiro, nas suas habitações, as pessoas devem preocupar-se em terem sistemas e hábitos eficazes de poupança de energia, a começar pelo seu aquecimento e iluminação. Muitas das vezes, um ligeiro investimento inicial, na moradia, traduz-se em ganhos, posteriores, nos gastos energéticos.
Quarto, vai ter que continuar, e até reforçar-se, a investigação em energias alternativas ao petróleo e as novas habitações devem estar preparadas para produzirem a sua própria energia, pelo que só líderes políticos loucos e irresponsáveis é que podem não ter isto em linha de conta.
Quinto, admitindo que vai continuar a descer o preço do petróleo, este não é eterno e quanto mais tarde se fizer a transição para uma sociedade pós-petróleo, maiores são os custos e as convulsões sociais que surgem.
Sexto, a volatilidade das políticas e a desregulação do negócio petrolífero é por demais evidente, já que nem governos nem especialistas desta área energética eram capazes de prever o que se iria passar nas horas seguintes.
Sétimo, muitos governos tiveram que subsidiar vários sectores da actividade económica dos seus países – caso das pescas e dos transportes, em Portugal – com o dinheiro de todos os contribuintes, que podia ser canalizado para outros fins. Se a descida se mantiver, qual é o Governo que tem a coragem de retirar, agora, estes subsídios?
Oitavo, esta crise deu para perceber que em Portugal não há concorrência séria neste mercado e estas recentes descidas da GALP, BP e Repsol provaram-no, mais uma vez.
Muitas outras razões poderiam ser invocadas, mas estas devem ser as suficientes para que não se passe para um estado de euforia injustificada e perigosa ou para a ideia que tudo volta a ser com dantes, como já tive a ocasião de ouvir um pouco por aí.

Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 30 Julho , 2008, 10:14

De crise em crise até à (in)justiça final?

No passado dia 25, de Julho, escrevi algumas linhas sobre a reunião da FAO, que decorreu na cidade de Roma, entre 3 e 5 de Junho, com o suposto intuito de se encontrarem soluções para a falta e o aumento do custo dos alimentos, à escala mundial. Estiveram presentes 181 países, mas nada de concreto saiu deste fórum internacional. Para isso, muito contribuiu os diferentes interesses em jogo, sobretudo da parte dos EUA e da UE.
Decorrido cerca de um mês – mais concretamente entre os dias 7 e 9 de Julho – o chamado grupo do G8 (Alemanha, Canadá, EUA, França, Grã-Bretanha, Itália, Japão e Rússia) reuniram-se no Japão, para discutirem, entre outros assuntos, as crises alimentar, energética e climática.
As medidas anunciadas pelos líderes destes oito países, após a cimeira, foram vagas e superficiais e, de concreto, os seus efeitos, para a resolução futura dos vários problemas que afectam o mundo, deixam muito a desejar.
Exemplo disso está na intenção de reduzir, em mais de 50%, a emissão dos gases que contribuem para o efeito estufa, até ao ano 2050, o que significa que estaremos a mais de 40 anos da sua possível concretização, e onde os EUA têm a prerrogativa de traçarem as suas próprias datas e limites! De resto, os líderes do G8 apelaram ao aumento da produção petrolífera, sem terem concretizado nada no que respeita à eficácia energética ou à diversificação das fontes de energia. Relativamente a medidas que possam contribuir para ultrapassar a crise alimentar que vivemos, foram tratadas pela rama, traduzindo-se, mais uma vez, num conjunto difuso de boas intenções.
Dias antes desta cimeira do G8 (dia 2 de Julho), o arcebispo D. Celestino Migliore, observador permanente da Santa Sé junto das Nações Unidas, em Nova Iorque, proferiu um discurso no Conselho Económico e Social das Nações Unidas, onde, a dado passo, refere: “ É difícil pensar que num mundo, no qual se gasta 1,3 triliões de dólares, por ano, em armamentos, não se disponha dos fundos necessários para cobrir as necessidades básicas das pessoas. Não há razões para não actuar, e um sincero desejo em actuar deve ser acompanhado das acções necessárias, mais do que palavras e de boas intenções.” Reuniões, conferências ou debates não faltam, um pouco por todo o lado, supostamente para debelar as crises que, desde há muito, se vêm abatendo sobre o mundo, mas, de concreto, nada sai delas. De tudo isto, fica a reconfirmação de que a manutenção da pobreza, entre outros exemplos, interessa a muita gente poderosa, para que o mundo continue a ser o que tem sido até aqui. Recentemente, o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-Moon, dizia que 15 a 20 mil milhões de dólares, anuais, era o valor necessário para combater os efeitos da crise alimentar. Ora, segundo o Gabinete do Orçamento do Congresso dos EUA e outros especialistas, a guerra do Iraque custará entre 1 a 2 milhões de milhões de dólares, ou seja, cerca de 50 vezes mais do que o necessário para matar a fome a todos os esfomeados do mundo. Pelo que se vê e se sabe desde há muito, a questão da erradicação da fome não é feita por falta de dinheiro, mas sim devido aos interesses e prioridades estabelecidas e os fins a atingir pelas nações que vão dominando o mundo a seu belo prazer. Definitivamente, a dignidade da pessoa humana não é, ao contrário do que se quer fazer querer, uma prioridade ou um valor a defender. Por isso, na reunião da FAO, em Roma, o Papa Bento XVI enviou uma carta aos conferencistas, onde dizia: “…a fome e a desnutrição são inaceitáveis, num mundo que, na realidade, dispõe de níveis de produção, de recursos e de conhecimento suficientes para acabar com estes dramas e as suas consequências…”. Homens de boa vontade (não há cristãos autênticos sem serem, primeiro, homens de boa vontade), temos que ter a exacta noção de que nada se pode fazer sem a conversão genuína de cada um em querer fazer o bem e, a partir daqui, assumir, como sua afirmação e seu compromisso individual, que em cada ser humano que sofre está Cristo (cf.: Mt 25,37-40) e alguém que tem o direito, natural, à sua dignidade, princípios em que se apoia todo o edifício dos direitos humanos, bem como a sua universalidade.

Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 28 Julho , 2008, 11:30

Olimpíadas de Pequim: batota antes dos jogos!

A realização de um evento desportivo como os Jogos Olímpicos, independentemente do local onde estes tenham lugar, é uma oportunidade de excelência para a projecção e prestígio do país organizador e um estímulo à sua afirmação (ou reafirmação) no seio da comunidade internacional, tanto do ponto de vista económico, como político, cultural e social. Para além desta dimensão externa que uma tal organização tem como sua componente intrínseca, há que não esquecer, nem desvalorizar, igualmente, a componente interna, através das profundas alterações e dinâmicas que decorrerem no interior do país acolhedor dos jogos e como estas se traduzem, ou não, na qualidade de vida dos seus cidadãos.
Neste ano de 2008, a XXIX Olimpíada da Era Moderna vai decorrer, como se sabe, na República Popular da China, entre os dias 8 a 24 de Agosto, tendo como cenário a sua capital, a cidade de Pequim
Na altura da escolha da China como país organizador deste certame, muitas foram as vozes que se levantaram, por todo mundo, contra esta decisão do COI, sobretudo pela sistemática falta de respeito que os responsáveis do país têm demonstrado pelos direitos humanos e pela inexistência de liberdade e pluralismo político do seu regime. Outros, entretanto, achavam que dar à China a organização destes jogos era uma oportunidade excelente desta se motivar e integrar-se dentro dos valores comportamentais dos países de matriz democrática e uma forma de a incentivar a fazer as suas próprias reformas internas, rumo a tal objectivo.
A poucos dias do início dos jogos, quase nada se conseguiu, em termos da expectável e legítima abertura política, em que alguns (ingénuos?) depositaram tantas esperanças, neste últimos anos. Quando muito, está-se a assistir, presentemente, a uma acalmia, concertada e pontual, por parte das autoridades chinesas, para que a sua imagem, durante os jogos, saia o menos prejudicada possível. Mesmo assim, já não conseguem fazer esquecer as atribulações por que passou o transporte da chama olímpica, devido à questão do Tibete, onde a repressão se faz sentir, diariamente, facto que é reconhecido pela própria comunidade internacional.
No princípio do mês de Maio, do corrente ano, o Padre Bernardo Cervellera, sacerdote do Pontifício Instituto para as Missões Exteriores, da Santa Sé, jornalista da Agência Asianews e missionário, durante anos, na China, publicou um livro, com o título “A outra face das medalhas”, no qual denuncia os abusos e a exploração a que os líderes chineses têm sujeitado parte da sua população, obrigando-a a trabalhar em condições de semi-escravatura, nos trabalhos de construção das estruturas olímpicas, afirmando que os verdadeiros heróis destas Olimpíadas são “os milhões de emigrantes – camponeses pobres – que fogem dos campos, numa situação de degradação, fome e pobreza, para buscar fortuna nas grandes cidades e nas aglomerações industriais da costa.” São estes camponeses, transformados em operários, sem horário de trabalho, com salários irrisórios, quando lhes pagam, sem assistência à saúde e alojados em barracas ruinosas que têm contribuído para que este acontecimento desportivo seja possível. O mesmo sacerdote, denuncia que os desequilíbrios sociais são cada vez mais uma evidência, em que frente a 200 milhões de ricos, cada vez mais ricos, se opõem 350 milhões de pobres, cada vez mais pobres. O autor explicou, durante a apresentação do livro, que muitos habitantes de Pequim viram as suas casas demolidas, para dar lugar a estruturas desportivas, estradas, hotéis, edifícios e que as indemnizações dadas não permitem a estes comprar novas casas para habitarem. A China, país comunista e emergente, com um desenvolvimento económico sem precedentes, está a copiar, à sua maneira e medida, tudo quanto de mau se faz, sobretudo socialmente, nos países ocidentais. Mais uma vez, os interesses económicos sobrepuseram-se aos direitos humanos e muita gente, fora da China, é cúmplice desta traição. O povo chinês vai continuar, decerto, a ser perseguido e reprimido, na esperança que a liberdade, que lhe pertence, e que os seus dirigentes teimam em usurpar, lhe seja devolvida, mais tarde ou mais cedo.


Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sábado, 26 Julho , 2008, 09:39

Língua portuguesa: casa comum para um projecto de todos!


A frase de Fernando Pessoa (1888-1935) “a minha pátria é a língua portuguesa” é por demais conhecida e traduz bem o que a língua de qualquer país pode representar para cada um dos seus cidadãos. A língua pátria é como uma segunda mãe que não é só nossa pertença, mas algo de real a quem também pertencemos. Algo que nos identifica nas mais variadas dimensões que à vida de cada ser humano dizem respeito e nos situa, singularmente, na comunidade das nações. Ao contrário de que se possa pensar, a língua não só está associada a todos os domínios da actividade humana, como até lhes dá sentido, corpo e alma. Um destes domínios é o da cultura, no sentido geral do termo.
Cultura enquanto expressão de tudo o que é e foi criado pelo homem, mulher ou criança, nas suas relações, recíprocas, com tudo o que os envolve, através do falar comum e da natureza real e simbólica com que se relacionam.
Deste modo, ao falar uma língua, uma pessoa não utiliza apenas um código abstracto de sons ou sinais. As palavras e as frases referem-se a algo mais; significam alguma coisa que existe. Só por si, não podiam subsistir no vazio. Significam e representam imagens de uma realidade de partilha, independentemente do lugar onde se esteja.
Quando profiro uma determinada palavra, quem me ouve não ouve apenas um som. Também visualiza na sua mente uma determinada imagem viva daquilo que eu digo. De qualquer modo, como dizia Pessoa, o mundo a que se referem as palavras é mais importante do que elas, daí que falar em palavra nos introduza na realidade matricial de uma pátria linguística que nos une e também fala por cada um de nós.
Dos portugueses diz-se, em regra, que são um povo com baixa auto-estima, pessimistas e medíocres. Não me vou debruçar sobre estes e outros epítetos de como somos tratados ou nos julgam, mas, antes falar da imensidão pátria em que estamos inseridos e à qual me parece que as autoridades portuguesas não têm dado o devido tratamento. Ter pátria é sentir que se pertence a uma casa e a um futuro comum, que tanto maior será quanto mais for acarinhada, incentivada e reconhecida como o cimento que congrega todas as partes desta habitação sem fronteiras, que a todos acolhe e lhes dá sentido.
Li, há dias, que “o português está na moda”. Bem pode estar, mas as modas suscitam reservas e são sempre passageiras. Por isso, o importante é que a língua portuguesa não só esteja na moda como represente uma realidade viva, real e simbólica de um todo intemporal e transpacial, seja em que domínio for, através do dia-a-dia de quem a fala.
Presentemente, o português é falado por 239,6 milhões de pessoas, na chamada CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), que integra o Brasil (191.908.598), Moçambique (21.284.701), Angola (12.531.357), Portugal (10.676.910), Guiné-Bissau (1.503.182), Timor-Leste (1.108.777), Cabo Verde (426.998) e São Tomé (206.178), a que se juntam mais de 5 milhões de portugueses que se encontram dispersos em países como os EUA, França, Brasil, Canadá, Reino Unido, Alemanha, entre muitos outros, o que perfaz o número impressionante de cerca de 244 milhões de pessoas a falar o português e o torna a 5ª língua mais falada no mundo.
A estes números, há que acrescentar o interesse, cada vez maior, que a aprendizagem do português está a suscitar em vários países, casos da Espanha, China ou África do Sul.
Em termos de Internet, e segundo dados do ano de 2007, o português ocupa o 7º lugar, depois do inglês, chinês, espanhol, japonês, francês e alemão.
Deste modo, existe um potencial enorme a explorar no incremento da língua portuguesa, mas, para tal suceder, é necessário que as entidades governamentais se empenhem, seriamente, em programas de desenvolvimento e de apoio ao seu ensino e divulgação, a todos os seus níveis, seja em que latitude for.
Continuar a construção desta enorme casa comum que a língua de Camões nos faculta e propõe, onde todos se possam sentir parte integrante deste grande família universalista, multifacetada, nas suas experiências e culturas, é um desafio para todos os tempos e que constitui a medida padrão para uma relação afectiva de cada um com todos.

Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 25 Julho , 2008, 07:31

A verdade da fome e a mentira da fartura!

“Estamos no século XXI. Devemos e podemos alimentar o planeta e não o fazemos. A cada 30 segundos, há uma criança que morre de fome, a cada dia há 25 000 seres humanos que perdem a vida porque têm fome. E há 850 milhões que sofrem com a fome. Esta é a situação. Ninguém, seja do Norte ou do Sul, pode aceitar esta situação. Ninguém. É preciso, portanto, agir e agir imediatamente. Agir significa o quê? Significa um objectivo simples: dobrar a produção alimentar mundial até 2050. Esta é a condição. E nós devemos dobrar a produção alimentar mundial preservando ao mesmo tempo o planeta.”
Já há algum tempo que não escrevia sobre a falta de alimentos e da fome que daí resulta, neste espaço do Pela Positiva. De quando em quando, na vida, há a necessidade de deixarmos assentar as coisas, para que elas se tornem mais perceptíveis e óbvias, a fim de se evitar cair num nível de incompreensão, desorientação e de saturação pessoal e colectiva, que acabam por nos tirar o discernimento necessário para compreender o que nos rodeia e torna-nos insensíveis e indiferentes, mesmo perante os mais horríveis e cruéis problemas humanos de que falamos ou ouvimos falar. Tudo passa a ser banal!
O ser humano, em regra e numa primeira fase, perante os factos negativos, tende a funcionar por impulsos momentâneos, passageiros e inconsequentes, recusando, negando ou até manipulando a sua existência e realidade. Procura, assim, mesmo que o possa fazer de uma forma não programada, não se comprometer com aquilo que verdadeiramente o incomoda e aflige. Por outro lado, quando não consegue abstrair-se das situações negativas ou estas se tornam uma presença constante, tende a resignar-se e a aceitá-las como naturais e inevitáveis, pelo que deixa de lutar contra elas, ou melhor, deixa de lutar por aquilo que é ou já desistiu de ser. Já não vale a pena. A excepção passou a ser a normalidade. Basta-nos recordar quando alguém é atingido por uma doença grave, para compreender melhor este tipo de comportamentos.
No caso da fome, ela contínua aí, e em força! E para que não se diga que eu sou o mensageiro das desgraças, comecei este texto com uma citação do discurso do Presidente francês, Nicolas Sarkosy, proferida em Roma, em 3 de Junho, durante a Conferência de Alto Nível Sobre Segurança Alimentar da FAO (Organização da ONU Para a Agricultura e Alimentação), onde 181 países, durante três dias, procuram encontrar respostas e soluções para o drama humanitário e civilizacional da fome.
Não se está, pois, perante um perigoso pacifista, um simples idealista ou um lunático de causas perdidas, rótulos que alguns não se coíbem de colocar, muito facilmente, em quem defende e luta por algumas das causas do sofrimento humano e das injustiças que lhes estão subjacentes.
Nicolas Sarkozy, durante o seu discurso, reconheceu que as políticas alimentares do passado recente fracassaram. Diz ele: “Essa estratégia [dar subsídios aos países pobres] não deu certo. Ela era generosa, mas fracassou. A segunda estratégia, a do futuro, deve repousar no desenvolvimento das agriculturas locais. Esta é a única solução.”
Mas, como diz o provérbio da sabedoria popular, “de boas intenções está o inferno cheio” e esta reunião da FAO veio, mais uma vez a confirmá-lo, já que nada de concreto saiu dela, assim como foram bem visíveis os múltiplos interesses em confronto, por parte dos países desenvolvidos que estiveram representados em Roma.
Nós somos assim: complicados e pouco dados a querer perceber, ou a fazer que não percebemos, a verdadeira razão das coisas, sejam as nossas ou a dos outros. Sarkozy sabe disso. Por isso, ele fez o discurso que fez: correcto nos princípios e na análise, mas sem consequências práticas. Nada disto é fruto do acaso ou do infortúnio. É, antes, próprio de uma sociedade que vai preferindo uma boa mentira do que uma má verdade e onde poucos são os que se querem incomodar com o que realmente conta para um futuro melhor para todos. Até quando, ainda, é possível manter tudo isto?

Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Julho , 2008, 09:41

E depois de Sydney?

O pano caiu sobre a XXIII Jornada Mundial da Juventude, realizada em Sydney, ente 15 e 20 de Julho, o que não significa que o que levou aquelas centenas de milhares de jovens a participarem nesta expressão pública de fé em Jesus Cristo tenha terminado.
Bem pelo contrário: os trabalhos “a sério e a doer” começam agora. O dia seguinte, para aqueles que têm uma missão evangélica a cumprir, por norma, é sempre o mais difícil e gratificante. Se assim não for, então, as JMJ não têm qualquer razão de ser.
Aliás, creio não escandalizar ninguém ao dizer que as JMJ, só por si, não são, nem pretendem ser, uma varinha mágica para os desafios com que, permanentemente, a Igreja se defronta e para os quais tem que procurar respostas e soluções, neste mundo vertiginoso, em que os jovens e os adultos vivem e devem convergir fraternalmente.
Durante estes dias da XXIII JMJ, tive a curiosidade de ir lendo testemunhos de alguns dos seus participantes e todos eles são a expressão viva e sincera, sem dúvida, de uma experiência pessoal e profunda com a Pessoa de Cristo e isto não é quantificável.
Afinal, como dizia o Evangelho, do Domingo passado (dia do encerramento da XXIII JMJ): “O Reino dos Céus é semelhante, a um grão de mostarda, que um homem tomou e semeou no seu campo. É a mais pequena de todas as sementes, mas, depois de crescer, torna-se a maior planta do horto, e transforma-se numa árvore, a ponto de virem as aves do céu abrigar-se nos seus ramos”. (Mt 13,31-32).
Isto, sim, é que é desconcertante e provocante e nos deve levar a querer ir mais além, por esses campos fora (o mundo), à maneira de Jesus Cristo (o semeador), que aguardam, ansiosamente, por serem cultivados pela semente (a Palavra de Deus) da esperança, caridade e do amor. É aqui que os jovens devem estar e é por isto que eles fazem tanta falta à Igreja! Eles precisam de sentir e saber do quanto são importantes!
Em 2 Novembro de 2007, a Agência Ecclesia colocava a seguinte questão a D. Jorge Ortiga, Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa: “Todos os anos são crismados milhares de jovens. Como não são aproveitados, é uma espécie de “check-in” para saírem da Igreja?”
Reconhecendo que esta é uma das dificuldades da Igreja, D. Jorge Ortiga acrescentou: “Temos de nos interrogar. Temos de alterar a metodologia. Pessoalmente, estou convencido de que vale a pena todo este itinerário catequético, porque é algo que se semeia. Mais tarde ou mais cedo, eles voltarão.”
Não sei se estes regressos são assim tão lineares e frequentes e muito menos desconheço, com o rigor exigido, as circunstâncias em que os mesmos ocorrem, quando acontecem. A estes percursos, há que acrescentar e relevar, também, as aulas de EMRC e a Pastoral Universitária.
Seja em Sydney, Madrid ou numa outra qualquer terra situada no mais recôndito local da Terra, a Igreja tem que ser capaz de apontar e levar os jovens ao encontro do sentido e dos valores da vida autêntica, do testemunho sincero da felicidade e do compromisso de fidelidade que só Cristo oferece. Tudo isto só se faz com pessoas concretas, preparadas e maduras, fora dos grandes holofotes mediáticos, através da alegria da Boa-Nova, da segurança da mensagem que transmitem e da autoridade fraterna que exercem, enquanto educadores da fé e na fé. Quando esta oferta de vida e de futuro sustentado na rocha é feita, aceite e compreendida, os jovens descobrem um novo entusiasmo para as suas vidas e estão dispostos a partilhá-lo e a sofrer por Aquele em quem acreditam e amam
Infelizmente, isto nem sempre acontece e, quando tal assim sucede, é mais um tesouro e um semeador que se perdem e uma Igreja que fica mais pobre.

Vitor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 21 Julho , 2008, 14:39


Entre o Vira do Minho e o Coral Alentejano


Provavelmente, entusiasmados por estarmos em plena época de festas e romarias, alguns políticos do nosso país têm feito referências à posição dos braços dos portugueses. Lembro-me, por exemplo, que um Vira do Minho tem que ser dançado de uma forma vigorosa, rápida e com os braços bem no ar, enquanto um cantar tradicional alentejano é cantado pausadamente, com o corpo quase imóvel e com os braços cruzados ou caídos.
Seja por este espírito festivo ou por eles próprios quererem descansar os seus próprios braços e irem de férias, o certo é que basta recordarmos algumas declarações proferidas neste mês de Julho. Assim, no dia 2, o Primeiro-ministro, José Sócrates, na entrevista que deu à RTP1, dizia que, perante as crises, o que os dirigentes do PSD queriam era que o país baixasse os braços, mas que isso não vai acontecer e a crise vai ser vencida.
No dia 16, durante um jantar com o Grupo Parlamentar do PSD, a Dr.ª Manuela Ferreira Leite declarava: “Parece-me que o Governo lançou os braços abaixo…”
Por coincidência (ou talvez não), logo no dia seguinte, o Presidente da República, Professor Cavaco Silva, durante uma visita que fez a Celorico de Basto, apelava aos portugueses para “não baixarem os braços”, perante as dificuldades que o país atravessa.
Se esta moda dos braços pega, qualquer dia, os portugueses arriscam-se a não saber como trazer ou o que fazer aos seus membros superiores.
Brincadeiras à parte (tantas vezes necessárias para descomprimir, por pouco que seja, aqueles que sentem que os seus braços já não chegam para lutar contra as dificuldades diárias que enfrentam), estou em crer que as mensagens de esperança, as críticas ou os apelos feitos, ainda que ditos em, todos eles, estilo metafórico, já não bastam para retratar a situação real do país.
No mesmo dia em que o Presidente da República pedia aos portugueses para “não baixarem os braços”, foi tornado público um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) que é demolidor para a economia portuguesa, logo para a vida dos portugueses, em geral. E o que é mais grave, segundo o FMI, é que a maior parte da crise que vivemos resulta de factores internos e não externos. Sendo preocupante, não é nada de novo e não há dança ou cantoria que disfarce que somos um país permanentemente atrasado. Andamos neste estado de coisas há mais de 30 anos, comandados por uns “ensaiadores” que nunca fizeram o que é verdadeiramente essencial e estrutural fazer. Em vez disso, vão-se entretendo a fazer uns biscates e uns arranjos pontuais! E o que dizer, então, dos empresários portugueses?
Seremos, sempre, um país inviável enquanto o défice externo português persistir em ser o que é; enquanto dependermos do petróleo, como temos dependido até aqui; enquanto mais de metade do que comemos continuar que se importado; enquanto não tivermos uma indústria moderna e competitiva; enquanto a nossa justiça for lenta, pouco transparente, não tratando todos os cidadãos da mesma maneira; enquanto os nossos níveis de escolaridade forem baixos; enquanto a formação profissional for uma manta de retalhos, um faz de conta, para passar o tempo e receber o dinheiro dos subsídios que vêm da União Europeia.
Fora disto, não existem soluções milagrosas nem países com futuro, em lado nenhum do mundo, e todos os que nos têm governado, ao longo de todos estes anos, sabem muito bem disto. Ainda por cima, todas estas medidas, mesmo que tomadas agora, demoram anos a produzirem efeitos, pelo que é um erro e desonesto fazer crer que isto se resolve com um único partido ou com um só Governo. Têm que haver compromissos de continuidade nas políticas que são estruturantes e fundamentais para o país e para os portugueses, e os factos dizem-nos que isto nunca foi feito! Ilusões para quê?!
Braços acima ou braços abaixo pouco importa, até porque retórica não enche barriga. Enquanto isso, os portugueses, em regra, irão continuar a usá-los para ganharem o seu sustento e o dos seus, já que é isso que conta para eles, ainda que não dispensem – estou certo – um bom Vira do Minho ou um excelente Coral Alentejano.

Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sábado, 19 Julho , 2008, 13:07


Proposta indecente!


Creio que muitas poucas pessoas já terão dúvidas, presentemente, que vivemos numa sociedade de sedução e de ilusão, em que se procura passar a ideia de que tudo é fácil de alcançar e satisfazer e onde as responsabilidades e os compromissos pelas opções individuais de cada um não passam de meros circunstancialismos passageiros que, com o passar do tempo, se vão diluindo, até desaparecer, como por magia, sem que tragam quaisquer encargos para quem os assumiu.
A publicidade vai-se encarregando de passar esta mensagem de felicidade gratuíta e de criar a envolvente psicológica e social propícia para que os mais desprevenidos e imprudentes acreditem que vivemos num mundo de maravilhas, onde tudo são facilidades e, se não for bem assim, no futuro, alguma coisa se há-de arranjar.
Comprar um carro, ir de férias a um qualquer lugar do mundo, ter um crédito imediato, sem perguntas ou justificações, adquirir um electrodoméstico não utilitário, ter a casa dos seus sonhos e muito mais do que se queira e possa imaginar, são algumas das tentações que nos entram, das mais variadas formas, pela casa dentro e que influenciam o íntimo de muitos.
Para minha surpresa, também os mais jovens já são seduzidos neste sentido. Ainda há dias, estava com um sobrinho meu, com 16 anos de idade, que, recentemente, passou para o 12º ano, a quem, há coisa de três meses, os pais abriram uma conta bancária, por questões de ordem prática, a nível familiar. Pois, recentemente, este jovem recebe uma carta da instituição bancária, onde a referida conta foi aberta, na qual era tratado por “jovem empreendedor”, com uma proposta de crédito, em seu nome, “até dez mil euros, para utilizar onde, como e quando quiser”!
Mas onde é que está a sensatez de tudo isto? Será que não há ninguém, neste país, que ponha um travão neste tipo de loucura alienante, que nem sequer tem em conta estarem a fazerem uma proposta de crédito a um jovem adolescente e de menor idade? Ou será que tudo isto faz parte de uma estratégia mais ampla e malévola que pretende começar a abrir as primeiras brechas e confusão na consciência deste e de outros jovens para que, no futuro, o assalto seja mais fácil à sua pessoa?
Isto para não falar nos possíveis conflitos pessoais e incompreensões que podem surgir entre estes jovens de menor idade e os seus familiares.
Acabei por ir ao banco e depois de alguma insistência informara-me que tais contactos fazem parte da política geral da empresa e não comprometem ninguém. Até aí também eu sei, mas não basta esta resposta. Estes contactos deviam ser proibidos, no caso de se tratarem de jovens menores e, para este grande pormenor, não houve resposta.
Tenho pena que estes bancos não façam uma publicidade pedagógica, também ela capaz de angarias novos Clientes para estes, mesmo que seja (como deveria ser) na base da verdade e não de vendilhões de ilusões, como seja: incentivá-los ao trabalho, a poupar (quando possível), gerir o seu pecúlio e orientá-los nas suas aplicações ou empréstimos.
Quer se queira quer não, os bancos não são umas empresas quaisquer e a sua influência no tecido social e económico de um país é enorme, para o bem e para o mal, pelo que só o Estado pode, se quiser e tiver coragem, regulamentar este sector dos seus excessos e abusos, caso este não o queira fazer por sua própria e livre iniciativa.
Seja por publicidade enganosa ou parcial, ou pela imprudência e irresponsabilidade de quem assume os empréstimos, sem ter condições para os cumprir (ainda que os bancos devessem ter o dever e a obrigação de verificar das condições dos cumprimentos assumidos), é que eles vão engordando os seus fabulosos lucros, à custa da necessidade de uns e da miséria de outros.
Não quero diabolizar as instituições bancárias, até porque muitos portugueses já recorreram aos seus (caros) serviços e conseguiram não só cumprir o acordado com elas como adquiriram bens que, de outro, nunca teriam conseguido para a sua vida.
Agora que estas instituições devem ter mais rigor e seriedade no seu funcionamento com os seus Clientes, lá isso devem. É inquestionável, para bem dos cidadãos e do país!

Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 18 Julho , 2008, 08:57

Nelson Mandela: de guerrilheiro a pacificador!


Há 90 anos, precisamente no dia 18 de Julho de 1918, nascia, na África do Sul, que até ao ano de 1910, tinha sido uma colónia do Império Britânico, Nelson Mandela, que viria a ser um dos maiores activistas negros na luta contra o apartheid (do afrikaans: “vida separada”), estabelecido, formalmente, pela minoria branca que governava o país, a partir do ano de 1948. Considerado um terrorista e um rebelde, pelo poder branco instituído, era, para a maioria negra (cerca de 75% da população do país era, e é, negra), um herói, um guerrilheiro e um libertador.
Preso, pela primeira vez, em 1956, volta a sê-lo em 1962. Em 1964, é condenado a prisão perpétua e é enviado para a prisão da Ilha de Robben, a 12 quilómetros da Cidade do Cabo, onde passa a ter o número 46664 (466.º preso, do ano de 1964). Daqui, continua a incentivar à luta armada. Na sequência da enorme pressão internacional que, entretanto, se foi formando, por todo o mundo, contra o regime do apartheid, Nelson Mandela é libertado, incondicionalmente, no dia 11 de Fevereiro de 1990, após cerca de 28 anos de cativeiro.
Em 1994 foi eleito o primeiro presidente negro da República da África do Sul, cargo que ocupou até 1999. Em 1993, divide a atribuição do prémio Nobel da Paz com Frederik de Klerk, exactamente o homem que o tinha mandado libertar.
Com mais ou menos controvérsias até ser preso, muito dificilmente alguém deixa de reconhecer que Nelson Mandela foi, a partir daí, o principal artífice, político e moral, da transição do regime branco do apartheid para o regime de maioria negra, fazendo-o sempre na busca da reconciliação, da tolerância interna e no respeito pelos direitos de todos os cidadãos sul-africanos. A fundação da nação estava, finalmente, a realizar-se.
A forma sempre afável e conciliadora como o procurou fazer, sobretudo a maneira como se soube impor às correntes mais radicais do seu partido (ANC) e da restante maioria negra, foram-lhe granjeando o reconhecimento e a admiração de toda a comunidade internacional, pela qual, em múltiplas ocasiões, tem sido homenageado por todo o mundo. Após a sua saída da presidência, foi chamado a mediar muitos conflitos internos e externos, devido ao seu estatuto de grande líder.
Em 1995, o Papa João Paulo II visita a África do Sul, país que antes se tinha recusado a visitar, devido ao regime do apartheid em vigor, tendo-se encontrado com Nelson Mandela. Três anos mais tarde, é Mandela que visita João Paulo II, no Vaticano. Entre estes dois homens, nasce uma amizade e admiração mútua.
Ainda que fragilizado pela idade e a doença, Nelson Mandela continua, hoje, tal como João Paulo II, a irradiar simpatia e a despertar um afecto muito grande nos jovens, havendo historiadores que chegam a comparar as semelhanças que existem entre estas duas personagens fascinantes. Simon Usherwood, da Universidade de Surrey, na Grã-Bretanha, referiu-se a estes dois homens dizendo: "Esta pode ser a última geração de figuras políticas e sociais capazes de ainda ter voz através da sua longevidade. A vida deles estende-se até um tempo em que o mundo era tumultuoso e questões básicas sobre a liberdade, a justiça, a democracia e a ordem social continuavam ainda sem resposta. Cada um deles encontrou a sua própria resposta e partilharam-na. Eles deixaram uma marca". Já o historiador britânico Timothy Garton Ash, afirma: “Como João Paulo II, Mandela comoveu gerações. Um dos homens mais amados da Terra e talvez o único a rivalizar com o Papa na questão da autoridade moral.” Ainda para este historiador, Mandela foi a única pessoa, além de João Paulo II, que poderia almejar ao título de "maior homem do nosso tempo".
Num momento conturbado e de desorientação, à escala planetária, faltam líderes que sejam portadores e símbolos de integridade ética e moral, que o mundo tanto precisa para solucionar os seus conflitos. Por tudo isto, é bom e necessário não esquecer o exemplo destes “veteranos”, que não se limitaram só a acreditar. Lutaram, cada um a seu modo, mas num bom combate de vida, por aquilo em que acreditavam, e disso deram e deixaram o exemplo de que é possível, ainda, continuar o seu caminho!


Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Julho , 2008, 09:56

XXIII Jornada Mundial da Juventude – Sydney 2008

Iniciou-se, ontem, dia 15, em Sydney, na Austrália, com a participação de milhares de jovens, vindos das mais variadas partes do globo, a cerimónia inaugural da XXIII Jornada Mundial da Juventude, cujo tema-base é retirado do Livro dos Actos dos Apóstolos, através da passagem: “Ides receber uma força, a do Espírito Santo, que descerá sobre vós e sereis minhas testemunhas.” (Act 1,8)
Apesar de já se encontrar em Sydney, desde o passado Domingo, dia 13, só a partir da próxima quinta-feira, este evento, que decorrerá até ao próximo Domingo, contará com a presença do Papa Bento XVI.
As cerimónias de ontem iniciaram-se com a chegada da grande cruz de madeira que os jovens transportaram até Sydney, após ter viajado por toda a Austrália, com cânticos e danças aborígenes, uma saudação do Primeiro-Ministro australiano e a celebração de uma missa pelo Cardeal e Arcebispo de Sydney, George Pell.
Na homilia, o Cardeal George Pell enviou uma mensagem aos jovens para que desenvolvam uma missão evangelizadora não apenas na Austrália - país que tem 5 704 000 católicos, o que corresponde a 26,6% dos seus 20 700 000 habitantes -, mas no mundo todo.
"O chamado de Cristo é para todos os que sofrem e não apenas para católicos ou pessoas de outras religiões, mas especialmente para aqueles sem religião. Cristo está a chamá-los a todos, para retornarem a casa, para viverem o amor, para a reconciliação e a comunhão" – declarou o Cardeal Pell –, ao mesmo tempo que pediu aos jovens presentes na Eucaristia inaugural da JMJ para não se deixarem dominar pelo conformismo, nem passarem a vida sem tomarem qualquer posição, sobretudo perante as injustiças e os sofrimentos.
A I Jornada Mundial da Juventude foi celebrada, pela primeira vez e de forma oficial, no Domingo de Ramos, do ano de 1986, na Cidade de Roma, tendo como seu grande artífice e impulsionador a figura ímpar do Papa João Paulo II e teve como tema: "Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês.” (1Pd 3, 15)
Ao longo dos anos em que têm decorrido as JMJ, tem-se feito sentir alguma contestação e reservas e muitos ainda continuam a afirmar que tudo isto não passa de “fogo de vista” e que os jovens nada mais fazem do que turismo. Pessoalmente, não acredito que esta seja a regra, mas antes a excepção que, a existir, confirma a primeira. É usual dizer-se que os jovens são o futuro da Igreja – e, realmente, pela ordem natural da vida, hão-de ser eles os novos portadores da mensagem de Cristo, fazendo desta compromisso de acção, testemunho de vida e anúncio de conversão.
Entretanto, para que este futuro aconteça, tem que se estar atento às oportunidades que o presente já oferece e entender que os objectivos necessários para tal só podem ser atingidos em cada comunidade cristã, onde cada jovem cristão está inserido.
Li, há dias, numa breve nota sobre as JMJ, que estas são um testemunho público de fé que começa, na maior parte das vezes, numa caminhada pessoal de espiritualidade e oração, acabando por se tornarem (ou não) numa prova real à vitalidade das paróquias e das dioceses, pelo que o avaliar e o corrigir fazem parte deste percurso permanente.
Na sua Mensagem, para esta XXIII JMJ, Bento XVI, a dado passo, dirigiu-se ao jovens nestes termos: “Muitos jovens reflectem sobre a sua vida com apreensão e formulam muitas interrogações. Preocupados, eles perguntam-se: como inserir-se num mundo assinalado por numerosas e graves injustiças e sofrimentos? Como reagir ao egoísmo e à violência, que por vezes parecem prevalecer? Como dar pleno sentido à vida?”
Que estas e outras interrogações encontrem ecos e respostas no mais íntimo do coração de cada um dos participantes na XXIII JMJ, para que estes possam partilhar as suas experiências de vida e de fé com os que não puderam estar presentes e tornarem, pela acção do Espírito Santo e do seu testemunho, a Igreja, mais santa e santificadora.

Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 14 Julho , 2008, 10:21

CARROS ELÉCTRICOS: O INÍCIO DE UMA NOVA ERA?

No passado sábado, dia 5 de Julho, escrevi um texto com título “As energia renováveis e o futuro do homem”. A dado passo, dizia que “o sector dos transportes também sofrerá profundas alterações, não só com a introdução dos carros híbridos (…), mas, também, dos veículos eléctricos…”.
Quatro dias depois, ou seja, no dia 9, o Governo português assina com o consórcio Nissan-Renault, um memorando de acordo sobre a introdução e comercialização, em larga escala, a partir dos anos de 2010-2011, de carros, totalmente eléctricos, em Portugal.
Além de Portugal, este consórcio escolheu, igualmente, Israel e a Dinamarca, para o lançamento deste tipo de veículo, na medida em que considera estes três países na liderança e diversificação das fontes de energias renováveis e alternativas.
Como portugueses, não podemos ficar indiferentes a esta escolha e só se espera que tudo quanto tem sido feito até aqui, em termos de energias renováveis, não só continue como haja um reforço, cada vez maior, nestas novas opções energéticas. Por outro lado, todas estas novas movimentações e apostas tecnológicas devem estar direccionadas no sentido do bem-estar de todos os cidadãos e na consciencialização de que podemos, definitivamente, estar a dar início a uma profunda alteração do paradigma energético e da estrutura social, a nível planetário, cujas consequências ainda estão longe de poderem ser projectadas e avaliadas com o rigor desejável.
Não se pense, contudo, que este caminho (ou caminhos) não está isento de enormes dificuldades e desafios, muitos deles imprevistos, o que vai requerer muita vontade política, determinação, no sentido de buscar uma verdadeira ecologia de futuro sustentável e imaginação, para que todos possam usufruir do quanto positivo daqui for surgindo. Às entidades que vão liderar todo este processo de desenvolvimento e produção exige-se rigor e boa-fé, até porque, à partida, não existem soluções perfeitas e só com trabalho se pode ir corrigindo e ultrapassando o que estiver menos bem.
Segundo as informações disponíveis, de momento, estes primeiros veículos eléctricos têm uma autonomia de 160 a 200 quilómetros e prevê-se uma redução de 70% nas emissões de dióxido de carbono, até 2050, por comparação com os níveis do ano de 2000. Estou certo que outros fabricantes, com outros aperfeiçoamentos e inovações, surgirão, entretanto, no mercado.
O fabrico deste veículo será feito no Japão e, segundo os seus fabricantes, terá um preço “atractivo”, que pretende concorrer no segmento C dos automóveis ligeiros convencionais, tais como o Renault Mégane ou Volkswagen Golf.
O modelo pode ser “reabastecido” de três formas: ligado, em casa, à corrente, numa ficha convencional (6 horas para o carregamento), carregar a bateria numa estação (o que pode demorar 25 a 30 minutos) ou trocar a bateria gasta por uma nova, operação que leva entre cinco a dez minutos.
Tudo isto vai traduzir-se em enormes alterações nos hábitos dos cidadãos e do país e vai exigir que sejam criadas as infra-estruturas necessárias para a criação de uma ampla rede de estações de carga, para este tipo de veículos, a nível nacional, para além de um conjunto logístico e organizativo de apoio e manutenção.
Há que lembrar que, já antes, surgiram outros modelos de carros eléctricos que, por razões desconhecidas ou obscuras, nunca obtiveram a autorização necessária para o seu fabrico e utilização em larga escala.
Finalmente, este dossier, de dimensão internacional, ganhou pernas para andar, até porque, como dizia o Primeiro-Ministro, José Sócrates, durante a cerimónia da assinatura do memorando: “não podemos continuar passivos por muito mais tempo.”
Costuma-se dizer que “o caminho faz-se caminhado”, pelo que há que o fazer, para se aprender a fazer melhor. E, sempre que necessário, aprender com os próprios erros e as dificuldades que surgem, para bem do futuro comum do homem e do planeta Terra.


Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sábado, 12 Julho , 2008, 09:55
Águas de Portugal: ou uma outra forma de meter água!

No passado dia 4 de Julho, partilhei com os leitores um texto com o título “O país do copo meio cheio ou meio vazio”, referindo-me, concretamente, a Portugal e ao perigoso estado de coisas que teimam em persistir nesta terra lusitana, que não deixam o copo esvaziar nem encher de vez. Não há nada pior para um país, uma sociedade ou um qualquer cidadão do que andarem, permanentemente, em “águas paradas”, que acabarão, com o tempo, por ficarem fétidas e insalubres. Quando assim é, o melhor é cair-se, de vez, no fundo, ou seja, esvaziar o copo, definitivamente, pois, a partir daí, todos passam a saber que só há uma perspectiva para ver as coisas e uma só alternativa com saída e futuro: criar as dinâmicas e as sinergias necessárias para recomeçar tudo de novo, para que o copo seja cheio de vez.
Oscar Wilde (1854-1900) dizia que o “pessimista é uma pessoa que, podendo escolher entre dois males prefere ambos”, pelo que a questão do copo meio cheio ou meio vazio se aproxima muito mais deste comportamento patológico e paralisante. Como não há nada nem ninguém que sobreviva envolto numa atmosfera de pessimismo e indefinição, as alternativas, a partir daqui, só podem levar ao desânimo, à descrença, à maledicência e à desresponsabilização, pessoal e colectiva, em que cada um procura sobreviver de expedientes e da “esperteza saloia”.
Vem tudo isto a propósito do relatório que o Tribunal de Contas (TC) fez à Empresa pública Águas de Portugal (AdP), referente ao período de 2003 a 2006, que foi tornado público no passado dia 4 de Julho, onde são feitas críticas bastantes contundentes à forma de gestão da referida Empresa pública.
Nesse mesmo dia, o Presidente da AdP, Pedro Serra, reagiu aos dados apontados no Relatório do TC negando mesmo que a Empresa que dirige esteja em “situação económico-financeira débil”, ainda que tenha reconhecido que existem vários problemas, que estão identificados pela actual administração, e que serão corrigidos.
Eis, aqui, mais um exemplo do copo meio cheio ou meio vazio: uma mesma realidade pode ter, pelo menos, duas interpretações ou leituras diferentes, se não mesmo opostas. Quando assim é, o copo nunca mais se enche nem nunca mais fica vazio, o que dá para falar de tudo e de nada e permite que nada se altere, verdadeiramente.
Independentemente dos números revelados pelo TC e dos argumentos que os acompanham, há três indicadores (que não foram desmentidos pela Empresa AdP) que não devem passar em claro. O primeiro valor, refere-se aos 2,3 milhões de euros de prémios distribuídos a alguns trabalhadores da AdP, entre 2004 e 2006, “sem critérios claros e transparentes”, exactamente num período em que a AdP teve “resultados globais negativos de 75,5 milhões de euros”! Diz o Presidente da AdP que há que premiar quem se esforça por tirar a empresa da situação difícil em que se encontra. Pela lógica deste gestor público, também o Governo teria que dar “prémios” aos cidadãos do país que estão em dificuldades económicas e não se desculpar, como até aqui, que não pode distribuir riqueza quando não a tem para o fazer. Pelos vistos, o Ministro das Finanças tem que ir à AdP aprender como se fazem estas contas de dividir.
Um dos outros valores apresentados no Relatório do TC relaciona-se com os gastos de 2,5 milhões de euros na atribuição de viaturas a administradores e a alguns trabalhadores da AdP (viaturas trocadas de 3 ou de 4 em 4 anos), a que se junta o terceiro indicador, no valor de 478 milhões de euros, em gastos com combustível, para as viaturas anteriormente referidas. A tudo isto, há que juntar uma estrutura empresarial que deixa muitas dúvidas ao TC, quanto ao modelo em que está organizada. Dizer que isto é um escândalo ou uma irresponsabilidade é pouco e não leva à resolução de nada. É, isso sim, mais uma manifestação que confirma a regra de um hábito instituído e generalizado em todas as Empresas públicas deste país, em nome da dignidade de alguns cargos e de quem os ocupa e da perpetuação do país do copo meio cheio ou meio vazio. Como se verifica, por mais este exemplo, isto dá para tudo. Mesmo para o indefensável. Seja em nome de que dignidade for ou da falta dela, como é o caso!
Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO