de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 27 Abril , 2010, 14:10

A largada

 

 

Foram então as ânsias e os pinhais

Transformados em frágeis caravelas

Que partiam guiadas por sinais

Duma agulha inquieta como elas...

 

Foram então abraços repetidos

À Pátria-Mãe-Viúva que ficava

Na areia fria aos gritos e aos gemidos

Pela morte dos filhos que beijava.

 

Foram então as velas enfunadas

Por um sopro viril de reacção

Às palavras cansadas

Que se ouviam no cais dessa ilusão.

 

Foram então as horas no convés

Do grande sonho que mandava ser

Cada homem tão firme nos seus pés

Que a nau tremesse sem ninguém tremer.

 

Miguel Torga

 

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 18 Abril , 2010, 09:11
Portugal e os portugueses, o governo e os políticos,
o bullying, a pedofilia e a felicidade. Três horas de conversa
 
 

 

Durante três horas, entre entrevista e sessão fotográfica, não deu sinais de impaciência. Respondeu a tudo menos ao que diz mexer com a sua liberdade. António Barreto parece estar tão bem resolvido com a vida, que até dá inveja. Tem dúvidas e faz questão de as admitir. No final, pede para limparmos os lugares-comuns, como se não soubesse que nenhuma palavra sua é para deitar fora. O tempo foi curto, mas chegou para pensar.

  

Depois de tanto estudo e da análise de tantos números, sabe se os portugueses são felizes?
Essa é a pergunta do milhão de dólares. São rezingões, reclamam, protestam, queixam-se. Não creio que seja do ADN, tem razões históricas. É verdade que têm altíssimas aspirações, tantas quanto os países mais ricos da Europa. Conhecem esses países, já emigraram, foram de férias,sabem como funcionam, aspiram às c asas suíças, às férias francesas, aos serviços dinamarqueses, ingleses, à educação sueca. Acontece que do grupo de países ricos - do qual fazemos parte - Portugal é o último. A diferença entre o que temos e o que queremos é enorme.

 

Desejamos mas não conseguimos?
Quando um português vê como funciona uma escola secundária na Holanda ou em Inglaterra ou um centro de saúde na Suécia ou Suíça, fica impressionado com a rapidez, competência, prontidão, limpeza. E isso cria rezinguice, frustração. Daí não retiro infelicidade. Há uns 30 anos, veio ter comigo um matemático que trabalhava nas Nações Unidas. Estava preocupadíssimo porque queria encontrar um indicador, um só, que medisse a felicidade das pessoas. Fiquei estupefacto. O homem era muito capaz do ponto de vista técnico. Disse-lhe que acho que não se pode medir a felicidade das pessoas. Pode medir-se, perante certas situações, questões ou factos, um certo grau de satisfação. Mas a satisfação muda muito. A Fundação [Francisco Manuel dos Santos] vai ocupar-se disso. É possível, com barómetros que foram feitos há dez, vinte, trinta anos detectar a evolução das atitudes dos cidadãos perante certas coisas. Sabe-se, por exemplo, olhando para o Eurobarómetro, que a confiança dos portugueses, o grau de satisfação nalgumas instituições democráticas está em declínio. É possível medir perante coisas concretas.

 

 

Leia toda a entrevista aqui

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sábado, 06 Março , 2010, 12:53

E à Arte o Mundo Cria

Seguro Assento na coluna firme
Dos versos em que fico,
Nem temo o influxo inúmero futuro
Dos tempos e do olvido;
Que a mente, quando, fixa, em si contempla
Os reflexos do mundo,
Deles se plasma torna, e à arte o mundo
Cria, que não a mente.
Assim na placa o externo instante grava
Seu ser, durando nela.

Ricardo Reis, in "Odes"
Heterónimo de Fernando Pessoa

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 04 Fevereiro , 2010, 14:46

Evoco hoje e aqui o grande Almeida Garrett, que nasceu em 4 de Fevereiro de 1799. Simplesmente porque a minha rua foi baptizada com o seu nome. Foi de facto um grande escritor, dramaturgo, poeta e político liberal. É mais conhecido, porventura, como dramaturgo, havendo quem o coloque no pedestal de renovador do teatro português.
Em nada contribuí para a escolha do nome, mas confesso que gosto de morar nesta rua, com o seu nome, mas também devo reconhecer que se trata de um sítio calmo, com vizinhos amigos. A minha casa foi a terceira a ser construída nesta rua, no longínquo ano de 1965. Hoje está cheia. E na altura a minha casa tinha um certo ar airoso. Contudo,  presentemente, foi ultrapassada por outras construções mais modernas e talvez mais funcionais. De qualquer modo, não trocava este meu recanto por qualquer outro.
Sobre Almeida Garrett, posso adiantar que de vez em quando visito os seus livros para me deliciar com uma prosa que encanta. Já agora, um pormenor sobre Garrett: Quando fui observado no Hospital Militar de Coimbra, apresentei-me de pijama atado com um cordel à cintura. Ao entrar no consultório, o médico-presidente da Junta Médica olha para mim e pergunta: «Quem és tu?» «Ninguém», respondi eu. Tinha lido tempos antes  "Frei Luís de Sousa".
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Dezembro , 2009, 12:22


"O meu pai tinha quatro irmãs mais novas e um irmão que morreu pequenino, de meningite, por volta da idade em que tive essa doença. Parece que comecei com muita febre e horas depois estava em coma. Inexplicavelmente sobrevivi. Há de certeza pessoas que, pelo que vou dizer, me acharão tonto, mas ninguém me tira da cabeça que Santo António me salvou. E lá me levaram, aos sete anos, a Pádua, tocar no túmulo do Santo e fazer a primeira comunhão. A minha relação com Deus tem sido sempre tumultuosa, cheia de desacordos e discussões: longos períodos em que me afasto, alturas em que me aproximo, amuos, quase insultos, discussões. Creio firmemente que, nos livros que escrevo, é Ele que guia a minha mão e não passo de um instrumento da Sua vontade. Quantas vezes me vem à cabeça aquele pequenino poema de Sebastião da Gama: a corda tensa que eu sou o Senhor Deus é quem a faz vibrar; ai linda longa melodia imensa: por mim os dedos passa Deus e então já sou apenas som e ninguém se lembra mais da corda tensa. É que não escrevo assim tão bem, trabalho sem plano e quase me limito a assistir ao que vai ficando no papel. O meu único mérito é fuçar o dia todo, até ser apenas som. Componho-os numa espécie de febre, no fundo de um abismo em que me perco, cego e surdo, não resultam nunca de uma deliberação mental, um propósito, um plano definido. Não concordo com Jean Daniel, quando afirma que a única desculpa de Deus é não existir: há alturas em que o sinto tão fortemente em mim, alturas em que o sei tão longe.
O cancro, por exemplo: o Henrique, que é um homem de Fé, diz que me salvei porque nasci com um sistema imunitário fenomenal. Palavras dele. No meu modesto entender esse sistema imunitário fenomenal tem um nome, e esse nome entendeu que eu ainda era necessário aqui. Para escrever, julgo, porque fora dos livros nada valho: os meus defeitos e as minhas imperfeições são enormes. Tão inteligente para umas coisas e tão estúpido para outras, espantava-se a minha mãe. Aborrece-me admitir que é uma excelente definição do António. Nunca fui uma criatura estruturalmente má: na verdade não passo de um aselha, um parvo, incapaz de lidar com as coisas mais simples do quotidiano, um imbecil desamparado. Se os meus amigos não tomassem conta de mim com tanto desvelo não estava aqui a escrever isto, pedia esmolas nos semáforos. Regressando ao princípio o meu pai teve um irmão que morreu pequenino, de meningite. Contou-me certa vez uma coisa que não esqueci nunca: era criança e tinha ido com o pai buscar os exames do irmão. Meningite tuberculosa, sentença de morte. Vieram para casa com o meu avô a guiar o automóvel, e o meu pai, sentado ao lado do meu avô, via as lágrimas descerem pela cara impassível. Todos os dias, na esperança do filho se salvar, a minha avó ia a pé das portas de Benfica à capelinha da Senhora da Saúde, o que nessa época, e com o estado das ruas de Lisboa, exigia um esforço enorme. Depois dos meus avós morrerem as minhas tias encontraram toda a roupa do irmão guardada num armário: não foram capazes de se desfazer dela, não quiseram desfazer-se dela. Já nenhuma das pessoas de que falei se encontra neste mundo: os meus avós, o meu pai, as minhas tias. Sobro eu e, em certo sentido, enquanto cá estiver eles continuam. Para quem pensam que escreve o imbecil desamparado? Para as lágrimas de um homem pela agonia do filho, para uma mulher a caminhar diariamente quilómetros na esperança de que Deus o curasse. No jazigo dos meus avós lê-se


Ao nosso Antoninho

e, de vez quando, vou lá às escondidas. Podem pensar na minha cretinice, não me rala, sinto-me bem junto deles. Os meus livros são isso: as lágrimas daquele homem, os passos daquela mulher. No caso de se aproximarem mais das páginas é o que realmente verão, em lugar de palavras impressas. E talvez vejam também o cretino a espreitar, comovido, pelas grades da porta."

António Lobo Antunes

In Visão, 01.10.2009


Nota: Crónica recordada pela Pastoral da Cultura
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 03 Dezembro , 2009, 10:46



HOSSANA!

Junquem de flores o chão do velho mundo:
Vem o futuro aí!
Desejado por todos os poetas
E profetas
Da vida,
Deixou a sua ermida
E meteu-se a caminho.
Ninguém o viu ainda, mas é belo.
É o futuro...
Ponham pois rosmaninho
Em cada rua,
Em cada porta,
Em cada muro,
E tenham confiança nos milagres
Desse Messias que renova o tempo.
O passado passou.
O presente agoniza.
Cubram de flores a única verdade
Que se eterniza!

Miguel Torga
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 05 Novembro , 2009, 12:59




O pensamento humano e a humanidade não são uma e a mesma coisa. O pensamento humano leva sempre uma incomensurável dianteira à marcha geral da humanidade. O que o pensamento humano quer imediatamente são exemplos pessoais. A humanidade é apenas um elemento, como a terra, a água, o ar e o fogo.
Há de facto diferença entre aqueles que têm capacidade para suportar sozinhos o peso da atmosfera e aqueles que têm capacidade para suportar sozinhos o peso da atmosfera e aqueles que apenas ombro a ombro resistiriam ao quotidiano. O pensamento humano sabe que tem o poder de restituir a alma aos apavorados.

Almada Negreiros
In NOME DE GUERRA



 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 30 Outubro , 2009, 15:46




O DOS CASTELOS


A Europa jaz, posta nos cotovelos:
De Oriente a Ocidente jaz, fitando,
E toldam-lhe românticos cabelos
Olhos gregos, lembrando.

O cotovelo esquerdo é recuado;
O direito é em ângulo disposto.
Aquele diz Itália onde é pousado;
Este diz Inglaterra onde, afastado,
A mão sustenta, em que se apoia o rosto.

Fita, com olhar esfíngico e fatal,
O Ocidente, futuro do passado.

O rosto com que fita é Portugal.

Fernando Pessoa

In Mensagem

NOTA: O jornal i começou hoje, sexta-feira, a oferecer uma colecção de livros de Fernando Pessoa. Durante dez semanas, se quiser, pode ler ou reler a obra de um génio da literatura portuguesa e, até, universal.



 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 27 Outubro , 2009, 18:00
A Graça de Camilo


"Num grupo de que fazia parte Camilo falava-se, um dia, de certa mulher muito conhecida na sociedade portuense.
- Não será bonita - comentou, em dado momento, um dos do grupo - Mas temos de concordar que tem uma cara picante. Não acha, sr. Camilo?
- Lá que tem uma cara picante, isso acho - respondeu Camilo - Especialmente nos dias em que não faz a barba."

In O Espírito e a Graça de Camilo, de Luís de Oliveira Guimarães
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 10 Setembro , 2009, 22:18
Segundo José Mário Silva, entre os 50 autores mais influentes do século XX, há um português, Fernando Pessoa. Embora sejamos, como se diz, um país de poetas, e não só, apenas um pôde figurar na lista dos 50 mais importantes. Mesmo assim, penso que a escolha tem razão de ser.
FM




Por muito que paire sobre nós, dominadora, a obra de Pessoa é tão excepcional, tão fulgurantemente única, que não deixou discípulos ou epígonos. No estrangeiro, tornou-se entretanto o epítome das letras lusas e da nossa problemática identidade, bem como do nosso imobilismo reflexivo e melancólico, tão bem fixado nessa obra-prima absoluta que é o inacabado (e inacabável) Livro do Desassossego, de Bernardo Soares.”
José Mário Silva
Na revista LER
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 03 Setembro , 2009, 10:26
Alçada Baptista
Alçada Baptista era um bom contador de histórias. Incisivas e com graça. Como esta:

O meu querido Raul Solnado quis ser simpático com o filho de um amigo, um rapaz de 23 anos. Achou que se devia interessar pelas suas preocupações. Disse-lhe:
- Então, rapaz, tens lido alguma coisa?  Gostas de ler?
Ele pensou só um bocadinho e respondeu:
- Evito.

In A Cor dos Dias
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Agosto , 2009, 15:03
Palheiro de José Estêvão


"Eça de Queirós descreveu a Costa Nova, em 1883, como "um dos mais deliciosos pontos do globo". Nas férias costumava frequentar um "excelente chalé", a casa que ainda hoje existe e é conhecida como o palheiro de José Estêvão. Eça elogiava "a brisa, a vaga, a duna, o infinito e a sardinha" da Costa Nova, mas faltava- -lhe uma condição suprema para a ins- piração: "um quarto isolado com uma mesa de pinho", como referiu numa carta ao seu amigo Oliveira Martins."

Leia mais no i de hoje
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sábado, 22 Agosto , 2009, 09:40

No seu discurso do dia 10 de Junho sublinhou que o exemplo que damos vale muito mais que as palavras que dizemos. De que exemplos fala?
O meu discurso era especialmente para os dirigentes portugueses, para os líderes partidários, os dirigentes políticos, militares, empresariais e sindicais, porque é de cima que vem o exemplo. O bom e o mau. Tantas vezes ouço apelos desses dirigentes à população para que trabalhe mais, aperte o cinto, corra riscos, inove, chegue a horas, seja honesta, etc., e tantas vezes vejo os exemplos exactamente ao contrário... Não sei se fui ouvido, mas era essa a intenção.

Foi ouvido e muito apreciado. O discurso está online e passou de mão em mão.
Era bom que eles percebessem que um gesto errado e um mau exemplo valem por tudo o resto. É sabido, é proverbial, que os ministros chegam tarde aos encontros, às audiências, às reuniões, às entrevistas...

Isso enerva-o?

Sim. Também é sabido que nomeiam favoritos e membros dos partidos; é sabido que fazem más leis que têm de corrigir e rectificar no dia seguinte; é sabido que fazem despachos a correr para nomear amigos ou para autorizar obras antes das eleições; é sabido que nas vésperas das eleições ou antes de um governo cair ou de um ministro ser substituído há dezenas ou centenas de despachos e normas com assinaturas feitas a correr; é sabido que há dirigentes nacionais (privados e públicos, porque não estou a falar só de ministros, note!) que aceitam luvas e corrompem outras pessoas; que obtêm ou vendem favores; é sabido que há pessoas que não cumprem os prazos e arranjam sempre maneira de entrar nos concursos. Tudo isto é sabido e o pior é que muitos destes actos têm origem nos dirigentes.

É o tal exemplo que vem de cima.
É. Infelizmente daquilo a que se chamam as elites. O bom exemplo é fértil, mas o mau exemplo é muitíssimo fértil. Quando sei que o meu chefe não chega a horas porque há-de querer obrigar-me a fazê-lo? Quando sei que há quem compre e venda influências, porque não hei-de fazer a mesma coisa?


Ler tudo aqui
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 09 Agosto , 2009, 12:49
Jacinto Lucas Pires
:
Era uma vez um menino ou uma menina, quem lê é que escolhe, que ia por uma floresta ou uma rua ou um deserto com céus mais que gigantes. Era noite fria lá nesse lugar. Uma noite fria e bonita mas também meio triste, porque tudo é triste se estamos tristes, e as coisas bonitas então são as mais tristes, e o menino ou menina não estava contente. Ia sozinho ou sozinha sem companhia ou coragem para ir assim por ali, na floresta ou na rua ou no deserto dos céus. A noite caindo, um silêncio bem mau, e ele ou ela a tremer. O menino ou menina é mesmo igual a nós. Estrangeiro ou estrangeira, pequeno ou pequena, muito fraco ou fraca e sem nada saber. Vai agora na estrada toda feita de escuro ou chuva ou vento ou talvez tempestades. Ao longe, uma luz. E o menino ou menina sofre um medo terrível. E de repente essa luz afinal é uma casa e de repente essa casa afinal é a nossa e de repente o medo é afinal alegria. Uma alegria-alegria ou qual outra palavra? Quem lê é que escolhe, quem lê é que escolhe.

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 05 Agosto , 2009, 18:53
Mia Couto

Laurinda Alves entrevistou Mia Couto para o jornal i. É um dos meus escritores preferidos. "Jesusalém", o seu mais recente livro, que ando a ler, mostra a razão da minha preferência. Diz a jornalista que "Mia Couto fala devagar e quase sempre em voz baixa. Ri com a mesma facilidade com que se distrai com tudo e todos. É um escritor apaixonante e um homem fascinante". Leia aqui.
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO