de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 08 Novembro , 2009, 22:45




O amor dos pais
deve ser o reflexo do amor de Deus

Começou a funcionar, na paróquia da Gafanha da Nazaré, uma escola para formação dos pais dos catequizandos do 1.º ano. Trata-se de um projecto inovador, criado por três casais da nossa comunidade atentos às questões educativas e à importância do envolvimento dos pais na catequese dos seus filhos. Foi de imediato aceite pelo nosso prior, Padre Francisco Melo, que considerou pertinente a proposta. Tem por título “Nós, Deus e os Filhos” e como objectivo máximo contribuir para que o amor dos pais pelos seus filhos seja o reflexo do amor de Deus.

Leia mais aqui

Segundo nos disseram Eduardo Arvins e Maria da Luz Nunes, um dos casais envolvidas nesta iniciativa, a ideia nasceu quando pensaram em ajudar a Igreja, numa área tão complexa e necessária, como é a formação das famílias cristãs e outras, todas, decerto, empenhadas na construção de uma sociedade mais fraterna, porque mais cristã.
Foram constituídas duas equipas formadoras, com quatro casais cada uma. Um casal coordena e três ficam encarregados de apresentar os temas que servirão de suporte à reflexão do grupo e do casal.
Os pais das crianças que entraram para o primeiro ano da catequese paroquial, todos convidados a participar, voluntariamente, num universo de 100 casais, vão debruçar-se, com a equipa formadora, sobre temas diversos, a saber: Complementaridade, tendo em conta a riqueza das diferenças entre homem e mulher; Redescobrir o Amor, olhando para os perigos das ameaças à conservação do amor conjugal; e Vivências Familiares, apoiando-se em experiências de amor filial, abertura à fraternidade e desenvolvimento da criatividade. Mais ainda: Autoridade dos pais, no respeito pelo exercício da mesma como um serviço à vida, por e para o amor; Recompensas e Castigos, tendo em consideração que a liberdade deve estar associada à responsabilidade; e Importância das Vinculações, como chave fundamental na cadeia das relações de natureza social e espiritual.
Estes encontros formativos prosseguem no próximos ano, para dois anos de catequese, e a seguir, que será o ano da Comunhão Solene, teremos na paróquia a formação para pais das crianças dos três primeiros anos.
Eduardo Arvins e Maria da Luz esclareceram que este contributo oferecido pela Igreja aos pais das crianças da catequese se insere numa dinâmica de ajuda às famílias na preparação condigna da festa espiritual, que é e deve ser a Primeira Comunhão, sabendo nós que muitos pais se ficam apenas pela festa, também importante, de um encontro familiar, com boda associada.
Como membros responsáveis da nossa comunidade paroquial, os casais que estão a implementar este projecto sabem que a educação e o acompanhamento dos filhos, na óptica cristã, parte do alicerce fundamental que é Deus e assenta nos valores ensinados por Jesus Cristo.
Como pais, e na altura da catequese das suas filhas, Eduardo Arvins e Maria da Luz sentiram necessidade de uma formação adequada, que os levasse a viver, em sintonia, uma espiritualidade própria e passível de se reflectir em toda a família. Sabe-se que o testemunho é seguramente mais marcante que muitas palavras, por mais escolhidas e ordenadas que elas sejam.
Também sublinharam que a família pode criar o espaço para o sobrenatural crescer, sendo certo que as figuras de Cristo e de Maria têm um papel essencial na cultura dos afectos e na abertura ao transcendente.
Ainda lembraram que a integração numa comunidade cristã, viva e dinâmica, é uma excelente oportunidade para se chegar à consciencialização da importância de uma identidade social, assente na Boa Nova de Jesus Cristo.
As reuniões de formação terão lugar em Outubro e Novembro, Janeiro e Fevereiro, e Abril e Maio, nas salas da igreja matriz da Gafanha da Nazaré. São encontros de uma hora, que terminam com um pequeno convívio. Há um serviço para acolher as crianças dos pais que participam nas diversas acções. Mais informações no Cartório.
Este projecto pode alargar-se a outras paróquias que o desejarem.

Fernando Martins

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 11 Outubro , 2009, 18:21
[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] $r>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="http://2.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/StIRP20Go7I/AAAAAAAAMvQ/_IUWsy06as0/s1600-h/D.A.Francisco67.jpg" imageanchor="1" style="clear: left; cssfloat: left; float: left; margin-bottom: 1em; margin-right: 1em;"><img $r="true" border="0" src="http://2.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/StIRP20Go7I/AAAAAAAAMvQ/_IUWsy06as0/s320/D.A.Francisco67.jpg" /></a><br /></div><br /><div style="text-align: left;"><strong><span style="font-size: large;">D. António Francisco:</span></strong><br /></div><div style="text-align: left;"><br /></div><div style="text-align: left;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>Riquezas mal distribuídas atrofiam a liberdade e impedem a generosidade</strong></span><br /></div><br /><br /><br /><br /><div style="text-align: justify;">“O olhar triste de tanta gente que connosco cruza nos caminhos da vida deve-se tantas vezes ao excesso de riquezas mal distribuídas que atrofiam a liberdade e impedem a generosidade.” Este foi, no momento que atravessamos, um alerta oportuno do Bispo de Aveiro e membro da Comissão Episcopal da Educação Cristã, D. António Francisco dos Santos, proferido na homilia da eucaristia conclusiva da semana nacional dedicada a este tema, celebrada na igreja matriz da Gafanha da Nazaré e transmitida pela Rádio Renascença, hoje, pelas 11 horas.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Depois de sublinhar a importância que a Igreja Católica dá à família, à escola e à comunidade, “como elos essenciais da sociedade e servidores da educação das crianças, dos jovens e dos adultos”, D. António afirmou que a “vida das nossas terras tem mais sentido e maior encanto com a presença e com o trabalho das escolas ao longo do ano lectivo e com a acção pastoral das comunidades”.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Lembrou “quanto recebemos da família, da escola e da comunidade onde nascemos, crescemos e vivemos”, sendo certo que elas ”modelam o nosso ser e o nosso agir”, preparando-nos para o futuro “como pessoas, como cidadãos e como crentes”.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">O Bispo de Aveiro, ao dirigir-se aos sacerdotes, recomendou que todos <em>devem dar especial atenção à catequese em todas as idades</em>, fazendo dela “uma actividade prioritária, suscitando e alimentando nas comunidades uma verdadeira paixão” pela transmissão da fé, nos diversos espaços catequéticos. <br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">D. António Francisco considerou particularmente importante no ministério dos sacerdotes e na acção da Igreja “uma articulação e relação entre a comunidade, a escola e a família”. E acrescentou: “Este diálogo deve implicar um trabalho conjunto entre párocos, famílias, catequistas, professores de Educação Moral e Religiosa Católica e outros agentes educativos, <em>a fim de se apoiarem na sua missão, de lhes proporcionarem um enquadramento comunitário e de procurarem uma maior harmonia entre as acções pastorais, desenvolvidas nas famílias, nas escolas e nas paróquias</em>.”<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">O prelado aveirense ainda manifestou a esperança de que neste trabalho e nesta missão haja “abertura e co-responsabilidade em todos os que hoje vão ser eleitos para o serviço das autarquias locais”. E frisou que a educação, estando cada vez mais vinculada às autarquias locais “como serviço de proximidade”, deve merecer, a quantos exercem este serviço, “uma progressiva atenção na certeza de que da qualidade do serviço educativo depende o bem das crianças e dos jovens e a construção do bem comum”.<br /></div><br />Fernando Martins
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Agosto , 2009, 21:54


O múnus de servir o Povo de Deus que me foi confiado e de anunciar a Boa Nova do Reino no coração do mundo do nosso tempo e o imperativo de prepararmos desde já o novo Ano Pastoral no quadro do nosso Plano Diocesano de Pastoral tornam necessário e urgente prover as Estruturas diocesanas, os Serviços pastorais e as Paróquias da Diocese de pastores generosos e de servidores dedicados.

A ordenação de um novo presbítero, o primeiro desde que fui chamado a servir a Igreja Diocesana de Aveiro, e a ordenação de seis diáconos permanentes mobilizaram e encheram de alegria toda a Diocese e constituem para cada um de nós um sinal de confiança no futuro e uma bênção de Deus que devemos agradecer e merecer.

Este sinal de esperança não nos faz esquecer a escassez de Clero nem nos dispensa de recorrer à cooperação de Igrejas irmãs e de Congregações religiosas mas ajuda-nos a olhar o horizonte da missão com espírito fortalecido e generoso, anima-nos a investir com confiança e com determinação no Seminário e na Pastoral Vocacional e incentiva-nos a trabalhar em toda a Diocese com renovado entusiasmo e com fundada alegria, certos de que Deus não faltará à sua Igreja com os trabalhadores necessários.

Ver todo o documento aqui
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 21 Agosto , 2009, 12:01

É sempre bom saber que não tem faltado, entre a juventude, quem se disponha a servir comunidades, com o espírito missionário. o Bispo de Aveiro, D. António Francisco dos Santos, lembrou que a Diocese aveirense "é uma das mais empenhadas no espírito missionário.

Pode ler mais aqui
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 22 Julho , 2009, 18:41
Lwena - Angola

PARA SERVIR GENEROSAMENTE

Todos os anos, de há muito a esta parte, há jovens de todas as idades que põem em prática a sua opção de servir generosamente quem mais precisa.
Durante as férias, e para além delas, partem em missão, para países de gentes carentes de afecto e de quem lhes mostre solidariedade. São, no fundo, atitudes singulares, em épocas de hedonismos desenfreados e de egoísmos incompreensíveis.
De Aveiro, e à semelhança de outras regiões do País, partem 12 voluntários, por intermédio da Orbis e do Secretariado Diocesano de Animação Missionária, depois de algum tempo de preparação específica, adequada aos trabalhos que em diferentes paragens vão exercer a sua missão, em tempo de férias.

Aveiro envia 12 voluntários

Do Bunheiro para Mona Quimbundo (Angola) vão Inês Tavares Rodrigues, Carla Cruz Filipe, Padre Filipe Coelho, António Silva, Ana Rita Amador Silva, Ana Daniela Guerra;
De Ílhavo para Lwena (Angola): Sara Santana;
Do CUFC para Lwena: Ana Guedes; para Benguela (Angola): Paulo Fontes;
De Santa Joana para Lwena: Pedro Barros;
De Trofa do Vouga para Benguela: Carina Figueiredo;
De Angeja para Manicoré (Amazónia, Brasil, onde já se encontra há meio ano Sónia Pinho): Isabel Capela.
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 12 Julho , 2009, 21:20
Na Sé de Aveiro
.
Crê o que lês;
ensina o que crês;
e vive o que ensinas

Participei hoje, na Sé de Aveiro, na ordenação de um presbítero e de seis diáconos permanentes, em cerimónia presidida por D. António Francisco dos Santos. Com o templo repleto de fiéis, vindos um pouco de toda a diocese, em especial das paróquias dos ordinandos, senti que a Diocese vai ficar mais rica para enfrentar os desafios pastorais do futuro. Ali estavam pessoas de Nossa Senhora da Assunção de Espinhel, S. Miguel de Oliveira do Bairro, S. Tiago de Vagos, Santo António de Vagos, Nossa Senhora do Bom-Sucesso e de S. Paio da Torreira e de Santa Marinha de Avanca.
Experimento sempre alguma emoção em cerimónias destas, ao confrontar-me com testemunhos, concretos, de pessoas que assumem, com a radicalidade da sua entrega, o serviço de anunciar e viver a Boa Nova de Jesus Cristo, aos homens e mulheres do nosso tempo. Jovens e menos jovens aceitam o desafio de não se deixarem seduzir pelas interpelações de um mundo sem Deus ou à margem de Deus, dando-se em plenitude à Igreja e aos seus projectos de construir uma sociedade alicerçada na verdade, na justiça, na liberdade, na paz e no amor.
Partindo do princípio de que é preciso construir o “bem comum” para um “mundo melhor”, o Bispo de Aveiro pediu aos que iam ser ordenados que fossem “humildes, constantes e generosos”, nesta igreja diocesana que tem de ser “formadora da fé e construtora da esperança”, em “espírito de comunhão, com bispo, presbíteros, diáconos permanentes e leigos”.
Referindo que a ordenação de um presbítero constituiu, entre nós, o “primeiro momento do Ano Sacerdotal”, D. António recomendou a todos os presentes que sensibilizassem “as comunidades cristãs para a importância deste ministério ordenado”, enquanto lembrou o Santo Cura de Ars, que o Papa Bento XVI nos apresenta como modelo para este ano.
No ritual da ordenação dos diáconos permanentes, na altura da entrega dos Evangelhos, há uma frase que sintetiza, de forma expressiva, um programa de vida muito rico: “Crê o que lês; ensina o que crês; e vive o que ensinas.” Para os diáconos permanentes, mas também para os presbíteros, para os bispos e para os leigos.
O Bispo de Aveiro ainda manifestou votos de louvor para todos os que trabalharam, “generosa, dedicada e assiduamente” para que este dia acontecesse.

FM
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 25 Junho , 2009, 23:43

A E.M.R.C. confere à oferta curricular
um contributo essencial de formação
no quadro da educação integral



1. O ano lectivo aproxima-se do termo. Anuncia-se já o desejado e merecido tempo de férias. Um ano lectivo significa e implica muito tempo de trabalho realizado, de preocupações sentidas, de horizontes sonhados, de alegrias vividas, de êxitos alcançados e de dificuldades ultrapassadas. A escola é tudo isto. Mas é sobretudo uma comunidade de pessoas que se sentem responsáveis e se sabem participantes num projecto educativo comum. A escola nasceu para abrir caminhos novos ao futuro e para ajudar a ver mais longe. Em cada escola brilha já o amanhecer do amanhã. O dia de cada escola é sempre um acto de fé num mundo melhor. Esta é, por isso, uma hora de gratidão por tanto trabalho aí realizado e por todo o bem que na escola nasce.
António Francisco,
Bispo de Aveiro

Ler toda a Nota Pastoral aqui
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 25 Junho , 2009, 23:35
Santuário de Santa Maria de Vagos
:
Todos os diocesanos estão convidados

O Dia da Igreja Diocesana celebra-se no Domingo, 28 de Junho, no Santuário de Santa Maria de Vagos.
Este dia é sempre uma ocasião de convívio, oração e reflexão das paróquias, padres, leigos, grupos, movimentos e outras estruturas que compõem a Diocese. Todos os cristãos estão convidados para este dia, que conclui com a Eucaristia presidida por D. António Francisco, às 16 horas.
No canal de TV Online da Diocese de Aveiro (http://www.diocese-aveiro.pt), será transmitida em directo, pelas 16 horas, a Eucaristia do Dia da Igreja Diocesana, presidida pelo Bispo de Aveiro.
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 14 Maio , 2009, 19:08
Aveiro: Canal Central



Em carta dirigida ao Bispo de Aveiro, o Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Tarcísio Bertone, informa que Bento XVI concede Bênção Apostólica à Cidade e à Diocese no Dia de Santa Joana.


Excelentíssimo e Reverendíssimo D. ANTÓNIO FRANCISCO DOS SANTOS Bispo de Aveiro

sabendo que terá lugar, no próximo dia 12 de Maio (festa litúrgica da Beata Princesa Joana, celeste Padroeira dessa cidade e diocese), uma solene acção de graças pelos duzentos e cinquenta anos da elevação a cidade dessa Sede Episcopal, o Santo Padre associa-Se de bom grado a tal preito de gratidão pela benevolência divina manifestada a Aveiro na pessoa de quantos fielmente têm guiado e servido os seus destin os e cuja memória permanece viva nas suas obras e no coração sensível e justo dos que delas beneficiam. Queira Deus fortalecer cada vez mais a alma da cidade, ou seja, o amor recíproco entre os seus habitantes, para que cada família, cada rua, cada bairro se torne uma comunidade, onde ninguém se sinta sozinho, indesejado, rejeitado, desprezado ou odiado. A corroborar tal prece, Sua Santidade o Papa Bento XVI concede à cidade de Aveiro com todo o seu povo fiel a implorada bênção Apostólica.

Vaticano, 28 de Abril de 2009.

Card. Tarcísio Bertone
Secretário de Estado de Sua Santidade
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 24 Abril , 2009, 19:54

EMRC é a favor da pessoa humana
:
Os alunos de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) da diocese de Aveiro elaboraram um livro sobre S. Paulo. Cada escola apresentou uma página sobre o Apóstolo. Com mais de quarenta escolas presentes no Inter-Escolas realizou-se hoje (dia 24 de Abril) esta iniciativa que congregou mais de três mil alunos.
“O livro não é editável” porque “cada página tem mais de metro e meio de comprimento” – referiu Fernando Baptista.

Depois da representação do «Hino da Caridade» pela Escola Secundária de Albergaria e da intervenção de D. António Francisco, bispo de Aveiro, os alunos de EMRC percorreram as ruas da cidade. “Foi de cortar o trânsito e de não deixar ninguém indiferente” – disse à Agência ECCLESIA Fernando Baptista, um dos coordenadores do Inter-Escolas daquela diocese. Depois de várias interrogações, as pessoas “aperceberam-se que na diocese de Aveiro somos muitos”

Depois do almoço, as escolas montaram stands onde mostravam e vendiam objectos. “Os fundos angariados servem para financiar algumas actividades da disciplina de EMRC” – sublinhou Fernando Baptista. Algumas escolas da diocese realizam iniciativas de solidariedade. E exemplifica: “ajudam famílias carenciadas”.

Na diocese de Aveiro – segundo este responsável – a taxa de inscrição na disciplina de EMRC situa-se acima dos 50%. Com a realização destes encontros, Fernando Baptista salienta é “uma forma de dar visibilidade e promover a disciplina”. Os frutos aparecem depois porque “é uma disciplina que trabalha os valores”. No entanto - lamenta o responsável -, quem “está de fora não vê a curto prazo os frutos”.

Com este tipo de manifestações, as pessoas apercebem-se que se faz “algo contra-corrente”. EMRC é contra-corrente, mas “a favor da pessoa humana”.
In Ecclesia
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 17 Fevereiro , 2009, 21:04
:
Uma Igreja renovada na fidelidade e no amor
:
Na sua Mensagem Quaresmal, o Bispo de Aveiro, D. António Francisco, lembra que é na Páscoa de Jesus que somos chamados a viver a “nobreza dos seus sentimentos, a audácia dos seus gestos, a entrega corajosa da sua paixão, a alegria jubilosa da sua ressurreição.”
Recomenda, depois, que “A Quaresma surge como um tempo especial para contemplarmos o modelo de vida que Jesus nos comunica”, o que constitui “uma oportunidade privilegiada para intensificarmos a renovação da Igreja diocesana”, no sentido de a tornar, “no mundo, farol de esperança para todos”, servindo “com desvelo os mais pobres.”
Pode ler toda a Mensagem aqui
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 08 Janeiro , 2009, 14:45

Jornal feito para os leitores e com os leitores
Chegou-me hoje às mãos um Correio do Vouga com nova cara. Diz a direcção, em nota de esclarecimento, que este semanário da Diocese de Aveiro “muda para ser mais agradável de ler, ter mais informação, ter outra informação”. Assumindo que “parar é morrer”, o Correio do Vouga apresenta-se com outra cara, na “imagem e no conteúdo”, sendo feito “com o mesmo empenho profissional e paixão”.
Sendo suspeito em qualquer juízo de valor (não posso esquecer que fui seu director durante 12 anos), não quero enjeitar a obrigação de apoiar as mudanças verificadas, mudanças que são sempre sinais de aposta no futuro, neste mundo de competição desenfreada. Alguma comunicação social não se coíbe de pôr de lado a ética profissional, apenas para vender mais notícias, em especial de sinal negativo, as tais que atraem mais publicidade.
O Correio do Vouga, que alinha pela positiva, com boa informação e com a formação adequada, oferece agora, em mais páginas, outras razões para ser mais lido.
Além das secções e colaboradores habituais, há novas rubricas, mais notícias um pouco de todos os âmbitos. E até nem sequer foi esquecido o passado, que poderá ser, para muitos leitores, mais um motivo de interesse. O mesmo se diga da “Espiritualidade”, do “Ver, Ouvir, Sair” e do “Almanaque”. E porque é feito para os leitores e com os leitores, esperam-se sugestões.
Os meus parabéns para a direcção do Correio do Vouga e para quantos semana a semana o fazem.

FM
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 11 Dezembro , 2008, 11:55
D. João Evangelista, 1.º bispo da restaurada Diocese de Aveiro

11 de Dezembro de 1938
Com grande solenidade, D. João Evangelista de Lima Vidal deu execução à bula do Papa Pio XI, que restaurou a Diocese de Aveiro, e tomou posse do cargo de administrador apostólico da mesma Diocese. Seria Bispo de Aveiro a partir de 1940
In Calendário Histórico de Aveiro
NOTA: Ao evocar, hoje e aqui, uma data histórica referente à Diocese de Aveiro, alimenta-me o propósito de levar os meus leitores a conhecerem um pouco mais a nossa vida regional. Assim, sugiro que leia algumas informações interessantes sobre a Diocese de Aveiro. A antiga e a actual.
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 03 Novembro , 2008, 11:47
6 – Duas décadas do diaconado permanente na Diocese de Aveiro

Durante estas duas décadas, os primeiros diáconos permanentes da Diocese de Aveiro exerceram a sua acção pastoral nos mais diversos domínios, de âmbito paroquial e arciprestal, mas também em serviços diocesanos.
Em Julho, o Bispo de Aveiro, conforme notícia inserta no Correio do Vouga, torna público as seguintes nomeações, para além dos trabalhos pastorais a desenvolver nas suas paróquias:
Afonso Henriques Campos de Oliveira, Pastoral Sociocaritativa no arciprestado de Águeda e apoio à Equipa sacerdotal de Águeda; Daniel Rodrigues pastoral dos marginais, integrada no sector da Pastoral Sociocaritativa; Fernando Reis Duarte de Almeida, membro do Secretariado das Migrações e Turismo e apoio a paróquias mais carenciadas pastoralmente; João Afonso Casal, equipa diocesana da Cáritas; José Joaquim Pedroso Simões, equipa diocesana da Cáritas; Carlos Merendeiro da Rocha, sector pastoral família-catequese (Gafanhas) e responsável pela formação espiritual e catequética do CNE (Gafanha da Nazaré); Luís Gonçalves Nunes Pelicano, pastoral familiar no arciprestado de Oliveira do Bairro e lançamento de trabalho pastoral em associações e instituições sociais de voluntariado; e Manuel Fernando da Rocha Martins, Secretariado Diocesano das Comunicações Sociais e pastoral social na zona das Gafanhas.
Depois, e conforme as necessidades pastorais e as disponibilidades e carismas dos diáconos permanentes, o Bispo de Aveiro procedeu a diversas nomeações, havendo de parte de todos o sentido de serviço e a co-responsabilidade eclesial.
Paralelamente às tarefas que lhes foram distribuídas, os diáconos integraram-se na formação permanente proposta pela Diocese, ao mesmo tempo que puderam contar com apoio espiritual e com acompanhamento pastoral, próprio de cada sector onde exerciam o seu ministério.
Fernando Martins
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 31 Outubro , 2008, 12:18
5 – Ordenação dos primeiros diáconos permanentes

A ordenação dos primeiros diáconos permanente aconteceu na Sé de Aveiro, a 22 de Maio de 1988, Dia de Pentecostes. Templo cheio, com o presbitério diocesano e familiares e amigos dos candidatos. Presidiu, obviamente, D. António Marcelino, Bispo de Aveiro, estando presente D. Manuel de Almeida Trindade, Bispo Emérito desde 20 de Janeiro de 1988.
À homilia, D. António Marcelino lembrou aos candidatos, em especial, e à comunidade diocesana, em geral, que “o diaconado permanente é na Igreja o serviço da caridade, institucionalizado oficialmente. Da caridade no seu sentido mais largo, exprimindo a alma de todo o serviço que a Igreja deve ao mundo e aos homens concretos”. E sublinha: “Embora podendo realizar todas as acções eclesiais – proféticas, litúrgicas e caritativas – compatíveis teológica e canonicamente com o grau sacramental recebido, o diácono é chamado a ser hoje, como servidor, um agente activo de mudança e de evolução pastoral, na procura de formas novas de a Igreja responder a novos problemas e a novas situações. Ele não é ordenado para ser um simples executante de tarefas. A sua maneira de viver, no dia-a-dia, a missão concreta que lhe foi confiada, tem repercussões directas sobre a orientação que a mesma missão diaconal irá tomando no futuro, tanto para si como para a Igreja diocesana.”
Tendo em consideração que os diáconos permanentes, como reza o Ritual da Ordenação, “Devem em tudo comportar-se de modo tal que sempre neles se reconheçam verdadeiros discípulos de Cristo, que veio para servir e não para ser servido”, D. António Marcelino frisou que os diáconos permanentes “não vão ser minipadres nem leigos promovidos”, pois “este ministério ordenado tem a sua especificidade própria, a qual tem muito que ver com o fermento novo que o Espírito de Deus vai colocando de muitos modos no seio da Igreja, para a tornar mais evangélica”.

Fernando Martins
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO