de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 06 Outubro , 2008, 12:42

“Jorge Godinho”


Se fosse vivo, Jorge Godinho teria completado 70 anos no passado dia 5 de Janeiro. Nasceu nessa data, em 1938, e faleceu em 16 de Junho de 1972, vítima de leucemia. Era casado com Ana Maria Lopes e quando morreu os seus dois filhos, o Pedro e o Miguel, tinham, respectivamente, 6 anos e 16 meses.
O livro nasceu, segundo a autora, a pensar “nos nossos netos que não conheceram o Avô”. E decerto, também, a pensar nos filhos, que pouco tempo tiveram para conviver com o pai. Mais ainda, julgo eu: a pensar na importância de deixar como herança, aos familiares e amigos, as marcas indeléveis de um homem, marido, pai e depois avô, que soube viver o seu tempo com elevação.
Para além das evocações fundamentais da vida de Jorge Godinho, por sinal irmão de Cecília Sacramento, minha querida e saudosa professora de português, Ana Maria Lopes revela facetas artísticas de seu marido, durante sete anos, pois era um exímio executante da guitarra de Coimbra.
Lendo esta obra, a autora leva-nos a viajar com Jorge Godinho pelo mundo do fado coimbrão, tão cultivado pela academia. E nessa viagem, cruzamo-nos com artistas que fizeram escola, alguns dos quais ainda podem deixar-nos impressões vivas do convívio que mantiveram com o biografado.
Luiz Goes, José Niza, Jorge Tuna, Octávio Sérgio, José Miguel Baptista, Durval Moreirinhas, José Afonso, Fernando Rolim, António Portugal e Levy Baptista e tantos outros são evocados por Ana Maria Lopes nesta obra, em edição de autora, que os ex-alunos, amigos e familiares do homenageado hão-de ler e reler com saudade.
Jorge Godinho licenciou-se em História e Filosofia, tendo exercido a nobre missão de ensinar até à sua morte. E pelo testemunho de um aluno, Naia Sardo, ele foi um professor de Filosofia que soube fornecer aos estudantes “as bases das correntes doutrinárias das várias épocas e países”, que os “ajudaram a ser homens válidos para a sociedade actual”.
Por sua vez, Octávio Sérgio recorda “a sua sonoridade, o dedilhar, o timbre, a clareza de notas, enfim, a qualidade da sua execução era superior”. E Durval sublinha: “Eu, tu, o Tuna, o Zeca, o Adriano, o Niza, Sutil Roque, o Marta, o Octávio, etc., etc., fizemos parte desse caldo de cultura cúmplice, fraterno, solidário, que nem os maus momentos conseguiram destruir.”
Ao referenciar o seu falecimento, o Correio do Vouga escreve, em 23 de Junho de 1972: "Corajoso na doença, dedicado aos seus alunos e amigos, optimista na visão dos acontecimentos, espírito inteligente e culto, foi professor que se impôs pela sua competência profissional e pelas suas invulgares qualidades de carácter, de compreensão e de bondade."
Completam o livro inúmeras ilustrações da vida de Jorge Godinho, desde criança até à sua intervenção social, passando pela família e pela vida académica e artística. Neste sector, sobressaem as capas dos discos em que deixou a sua marca de guitarrista, no Fado de Coimbra, da sua e nossa geração.

Fernando Martins

Nota: O livro de Ana Maria Lopes, “Jorge Godinho”, foi lançado no sábado, em Coimbra, na Galeria de Arte Santa Clara.
tags:
 O que é? | partilhar

Ana Maria Lopes a 6 de Outubro de 2008 às 14:09
Caro Professor:
Obrigada pelas suas palavras e pela divulgação.
Cumprimentos amigos.

Leopoldo Oliveira a 6 de Outubro de 2008 às 17:10
Tive o previlégio de ter sido aluno deste HOMEM, de quem guardo boas recordações.
Pena que nos tenha deixado tão novo,pois tinha muito para nos ensinar.

Leopoldo Oliveira

Ana Maria Lopes a 6 de Outubro de 2008 às 17:19
Boa tarde a Leopoldo Oliveira:

Se quiser deixar o seu endereço ou procurar o meu e-mail no meu Blog Marintimidades, terei muito gosto em lhe fazer chegar às mãos um exemplar do livro em causa. Cumprimentos.
Ana Maria Lopes

mais sobre mim
Outubro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO