de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Agosto , 2006, 11:06
O som dos ossos


Há longa data que os produtos para crianças e jovens trazem anexos alguns brindes como chamariz publicitário. Também hoje os jornais de venda ao público trazem muitas vezes produtos que nada têm a ver com os conteúdos ou o projecto editorial. Tanto no caso da Farinha Amparo como publicações que vendem mais baratas quinquilharias mil em visíveis doses de mediocridade, subjaz uma ideologia que se exprime no objecto “oferecido ao prezado leitor”. As bancas e tabacarias estão cheias desses objectos, ao lado de mil revistas com mil fotos que aconchegam pequenas histórias que brotam também duma óptica do tempo.
Não raro surgem, nalgumas publicações,”ofertas especiais” de tatuagens para todos os gostos. Que vêm ao encontro dum estranho ritual dos nossos dias que povoa imaginários de crianças e adolescentes, depois de ter passado por passerelles de todas as modalidades. Estamos perante algo mais longínquo do que parece.Com cerca de 4000 anos de existência, segundo os arqueólogos, do Nilo à Polinésia, Nova Zelândia,essa marcação com pretensões de “perenidade no corpo” acabou por ganhar o nome a partir do som estranho produzido por agulhas de ossos que imprimiam exóticos desenhos no corpo humano. Também teve o seu tempo de maldição expressa, como artifício demoníaco. No Livro do Levítico (cap.9) proíbe-se – dentro doutro contexto - “a impressão de qualquer marca no corpo”. Outras correntes consideram a tatuagem como instrumento terapêutico de grande alcance. Mas talvez o mais curioso seja perguntar pelo significado no corpo dos artistas, homens e mulheres de notoriedade que criam uma verdadeira torrente de imitadores que jilgam imperfeito o seu todo sem o artifício dum estranho desenho impresso ainda que sem promessa de vitalício.
É expressão corrente “tatuar uma vida” com um sentimento, um gesto, uma expressão, um sinal, uma “impressão de carácter”, um dizer forte e profundo sem palavras. Curioso o tempo que vivemos, na procura descoordenada de novos rituais que exprimem os desconhecidos camuflados dentro de cada ser. Que quererá dizer um jovem quando imprime em si próprio aquilo que desconhece?
 O que é? | partilhar

Anónimo a 21 de Fevereiro de 2008 às 02:16
o último parágrafo é uma visão muito redutora do que "a tatuagem", ou se quisermos o ritual da tatuar é.
obviamente, como em todas as áreas, há conscientes e inconscientes, quem se arrepende de ter tatuado algo no seu corpo e quem para sempre se sentirá bem.
como em qualquer área há que distinguir os que estão de alma e corpo numa causa, e os que apenas se deslumbram por momentos.

francisco

mais sobre mim
Agosto 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

15




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO