de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Maio , 2008, 19:18
Primeiro Jogo de Futebol em Portugal

Futebol, história ao contrário

1. Regressados de Inglaterra, corria o ano de 1888, os irmãos Pinto Basto trouxeram a primeira bola de futebol. Na história ficou gravado que Eduardo Pinto Basto organizou o pontapé de saída, a primeira partida de futebol realizada em Portugal. Foi há 120 anos, o princípio de uma história que cresceu, desmedidamente, também por esse mundo fora, fazendo dele uma brincadeira muito séria que, passo a passo, fomenta encontro de nações, controla as emoções, multidões, e consequentemente mesmo os poderes. Não deixa de ser curioso que o clube fundado pelos irmãos Pinto Basto ainda hoje existe, mas seguindo a sua matriz originária de amadorismo. No séc. XX a história dos países europeus e das suas grandes metrópoles confunde-se com o crescimento dos grandes clubes de futebol, tantas vezes usados como afirmação de um poder e glória que até ocultasse as verdadeiras e difíceis realidades internas.
2. Como em tudo, há quem goste e quem não goste de futebol. Saudável a multiplicidade de gostos, mesmo diante de um fenómeno popular incontornável que se tornou num símbolo e máquina poderosíssima, com as ténues fronteiras que isso significa. Há quem «adore» e viva (n)os clubismos; quem só goste dos jogos europeus, ou quando há equipas «nossas» contra os «outros». Também há quem aposte unicamente no gosto da selecção nacional de futebol, esquecendo todas as outras selecções nacionais de todos os outros desportos. Há, ainda, quem, até por outros gostarem, não podem ouvir falar de futebol, fundamentando-se na rede dúbias de cumplicidades futebolísticas que tocam fenómenos de doping ou corrupção. Enfim, todos os gostos e desgostos fazem parte desta história que é das realidades que, mesmo em tempos de crise e em cenários salariais escandalosos de jogadores endeusados e treinadores, resiste à própria história.
3. Também, há realidades que custam a entender. Nestes dias, o presidente de um grande clube, Sporting, afirmou peremptoriamente: «O Governo tem de decidir se o futebol é uma actividade importante para o país. O futebol deu projecção a Portugal? Então fomente-se a actividade.» (jornal Record, 26-05-2008). Custa a ler e a entender, o que demonstra bem o que se está a passar. Se há sector que Portugal tem fomentado, até demais, é o futebol; não só os estádios do Euro, mas uma «futebolomania» atravessa quase todos os sectores da sociedade como vontade popular. Não peçam os clubes aos políticos cobertura para tantas loucuras salariais e patrimoniais por vezes cometidas. Não peça o Inter de Milão dinheiro à Câmara Municipal ou ao Governo para pagarem os salários ao milionário José Mourinho que nestes dias assina três anos pelo Inter, em que receberá de vencimento 9 a 10 milhões de Euros por ano, «livres de impostos»?! Ainda por cima o treinador mais bem pago do mundo não vai pagar impostos…!
4. Futebol sim, loucura não! Mas já há muito que esta fronteira desapareceu. Os adeptos fazerem greve?! Impossível, há dependência total. Parece mesmo que o futebol é uma história ao contrário da vida (de crise social), para já não falar no que está a acontecer com a conta de Cristiano Ronaldo! Quanto mais golos marcarem as emoções em catarse, menos lugar há para a razão dosear o escândalo desta história. Na Europa está-se por tudo, seja o que for! Até quando? Não seria possível uma festa futebol mais saudável?

Alexandre Cruz
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Maio 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO