de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 14 Junho , 2006, 18:24


FARISAISMO NACIONAL
E CASA DO GAIATO

O Padre Américo, pela sua pessoa, pedagogia educativa e obra, faz parte do nosso património nacional e eclesial. Sem qualquer favor. Quem o negar só o pode fazer por desconhecimento, má vontade ou facciosismo ideológico e anti-religioso.
Ele está, merecidamente, a caminho dos altares, sem pressas, nem atropelos. A sua obra está aí à vista, a pedir meças a qualquer outra do género, com os resultados, a confiança e a admiração de todo o país. O método pedagógico, inovador e objectivo, objecto de teses de doutoramento e de estudos sérios, provado pela sua eficácia ao longo de muitas décadas, mostra que, na educação, quando não há entrega incondicional por parte do educador e um coração sensível e aberto, nunca haverá processo educativo válido e que ajude a crescer.
O estado, na tentação de se julgar dono de tudo, até das pessoas, descura o essencial e agarra-se ao acidental. Técnicos, muitos deles imberbes, de ideias feitas e horários reduzidos, não ouvem ninguém porque já sabem tudo, não aceitam senão o que sai das suas cabeças iluminadas. Assim se chegou ao menosprezo pelas beneméritas Casa do Gaiato e, logicamente, pela sua alma dinamizadora, os Padres da Rua. Talvez para cobrir ineficiências e fracassos das obras congéneres oficiais, de que a comunicação social dá notícia abundante, de desgoverno e de misérias.
O resto é feito por uma justiça que ninguém entende. Condena e dá publicidade, sem ouvir a parte acusada, que tem sempre muito a dizer e direito a fazê-lo. Tudo se passa a partir de queixas de adolescentes e jovens, ressabiados porque não suportaram, para seu bem, nem normas de disciplina, nem castigo merecido. Gente nova, soprada por adultos sem escrúpulos, que no jeito farisaico de quem não mostra nem a mão nem o rosto, empurra, atira a pedra e faz barulho para que se ouça e se veja onde ela cai.
Os Padres da Rua são heróis diários que incarnam o carisma providencial do Padre Américo e têm o dever de o defender e salvaguardar, homens a quem, no dia a dia, só conforta o sentido evangélico na sua vida e a consciência de uma doação, sem horas nem limites. Milagre que só o amor explica, mas que incomoda quem não é capaz do mesmo, nem de compreender o sentido destas vidas singulares. O estado, em vez de realçar e apoiar a grandeza de testemunhos tão eloquentes, parece querer abafar esta luz, dando atenção a críticas e acusações de quem jamais entenderá o que é educar com amor, pessoas para a vida. Assim se pode calar e destruir um património, que será sempre uma referência educativa de qualidade, para, em troca, encaixar um carisma único, em moldes legais uniformizados e falhados.
Muitas perguntas se impõem: Quem são as crianças que vão parar às Casas do Gaiato? Quais são os resultados de um processo educativo que tem dezenas de anos e milhares de beneficiados? Que custos teve o Estado com esta educação? Quantos e quem são os que, nas Casa do Gaiato se dedicam, dia e noite, comparados com as dezenas de funcionários bem pagos para cuidar de uma dúzia ou menos de internados em estabelecimento públicos, a que agora chamam “colégios”? Quem prestou e presta atenção e proporciona amor às centenas de crianças, retiradas da rua e do lixo, sem família ou de famílias degradadas, que se vão transformando em profissionais competentes, esposos e pais exemplares, cidadãos de mão cheia, senão a Casa do Gaiato que as recebeu, amou e ajudou a crescer para a vida e é a única que chora os que se perdem, porque o tribunal lhos retirou para entregar a gente irresponsável? Por acaso, um castigo exemplar, na hora exacta e com o apoio de quem acompanha e ama, como tantas vezes nos fizeram os nossos pais, alguma vez foi para nós traumatizante? Se “quem dá o pão, dá a educação”, porque este chinfrim farisaico da justiça, da comunicação social, dos organismos do estado, da opinião pública manobrada, a atacar, com ódio e desprezo, as Casa do Gaiato?
Estou e sempre estive com os Padres da Rua, e muito especialmente neste momento em que são injustiçados e caluniados.
Há passos a dar? Ouça-se quem já deu muitos e está na luta diária. Só assim serão mais válidos os que, porventura, devem ainda ser dados, para um maior bem.
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Junho 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

16
17


26


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO