de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 02 Dezembro , 2009, 18:18



Escola para a vida e contacto com a realidade



“Recordo-me que meu pai nos levava nos fins-de-semana, a mim e aos meus irmãos, todos ainda muito novos, a visitar as zonas mais “agradáveis” de Lisboa, como era o caso do famoso caneiro de Alcântara com as suas furnas (ou grutas naturais) habitadas, em regra, por pessoas marginalizadas pela sociedade; aproveitava essas ocasiões para nos falar das famílias e das crianças pobres e com fome, das desigualdades, das injustiças, da caridade, etc”.

Assim conta João Moura, reconhecido economista e cristão comprometido, na Nota Prévia do seu livro “Doutrina Social da Igreja vista e vivida por um leigo”, publicado já este ano de 2009, de leitura obrigatória e de estudo cuidado, para acordar para sectores de vida de onde a luz de uma fé activa não pode estar ausente, não faltando ensinamento lúcido e actual para que assim aconteça. Limito-me, por agora, a recomendar o livro, sem outros comentários a propósito, que poderão ser feitos a seu tempo.

O que no momento me apraz salientar é o facto de a família ser a mais importante escola destinada a formar os filhos, desde crianças, para uma vida aberta à realidade, onde o compromisso com a justiça, a solidariedade, a prática da verdade e do amor, não são meras palavras. São gestos responsáveis e esclarecidos de cidadania activa e atitudes consequentes de assumida fraternidade, tornados hábitos libertadores, fruto da prática constante de bem fazer. Gestos que moldam o coração à solidariedade efectiva, por se ter aprendido, desde pequeno, a ver nos outros pessoas e irmãos, e sentir-se devedor para com eles, quando tocados por necessidades e dores que a sociedade gera.

É preocupante verificar como muitos pais deseducam os seus filhos, cedendo às suas exigentes impertinências, não contrariando as suas tendências egoístas, substituindo-os no esforço normal que a vida lhes vai pedindo, enfrentando, orgulhosamente, outros educadores, como os professores, se nos seus métodos cabe qualquer exigência que contraria meninos mimados.

Alguém escreveu que está a acabar-se a geração dos filhos que obedeceram aos pais, e se instala, a passos largos, a geração dos pais que obedecem aos filhos.

Educar não é contrariar por sistema, mas, também, não é ceder sem mais. O desenvolver das capacidades inatas faz-se no confronto com os desafios da vida e com o desenvolver do esforço que lhes dá resposta. Esta processo não se faz sem sacrificar gostos, sem obedecer a normas, sem experimentar o sabor dos êxitos e apelos para ir mais longe, sempre e mesmo quando surgem os fracassos normais, numa caminhada realista de aprendizagem da vida.

Não quero dizer que não se aprende nada visitando a “disneylandia”, mas que também se aprende e, por vezes, muito e de maneira marcante, vendo, com a explicação apropriada de um pai atento, as tocas onde se abrigam os marginalizados e onde os “feridos da vida” sofrem a fome e o abandono que os vão tornando excluídos sociais. A primeira aprendizagem pode dar para contar aos amigos menos afortunados, gerando, talvez, invejas de crianças. A segunda dará para dar conta de realidades que a sociedade esconde e que um pai educador não teme mostrar e explicar, na esperança de criar filhos capazes de dar o seu contributo a favor de um mundo mais justo, fraterno e solidário.

Os caminhos da educação que só premeiam êxitos escolares, por vezes discutíveis, ou ministram ensinamentos, porventura úteis para algumas coisas, mas não determinantes para dar à sociedade um rosto mais humano, não são os caminhos mais certos nos tempos de egoísmo que correm. Darão brilho às estatísticas, mas tiram fulgor à inteligência, à vontade e aos afectos que moldam o coração.

António Marcelino
tags:
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Dezembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



29


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO